quarta-feira, 29 de abril de 2015

Nave espacial russa em queda não deve apresentar perigo


Uma nave Progress fotografada a aproximar-se da Estação Espacial Internacional em 2010 NASA/REUTERS

O mais provável é que a nave russa descontrolada arda aquando da sua reentrada na atmosfera terrestre.

A nave espacial não tripulada Progress, que levava mantimentos para a Estação Espacial Internacional (ISS) — e que começou a rodopiar descontroladamente após a sua colocação em órbita —, “está a cair em direcção à Terra”, noticiou a agência AFP. Contudo, a possibilidade de causar estragos no solo parece bastante remota.

O foguetão Soiuz que levava a nave Progress M-27M foi lançado na terça-feira, mas as comunicações foram perdidas pouco depois.

“É impossível dizer quando exactamente é que a nave cairá na Terra, isso depende de inúmeros factores", disse à AFP um oficial da base espacial de Baikonur (Rússia), que pediu para conservar o anonimato, admitindo assim que os responsáveis pela missão perderam o controlo da Progress.

Todavia, refere a AFP, a quase totalidade dos engenhos espaciais do mesmo tipo desintegra-se na sua reentrada na atmosfera terrestre — e mesmo se não arderem completamente, os seus fragmentos costumam cair nos oceanos, que ocupam a maior parte da superfície terrestre. Três a quatro naves Progress são lançadas por ano e, uma vez completada a sua missão, ardem na atmosfera por cima do Oceano Pacífico.

Seja como for, a probabilidade de uma pessoa ser atingida por um fragmento da nave em queda é de uma em 3200 — e “a de você próprio ser atingido(a) anda à volta de uma em 2,2 milhões de milhões”, segundo as contas do jornalista James Ball no diário britânico Guardian. “Portanto, se fosse a si, não ficaria muito preocupado(a).”

A Progress M-27M transportava material científico e mantimentos de primeira necessidade — nomeadamente água e alimentos —, mas a sua perda não deverá causar transtornos aos seis membros da tripulação da ISS. Ora, se os astronautas e cosmonautas que se encontram a bordo da estação não tivessem mantimentos suficientes, isso poderia ter causado uma real preocupação.

Mas não é esse o caso: "Os segmentos russo e americano da estação continuam a funcionar normalmente e dispõem de reservas suficientes para subsistir bem para além da data de chegada da próxima nave de mantimentos, prevista para Junho", declarou na terça-feira a agência espacial norte-americana NASA.

Responsáveis da agência espacial russa Roscosmos citados pela imprensa internacional estimam que a queda eventual de fragmentos da nave aconteça entre 7 e 11 de Maio. Até lá, irão monitorizar de muito perto a sua trajectória.

fonte: Público