sábado, 30 de abril de 2011

Nova espécie de aranha é batizada de David Bowie


Aracnídeo tem uma aparência que lembra o visual antigo do roqueiro

Uma nova espécie de aranha identificada por um investigador alemão foi batizada com o nome de David Bowie como forma de chamar a atenção do público para as inúmeras espécies de aracnídeos ameaçadas de extinção no planeta.

A Heteropoda davidbowie de tamanho grande e pelos amarelos, é encontrada apenas em algumas regiões da Malásia.

Num e-mail à BBC Brasil, o especialista responsável pela descoberta, Peter Jaeger, do museu de História Natural Senckenberg, em Frankfurt, disse que é fã do roqueiro britânico. "Eu gosto do seu repertório eclético desde os 13 anos de idade", disse Jaeger. "Nesse caso, especialmente, ocorre que a aranha tem uma aparência que lembra o visual antigo de David Bowie, quando ele usava maquiagem e roupas coloridas".


Cobra confunde e engole o próprio rabo na Inglaterra


Rabo vira petisco

Uma clínica veterinária do condado de Sussex, no sul da Grã-Bretanha, teve que resolver um caso curioso: o de uma cobra de estimação que tentou engolir o próprio rabo.

O incidente ocorreu no dia 6 de agosto e envolveu uma cobra da espécie Lapropeltis getulus, conhecida como cobra real californiana.

O dono dela notou que o réptil tentava engolir o próprio rabo e a levou à clínica veterinária Seers Croft.

Lá, o veterinário Rob Reynolds teve que deslocar a mandíbula para liberar o rabo do réptil da sua própria mordida.

De acordo com informações da clínica, cobras em geral são carnívoras, mas estas em particular, além de se alimentarem de ratos e de pequenos mamíferos, também comem lagartos e outras cobras.

No entanto, Rob Reynolds afirmou que nunca viu um caso no qual um animal não conseguia se libertar da própria mordida, apesar de este ser um fenómeno já conhecido.


Fígado sai intacto de acidente aéreo e salva vida de paciente


O órgão estava a bordo de um avião Cessna procedente de Belfast (Irlanda do Norte), que caiu na última sexta-feira no aeroporto da cidade inglesa de Birmingham. O acidente foi causado pela forte neblina.

Os dois pilotos do aparelho ficaram feridos, mas o fígado não teve danos, permitindo que a operação acontecesse. O aeroporto de Birmingham ficou fechado até o meio-dia do último sábado para a realização de investigações sobre o acidente.

O cirurgião Simon Bramhall, que realizou o transplante, disse ser 'incrível' que o órgão tenha ficado intacto. 'Sem um transplante de fígado, a paciente certamente teria morrido', afirmou.

A paciente que recebeu o órgão era uma mulher cujo caso foi classificado como 'super-urgente', já que ela era considerada uma das pessoas mais doentes na lista de transplantes da Grã-Bretanha.

'Os pacientes que estão nesta lista têm somente alguns dias a mais de vida, então, nesta situação em particular, era crucialmente importante que o fígado doador estivesse funcionando bem', disse o cirurgião.

Recuperação

Segundo Bramhall, a embalagem do órgão, feita com uma caixa térmica com gelo, ficou sem danos mesmo depois do desastre.

O médico informa que a paciente transplantada está no hospital Queen Elizabeth, em Birmingham, a recuperar bem.

Uma porta-voz da empresa AD Aviation, proprietária do avião que teve o acidente, afirma que os pilotos envolvidos na queda estão bem. Um deles já deixou o hospital e o outro ainda poderá levar algumas semanas para recuperar totalmente.

fonte: MSN Noticias

1500 alegados milagres para provar santidade de João Paulo II


Um bebé que nasceu saudável quando tudo indicava que teria graves malformações e a cura inexplicável de um doente cardíaco foram alguns dos 1500 alegados milagres apresentados ao sacerdote responsável por provar a santidade de João Paulo II.

Slawomir Oder encontra-se em Lisboa para o lançamento do livro João Paulo II Santo, no qual conta o seu trabalho de cinco anos de investigação e recolha de testemunhos, provas e episódios que provassem a santidade de Karol Wojtyla.

Em entrevista, explicou que a fase fundamental do processo com vista à beatificação do papa João Paulo II está completa, faltando agora que a Congregação para a Causa dos Santos conclua o estudo do caso apresentado como milagre. Esta fase, que decorre em segredo no interior da congregação, termina após análise por uma comissão médica, a seguir por uma comissão de teólogos e por fim pela comissão de bispos e cardeais, que entregam depois a sua conclusão ao papa Bento XVI.

«Espero que possa concluir-se o mais cedo possível porque o reconhecimento do milagre abrirá o caminho para a celebração litúrgica da beatificação», disse Slawomir Oder, escusando-se no entanto a fazer uma previsão de quando isso poderá ocorrer.

O caso apresentado como milagre realizado por intercessão de João Paulo II é o da madre francesa Marie Simon-Pierre, da congregação das Irmãzinhas das Maternidades Católicas, curada sem explicação médica da doença de Parkinson em 2005.

uestionado sobre o caso, Slawomir Oder, que funciona como advogado pela canonização de João Paulo II, explicou que o primeiro relato do acontecimento lhe chegou dois meses depois da morte do papa.

«O Papa morreu em Abril. Em Junho aconteceu o caso extraordinário. Pouco depois foi-mo assinalado em Roma», contou. «Chegou-me uma carta que me tocou muito pela sua simplicidade, pela humildade da forma como estava escrita, mas também pela excepcionalidade do facto».

Como esta carta, chegaram muitas. Cerca de 1500, segundo as suas estimativas. São casos de graças obtidas por intercessão de João Paulo II que dizem respeito a curas de doenças e muitos casos de maternidade em casais que durante anos sofreram de infertilidade, explicou.

«Estes 1500 casos são seguramente graças obtidas, mas um milagre é uma coisa muito bem definida na jurisprudência da congregação», disse, acrescentando que se concentrou no caso de Marie Saint-Pierre, mas havia «mais dois ou três com sabor a milagre».

Um, proveniente da Alemanha, dizia respeito a «uma gravidez muito difícil, com a previsão de um bebé mal-formado. A fé e a oração dos pais fez com que o bebé nascesse sem problemas». O outro diz respeito à cura inexplicável de uma doença cardíaca. Também houve casos provenientes de Portugal, embora Slawomir Oder não se recorde de nenhum em concreto.

fonte: Sol

Tornados nos EUA mataram pelo menos 214 pessoas


A mais grave vaga de tornados dos últimos 40 anos nos Estados Unidos terá vitimado pelo menos 214 pessoas em vários estados do sudeste do país.


Alabama é o estado mais atingido, com registo de pelo menos 131 mortes. A cidade de Tuscaloosa, de 83 mil habitantes, foi parcialmente destruída por um gigantesco tornado, considerado por um meteorologista citado pela BBC como «o pior na história do estado». Mais de 2.000 soldados participam em operações de socorro.

O Presidente Barack Obama declarou o estado de emergência em sete estados da região. O Mississippi e o Tennessee contabilizam mais de 30 mortes cada, e milhares de edifícios destruídos.

Há quase um mês que os Estados Unidos são assolados pelo fenómeno, mas a situação agravou-se na última semana, com registo de mais de 300 tornados desde sexta-feira.

Nas últimas horas, o centro da instabilidade atmosférica deixou o sudeste do país e deslocou-se para o leste e o nordeste. Geórgia, as Carolinas e a Virgínia encontram-se sob alerta de tornado. A região da Nova Inglaterra, que inclui o estado de Nova Iorque, está sob aviso de tempestade.

fonte: Sol

Boi de cinco pernas tem chamado a atenção em Joinville


Boi de cinco pernas foi batizado de Carlito

Além da perna extra, animal ainda tem duas "patas" a mais

Um boi com cinco pernas tem chamado a atenção de quem passa por um hotel fazenda na Serra Dona Francisca, em Joinville. O animal, que já virou atração no Hotel Fazenda Dona Francisca, tem uma pata a mais, que nasceu nas costas. E essa perna extra têm dois pés (patas).

Segundo o dono do hotel, Francisco Schmitz, mais conhecido como Chico Mineiro, o animal tem oito anos, e há cinco anos já está no hotel.

fonte: Zero Hora

O robô que apanha bolas e serve chá ou café


Rollin' Justin é um robô que está sempre a melhorar. Depois de movimentos básicos, agora já apanha bolas em movimento.

Aqui, o robô da Agência Espacial Alemã, está a apanhar bolas


E aqui, na CeBIT a preparar um chá, como a Exame Informática o gravou na altura



Submarino vai levar humanos ao ponto mais fundo dos mares


É na mítica Fossa das Marianas, no Oceano Pacífico, que se encontra o ponto mais fundo dos mares. Nada que o submarino Triton 36,000 FOD não possa alcançar.

Não é por acaso que o novo submarino tripulado por humanos dá pelo nome Triton 36,000 FOD. "Triton" deriva do nome da fabricante Triton Submarines, e "36,000" deriva dos 36.000 pés (10,97 quilómetros) de profundidade que o submarino pretende alcançar, estabelecendo eventualmente um novo recorde subaquático. A própria sigla FOD, de Full Ocean Depth (o fundo mais profundo dos oceanos), remete para esse possível marco histórico.

De acordo com a MSNBC, o protótipo do Triton 36,000 FOD já iniciou os primeiros testes.

A nova máquina mais parece uma nave espacial de banda desenhada, mas a verdade é que a capacidade para resistir à elevada pressão provocada pela não menos elevada profundidade resulta precisamente da arquitetura que o Triton 36,000 FOD pretende inaugurar em breve.

O novo submarino, que vai poder transportar três pessoas, terá como habitáculo principal uma grande esfera de vidro borosilicato, que se distingue pela elevada espessura. Por ser esférico, o habitáculo de vidro ganha maior resistência à pressão.

O desenvolvimento do novo submergível deverá orçar mais de 15 milhões de dólares (pouco mais de 10 milhões de euros).

Atualmente, a Triton Submarines está a negociar com potenciais investidores.

Não se sabe ainda quando deverá o novo submarino partir à conquista das profundezas do pacífico.

Até chegar a essa data mítica, será o recorde do "escafandro gigante" que dava pelo nome de Trieste a servir de referência.

Corria o ano de 1960, quando este veículo criado por um consórcio, que juntava investigadores suíços e italianos, ficou a um passo da mítica marca dos 36 mil pés de profundidade (chegou aos 10,911 quilómetros). A bordo seguiam duas pessoas.


quinta-feira, 28 de abril de 2011

Açores têm 270 grutas vulcânicas


Grutas açorianas são únicas

O arquipélago dos Açores possui 270 cavidades vulcânicas únicas a nível mundial, mas apenas cinco estão abertas ao público.

Os especialistas consideram que mais de uma dezena deveriam ser visitadas, constituindo um atractivo turístico. "As grutas dos Açores são diferentes, porque são cavidades vulcânicas. Temos grutas únicas a nível mundial", explicou João Carlos Nunes, do Grupo de Trabalho para o Estudo do Património Espeleológico dos Açores (GESPEA).

Actualmente, apenas cinco grutas nos Açores estão abertas ao público: Algar do Carvão e Gruta do Natal (ilha Terceira), Gruta do Carvão (São Miguel), Furna do Enxofre (Graciosa) e Gruta das Torres (Pico). O especialista assegurou que "há seguramente mais de uma dúzia que poderiam ser visitáveis".


Tangente à Terra


A aproximação à Terra do asteróide 2005 YU55, com 400 metros de diâmetro, no próximo dia 8 de Novembro, é um fenómeno fora do comum, devido à curta distância a que vai passar (0,85 distâncias lunares, cerca de 320 mil quilómetros) e ao seu tamanho.

O 2005 YU55 entrou para a lista de asteróides "potencialmente perigosos", embora os astrónomos considerem que não há possibilidade de colisão com a Terra nos próximos cem anos.

Um evento deste tipo não vai acontecer novamente até 2028, quando está previsto que o asteróide 2001 WN5 passe a 0,6 distâncias lunares. Já o Apophis, uma rocha de 270 metros de diâmetro, causa preocupação. O asteróide, descoberto em 2004, passará perto da Terra em Abril de 2029 – está previsto que a trajectória se situe abaixo da órbita dos satélites geoestacionários. O Apophis voltará a aproximar-se do planeta em 2036: as hipóteses de ter um impacto com a Terra é de 1 em 45 000.

Também os meteoritos, na sua maioria fragmentos de asteróides ou de cometas, preocupam. Uma poderosa chuva de meteoritos, as Dracónidas (associada ao cometa 21P/Giacobini-Zinner), vai atravessar a atmosfera terrestre a 8 de Outubro. O fenómeno vai durar sete horas e esperam-se várias centenas de rochas por hora.

DATAS DA CIÊNCIA

1990-24 de Abril

É lançado o telescópio espacial ‘Hubble’, que tem ajudado a resolver alguns antigos problemas da astronomia, bem como revelado novos resultados que exigiram novas teorias para explicá-los.

1953-25 de Abril

Os biólogos Francis Crick (britânico) e James Watson (norte-americano) anunciam a descoberta da estrutura do ácido desoxirribonucleico (ADN), uma molécula orgânica que contém a informação que coordena o funcionamento de todos os organismos vivos.

1986-26 de Abril

Um dos reactores do complexo nuclear de Chernobil, na Ucrânia, explode, libertando para a atmosfera níveis de radiação 400 vezes superiores aos que foram libertados pela bomba de Hiroshima, em 1945. A nuvem radioactiva afectou 600 mil pessoas e contaminou 100 mil quilómetros quadrados.

CM RESPONDE

Gravidade: Porque não podemos viver sem gravidade?

Anabela Nunes, Lisboa

O corpo humano reage de modo intenso a alterações na força gravitacional que age sobre ele. Os astronautas que passam longos períodos no espaço, onde a gravidade é quase nula, sofrem de enjoos, desorientação e insónia. A falta de gravidade altera a circulação sanguínea, causa descalcificação dos ossos e atrofia dos músculos. Alguns microorganismos, como a salmonela, tornam-se mais agressivos quando vivem em ambientes quase sem gravidade. Se a gravidade da Terra mudasse significativamente, teria um grande efeito em quase tudo, pois muitas coisas são criadas em função do estado actual da gravidade.


Reforma aos 102 anos


Aos 102 anos, aquela que é considerada como “a mais antiga trabalhadora no activo nos EUA” decidiu, finalmente, reformar-se. Sally Gordon trabalha no Congresso do Nebraska há mais de 80 anos, tendo mesmo assistido à construção do edifício, inaugurado em 1927. Conhecida pelo irrepreensível porte, não dispensa as caminhadas e come com pauzinhos chineses para manter a forma. “Ainda sou nova. Agora quero gozar a reforma”, afirma.


Expedição à Antárctida descobre a maior concentração de baleias dos últimos 20 anos


Imagem captada na Baía Wilhelmina

Há já mais de 20 anos que não se via uma tal concentração de baleias-de-bossa, espécie ameaçada. Uma expedição de seis semanas descobriu 300 animais a alimentar-se nas baías na Península da Antárctida, segundo um estudo publicado na revista “PLoS ONE”.

“Uma concentração de baleias e de krill [minúsculas criaturas semelhantes a camarões que se alimentam, principalmente, de fitoplancton e que são a base alimentar de inúmeras espécies marinhas] incrivelmente densa como esta nunca foi observada nesta zona e nesta época do ano”, comentou Douglas P. Nowacek, da Universidade de Duke, citado em comunicado desta instituição. Nas águas havia pouco gelo, cobrindo menos de dez por cento da superfície marinha da baía.

Durante a expedição realizada em Maio de 2009, a bordo do navio “Lawrence M. Gould” – nas mãos dos Programas Polares da Fundação americana para a Ciência -, Nowacek e os seus colegas observaram 306 baleias-de-bossa – correspondendo a 5,1 baleias por quilómetro quadrado, a maior densidade alguma vez registada – na Baía Wilhelmina. Além disso, os investigadores mediram a biomassa de krill em cerca de dois milhões de toneladas. A equipa regressou ao mesmo local em Maio de 2010 e registou números semelhantes.

Estes números realçam os impactos rápidos das alterações climáticas na região. Segundo explicam os investigadores, antes, o gelo cobria grande parte da superfície do mar junto àquela baía em Maio, protegendo o krill e forçando as baleias-de-bossa a migrar para outras regiões à procura de alimento. Mas as rápidas alterações climáticas na região ao longo dos últimos 50 anos reduziram significativamente a área coberta de gelo e atrasaram o seu aparecimento.

“A curto prazo, a falta de gelo no mar é uma boa notícia para as baleias, permitindo-lhes autênticos festins, à medida que o krill se desloca verticalmente para a superfície da baía todas as noites”, comentou Ari S. Friedlaender, um dos dois autores principais do estudo e investigador da Universidade de Duke. “Mas estas são más notícias a longo prazo para ambas as espécies e para tudo o resto no oceano Antárctico que depende do krill”, alertou. Tudo porque o krill não terá tempo para recuperar as suas próprias populações, de época para época, e de assim manter as espécies que dele dependem.

Pinguins, focas, aves marinhas e muitas espécies de baleias dependem do krill.

fonte: Público

quarta-feira, 27 de abril de 2011

EUA mantiveram doentes mentais presos durante anos


De acordo com documentos obtidos pelo Wikileaks e revelados pelo El País, cerca de 30 detidos em Guantánamo sofriam de doenças mentais e vários tentaram suicidar-se diversas vezes.

Os documentos que a organização de Julien Assange entregou ao jornal espanhol revelam que a relação entre os guardas e os prisioneiros eram marcadas pela violência e que os responsáveis pelos interrogatórios eram soldados obcecados por descobrir o paradeiro de Bin Laden.

Os documentos a que o El Pais teve acesso demonstram que 30 presos de Guantanamo sofriam de «doenças do foro psiquiátrico, transtornos de personalidade, depressões profundas», esquizofrenia e problemas de consumo de drogas. Apesar desses transtornos terem sido comprovadas por avaliação médica, os doentes permaneceram presos e impedidos de voltar aos países de origem durante anos.

Vários doentes mentais tentaram o suicídio enquanto se encontravam na prisão de alta segurança e três chegaram mesmo a consegui-lo.

O diário espanhol conclui que, mesmo em casos de doença extrema, a procura de informação foi sempre colocada acima da saúde dos indivíduos.

fonte: Sol

Ex-oficiais nazis holandeses 'não mostram arrependimento'


Ex-oficiais nazis holandeses afirmam não ter quaisquer sinais de arrependimento do seu passado de acordo com um documentário que será transmitido a 2 de Maio pela NCRV, uma das principais estações de televisão pública holandesa.

Ao todos são seis os antigos oficiais holandeses quem prestaram declarações no documentário 'Os Soldados Negros'. Os ex-oficiais desempenharam funções no segmento holandês das forças de segurança nazis, o NSB.

De acordo com o diário El Mundo, todos os ex-nazis entrevistados - o mais novo com 85 anos de idade -, não se mostraram arrependidos pelo seu passado ao explicarem os motivos que os levaram a aceder às medidas de repressão e anti-semitismo face aos judeus.

A sua avançada idade levou a que quisessem deixar o seu depoimento. Um dos entrevistados, entretanto já falecido, Klaas Overmars, confessou que «aqueles uniformes tinham um poder de atracção enorme, irresístivel».

Em relação a Adolf Hitler, o ex-oficial afirma que «logrou fazer uma boa limpeza [em relação] ao ódio aos judeus» ao abordar os campos de concentração e a «solução final» idealizada pelo ditador nazi.

«Não sinto nenhum remorso», assegurou Kris Sol, outro dos antigos nazis entrevistados, acrescentando inclusivamente que «Hitler fez o correcto para manter a pureza da raça».

Perante as declarações recolhidas a reacção do director do documentário, Joost Seelen, começou por referir que os ex-oficiais «não tinham nada a perder» ao prestarem declarações, pois «aperceberam-se que seria a última oportunidade para contar a 'sua' verdade».

E prosseguiu: «Surpreendeu-me o facto de terem falado de forma tão dura e directa, insensíveis perante o que estavam a explicar».

A transmissão do documentário está inserida nas comemorações - a 4 de Maio -, em memória das vítimas holandesas na Segunda Guerra Mundial.

fonte: Sol

Ordem dos Druidas chega a Portugal


Sintra foi o local escolhido para acolher a primeira cerimónia do calendário celta, já no primeiro dia de Maio. É dessa forma que se dá a chegada da Ordem dos Bardos, Ovates e Druidas a Portugal.

Aquele que é um dos mais importantes grupos a nível mundial, dedicado à prática, ao ensino e ao desenvolvimento desta espiritualidade com raízes celtas vai chegar a Portugal

A primeira cerimónia da Ordem em terras lusas será este domingo, data da festividade celta de Beltane (que significa 'Fogo de Bel', uma divindade solar céltica), que está ligada ao redespertar das energias da Terra.

Em língua portuguesa está já disponível um curso completo de druidismo, cobrindo os graus de Bardo, Ovate e Druida.

O revivalismo druídico remonta ao século XVIII, mas formalmente a OBOD foi fundada em 1964 por Ross Nichols, poeta e académico de Cambridge.

Actualmente deverá haver cerca de 12 mil seguidores em cerca de 50 países.

Um dos momentos mais relevantes desse movimento deu-se há um ano, quando Inglaterra reconheceu oficialmente o druidismo como religião.

fonte: Sol

Sismo de 2.5 sentido em Vendas Novas


O Instituto de Meteorologia registou, esta quarta-feira, à 1.06 horas um sismo de magnitude 2.5 na escala de Richter, cujo epicentro se localizou a cerca de quatro quilómetros de Vendas Novas.

O sismo foi sentido com intensidade máxima de III na escala de Mercalli na região de Vendas Novas.

De acordo com informação do Instituto de Meteorologia (IM), não há até ao momento conhecimento que o abalo tenha provocado danos pessoais ou materiais.

A escala de Richter mede a magnitude do sismo, enquanto a de Mercalli classifica a intensidade a partir dos seus efeitos em pessoas e estruturas na superfície da Terra.

fonte: JN

Ganso tornou-se guia de cão cego na Polónia


Buttons, um ganso fêmea de quatro anos, tornou-se o amigo inseparável de um boxer cego. Segundo a edição inglesa do jornal Metro, Buttons conduz Bak para todo o lado, quer colocando o seu pescoço por cima dele, quer grasnando para que ele saiba para onde ir.

Renata Kursa, de 47 anos, residente em Lublin, na Polónia, ficou destroçada quando Bak ficou cego, devido a um acidente de viação, no ano passado. "Mas, gradualmente, Buttons começou a tomar conta dele e a passear com ele por todo o lado. Agora, são inseparáveis e até perseguem o carteiro juntos", conta.


Chimpanzés dão à luz como os humanos


Um video sobre o nascimento de um chimpanzé mostra que estes animais são dados à luz de uma maneira que se pensava ser exclusiva dos seres humanos, avança a BBC. Uma equipa do Instituto de Pesquisa de Grandes Primatas Hayashibara, em Okayama, no Japão, filmou de perto uma chimpanzé em cativeiro a dar à luz, mostrando que o recém-nascido nasce com a cara virada para a mãe, tal como acontece com os seres humanos.

Os cientistas acreditavam que a posição ao nascer tinha evolído desde os ancestrais primatas aos actuais seres humanos, mas esta descoberta refuta essa teoria. Os investigadores filmaram três nascimentos para desenvolver o seu estudo, que foi publicado no Royal Society Journal Biological Letters. A equipa viveu no mesmo espaço que as mães chimpanzés para garantirem que estavam lá no momento dos partos.

Nos primatas não-humanos, como os macacos, as crias nascem com o rosto virado para as mães. Desta forma, elas podem agarrá-las de uma forma segura e limpar-lhes as vias respiratórias assim que nascem, explicam os investigadores no estudo. “Temos tendência a pensar que somos únicos, sem conhecermos o suficiente sobre outros animais”, disse, à BBC, Satoshi Hirata, daquele centro de investigação.

fonte: JN - Os Bichos / BBC

Declínio dos anfíbios desafia cientistas


Há várias causas que estão na origem do problema e por isso não existe uma única solução para ele.

Das 6674 espécies de anfíbios catalogadas pela ciência, 1875 estão ameaçadas de extinção, algumas criticamente, e 3300 entraram em declínio rápido. Ou seja, metade destas espécies, que são um indicador de saúde ambiental, não gozam elas próprias de boa saúde. O problema é causado por uma multiplicidade de factores e é necessária mais investigação a nível local e regional, explica uma equipa de investigadores norte-americanos na revista Annals of the New York Academy of Sciences.

fonte: DN

Suspensas escutas de eventuais civilizações extra-terrestres


O sistema norte-americano de escutas para captar eventuais mensagens extraterrestres cessou as suas actividades desde 15 de Abril por falta de verbas, resultante das contenções orçamentais federais.

A diminuição dos fundos concedidos à SETI (Search for Extraterrestrial Intelligence) forçou esta organização com fins não lucrativos, instalada na Califórnia, a suspender a actividade dos seus 42 radiotelescópios, conhecidos como "Allen Telescope Array" ou ATA, desde 15 de Abril.

Estes telescópios situam-se no nordeste da Califórnia, quase 500 Km a norte de São Francisco, e são o principal instrumento de detecção de possíveis comunicações extraterrestres.

"A partir desta semana, o ATA foi suspenso devido a falta de financiamento para o funcionamento dos radiotelescópios de Hat Creek (HCRO), onde se situam", escreveu o líder da SETI, Tom Pierson, numa carta enviada aos doadores privados, datada de 22 de Abril e publicada no site de Internet da SETI.

"A suspensão significa que a partir desta semana, os equipamentos já não estão disponíveis para observações de rotina e a sua manutenção é assegurada por equipas fortemente reduzidas", acrescentou.

fonte: DN

terça-feira, 26 de abril de 2011

Encontrado santuário romano


Nos tempos romanos, não só se prestava culto aos deuses, mas também às ninfas, personagens que além de controlar os espaços da natureza, as fontes, os rios, os lagos, etc., tinham surpreendentes propriedades curativas.

Agora foi encontrado em Tarragona o primeiro santuário em Espanha dedicado a estas criaturas mitológicas, um ninfeu. As escavações confluem entre as ruas Colom, Ramón e Cajal.

Os ninfeus, que eram monumentos construídos para venerar as criaturas divinas, tinham grutas rodeadas de água para albergar o santuário milagroso.


Dinossauros. Sorte geológica pôs a Lourinhã no mapa


Miragaia longicollum


No laboratório trabalham voluntários e estudantes. Vão todos para o campo ao segundo sábado de cada mês
Octávio Mateus é uma referência na paleontologia internacional. Até a Fundação Jurássico, do realizador Steven Spielberg, reparou neste caçador de ossos de dinossauro.

Não fosse uma espécie de fado geológico - já explicamos - Octávio Mateus não estaria a percorrer connosco os corredores do Museu da Lourinhã. "Estes foram os meus primeiros fósseis, tinha nove anos", diz, e aponta dentes de dinossauro numa das primeiras vitrinas. O espaço guarda pérolas da etnologia como antigas formas de supositórios e fósseis dignos de um grande museu de história natural: a ala dedicada ao jurássico abre com uma réplica gigante do Miragaia longicollum, descoberto em 2009 na aldeia de Miragaia, a cinco quilómetros dali. Hoje Octávio Mateus tem 36 anos e a Lourinhã é uma referência na paleontologia internacional. A última prova não é um fóssil inédito - o paleontólogo já baptizou oito espécies - mas uma bolsa da Fundação Jurássico, criada por Steven Spielberg para devolver à ciência parte dos lucros da famosa saga em que dinossauros ressuscitados conseguem tomar o mundo, pelo menos o do megalómano John Hammond.

Para Octávio Mateus, esta é a segunda bolsa patrocinada pelo "Parque Jurássico". Desta vez, o projecto é assinado também pelo aluno de doutoramento Emanuel Tschopp e passa por ir ao Museu dos Dinossauros de Aathal, perto de Zurique, digitalizar a três dimensões esqueletos de saurópodes, grandes dinossauros de pescoço longo. "É mais o charme", admite o paleontólogo, já que o cheque de 3 mil dólares chega apenas para reconstruir os passos desta espécie. Havia muito mais por fazer, por exemplo um grande museu do jurássico, plano na gaveta há mais de dez anos - e com ele grande parte do património paleontológico descoberto em Portugal.

Estamos sentados nos escritórios depois de espreitar o laboratório onde se limpam os fósseis ou os embriões mais antigos de que há registo - 30 fósseis de projectos de dinossauro (o segundo maior ninho do mundo) com 150 milhões de anos. Começa a aula de jurássico.

Porquê a Lourinhã? "Não quero dizer sorte, porque na ciência não há acasos", responde Octávio Mateus. "Quando se abriu o Atlântico Norte, os sedimentos começaram a afundar. Criaram-se bacias em que os esqueletos são cobertos de detritos, mais tarde tornando-se fósseis. Toda a nossa orla costeira ocidental é o resultado do preenchimento de mares interiores, de lagoas", explica. Entra o fado que trouxe aos anais científicos espécies tão nossas como um Lourinhanosaurus antunesi, a primeira baptizada pelo paleontólogo em 1998. "Por várias vicissitudes da geologia, as rochas estão sempre a ser erguidas e afundadas. Temos a sorte de actualmente termos exactamente o terreno no nível certo para fazer estas descobertas: não subiu o suficiente para ser erodido, nem desceu o suficiente para os dinossauros estarem lá em baixo." A sorte estende-se do cabo Mondego ao cabo Espichel, com reservas mais pequenas no Algarve e na costa alentejana, em Sines. Mas a Lourinhã é o epicentro, pela vegetação que existia na altura e, factor importante, pela equipa de amadores e depois profissionais que desde os anos 70 deitou as mãos ao terreno. "Ou seja, também existiram dinossauros, presumo eu, no Minho, em Trás-os-Montes, no Alentejo interior, mas aí infelizmente não temos terrenos do tempo dos dinossauros. Os que estão à superfície são ainda mais antigos que os dos dinossauros. O que estivesse por cima foi erodido e desapareceu para sempre."

Um parque jurássico português? O projecto existe e já foi proposto à câmara da Lourinhã, à FCT, e a quem quisesse ouvir. A ideia não seria difícil de comprar, havendo dinheiro. Octávio Mateus não é homem de poupar nas palavras. "Por quilómetro quadrado devemos ser o país com mais dinossauros do mundo", resume. "Em Espanha, com património muito menor do que o nosso, fizeram muito mais." Os argumentos para a paleontologia deixar de ser o "primo pobre" da ciência nacional são muitos. "É impossível falar da evolução das plantas com flor em qualquer texto sem falar dos fósseis de Portugal. Para falar da origem dos mamíferos, com 150 milhões de anos, Portugal é espectacular. Temos uma população extraordinária de trilobites gigantes." E ainda há muito por escavar, mesmo por aqui? "Se formos para o campo descubro um", desafia. "Onde?", pergunta a curiosidade. Octávio Mateus muda de tom. "Temos de ter cuidado com a preservação dos locais. Infelizmente temos fósseis que vão parar ao estrangeiro, que desaparecem." Ladrões de fósseis? "Sim. É uma preocupação que temos de ter. A legislação portuguesa ainda é muito parca sobre a protecção do património paleontológico, o que faz com que seja difícil alertar as autoridades. Há pouco enquadramento legal para poderem actuar. Sei de um caso de um colega que descobriu coisas que foram parar à Holanda e ainda não regressaram. Está prometido há dois anos."

A coisa mais estranha Nunca lhe apareceu um hominídeo pela frente? "Já encontrei ossos humanos em Angola." Um cemitério? "Não, numa ravina", ri, e eram "contemporâneos". De resto, para além de levar com tempestades de areia com ventos de 90 km/h no deserto de Gobi, na Mongólia, e de um osso de dromedário em Angola o ter feito puxar pelos "terabytes" de memória anatómica e histológica (as palavras caras da profissão) para perceber de que espécie se tratava - não existem camelos no país - uma das cenas mais caricatas passou-se no Laos. "Tivemos de sacrificar um porco porque o dinossauro que estávamos a escavar era considerado o búfalo sagrado que puxa o sol todos os dias. Quando se cansa e morre, cai. Eram os ossos deles."

No pátio interior do museu, Octávio Mateus mostra as pegadas por tratar ao lado de vasos. Aponta as arestas com aquela certeza incompreensível para um leigo. "Eu próprio sou incrédulo. A natureza pode pregar-nos partida e coisas que possam parecer fósseis não o são. O fóssil tem uma textura própria, uma cor diferente, é mais difícil enganarmo-nos. No caso das pegadas, se tenho dúvidas não lhes mexo."

Já que o motivo da visita é a bolsa de Spielberg, supomos que ressuscitar um dinossauro seja o desejo secreto de um paleontólogo. "Já o fazemos. Nós somos os únicos caçadores que em vez de matar damos vida. Conseguimos estudá-los, perceber como eram, o que faziam."

Virem-lhes roubar os embriões para tirar ADN não é uma preocupação. Concretizar a ficção parece-lhe "praticamente" impossível, porque ninguém se atreve a condenar os avanços científicos. "O ADN está muito fragmentado, o que fazemos com as partes que faltam? E se conseguirmos, quem produz o ovo? Em que ambiente de incubação?" As perguntas não têm resposta, ainda. Seria o fim do homem? "A única coisa que sabemos hoje é que a extinção dos dinossauros permitiu que nós existíssemos. Permitiu a evolução dos mamíferos." A ideia de uma sexta extinção, mesmo que significasse milhares de fósseis para os paleontólogos do futuro, preocupa-o, como defende que deve preocupar toda a gente. "De qualquer forma, a vida continua. Por muito que tentássemos, jamais conseguiríamos matar a vida toda. Mas isso não é prémio de consolação se não estivermos cá."

"Por quilómetro quadrado, devemos ser o país com mais dinossauros do mundo", frisa Octávio Mateus.

fonte: Jornal i

Monges budistas são analisados durante meditação


O que se passa na mente de um monge?
Desde 2008 que um especialista está a estudar o cérebro dos monges a meditar com ressonância magnética
A prática é ancestral, mas ainda ninguém se tinha lembrado de a estudar profundamente. Zoran Josipovic, neurocientista e professor na Universidade de Nova Iorque, interessou-se pelo tema e, desde 2008, tem registado o que acontece na mente de monges budistas tibetanos durante a meditação. O registo é feito através de ressonância magnética e o seu estudo poderá vir a ajudar na cura de algumas doenças, como depressões ou estados de infelicidade. "Uma coisa que a meditação faz para aqueles que a praticam muito, é cultivar capacidades de atenção", diz o especialista, acrescentando que essas capacidades, se bem aproveitadas, podem ajudar a conduzir a uma forma mais tranquila e feliz de estar.

Zoran Josipovic utiliza um scanner - que rastreia o fluxo sanguíneo na cabeça dos monges durante o exercício - para compreender como é que o cérebro se reorganiza nessa altura. "A pesquisa da meditação, especialmente nos últimos dez anos, mostrou ser bastante promissora já que aponta para a capacidade do cérebro mudar e optimizar-se, de uma forma que antes não sabíamos ser possível", afirmou Josipovic, citado pela BBC.

As redes neurais dos praticantes experientes, quando estão relaxados e em estado de unidade, alteram-se à medida que diminui a barreira psicológica entre eles e os seus ambientes. E esta reorganização no cérebro pode levar àquilo que alguns praticantes afirmam ser um estado de profunda harmonia entre a pessoa e o seu ambiente, esclareceu o especialista.

fonte: Jornal i

Morreu guru indiano Satya Sai Baba aos 84 anos


O guru indiano Satya Sai Baba morreu este domingo aos 84 anos, no hospital de Puttaparti, a sua cidade natal, no estado de Andrha Pradesh, devido a uma paragem cardiorrespiratória.

Satya Sai Baba ficou conhecido pelos seus poderes místicos e muitos dos seus seguidores atribuíam-lhe poderes sobrenaturais, como a levitação. Era visto por muito como a verdadeira encarnação de Deus.

O guru alegava ser a reincarnação de Shirdi Sai Baba, um religioso indiano do século XIX venerado por hindus e muçulmanos.

Os seus ensinamentos - um misto de crenças crenças hindus e islâmicas - conquistaram milhões de seguidores de todo o mundo, incluindo importantes líderes políticos, magnatas, artistas e desportistas.

Satya Sai Baba também esteve envolvido em algumas polémicas. Um documentário produzido pela BBC em 2004, revelou que ex-seguidores acusaram o guru de pedofilia e de abuso sexual. Contudo, o líder espiritual nunca foi investigado ou condenado devido a estas alegações.

fonte: Jornal i

Sismo de magnitude 6,3 sentido na ilha de Java


Um terramoto de magnitude 6,3 na escala de Richter foi sentido hoje na ilha de Java, na Indonésia, de acordo com as autoeridades locais.

O abalo teve o epicentro a cerca de 120 quilómetros a sudoeste da cidade de Cilacap e a 24 quilómetros de profundidade.

fonte: DN

Chernobil ainda assusta 25 anos depois


No 25.º aniversário do acidente de Cherbonil, o debate sobre o nucelar está mais actual do que nunca por causa do recente incidente na central japonesa de Fucoxima 1

Pavlo Sadokha lembra que passaram muitos dias até que o regime soviético admitisse e que os ucranianos percebessem que tinha ocorrido uma catástrofe nuclear de proporções gigantescas na central de Chernobil a 26 de Abril de 1986. O presidente da Associação de Ucranianos em Portugal, que conta ao DN as memórias que tem desses momentos, diz que "Chernobil parece saída de um filme de ficção científica".

Ao contrário do que fez na altura Mikhail Gorbachev, o Presidente russo Dmitri Medvedev afirmou ontem que a grande lição a retirar tanto de Chernobil como de Fucoxima é "a necessidade de dizer a verdade às pessoas porque qualquer tentativa de esconder a verdade só pode acabar em tragédia".

fonte: DN

Perito: Não é recomendável enviar mulheres a Marte


O vice-director do Instituto de Problemas Médico-Biológicos da Rússia, Valeri Bogomolov, considera que as mulheres exercem influência positiva nos astronautas homens, mas não aconselha a sua participação em viagens a Marte.

"A mulher no espaço disciplina a tripulação. No sentido em que a tripulação trata de si, preocupa-se com o seu aspecto externo, etc. Quando há uma mulher na tripulação, isso é um factor positivo", declarou numa entrevista à agência Interfax. Porém, Bogomolov, que dirige o instituto russo que estuda o comportamento das tripulações no espaço, não tem a certeza de que seja recomendável incluir mulheres nas tripulações que irão viajar para Marte. "Há questões a que não posso responder e essa é uma delas. Penso que ninguém sabe a resposta", considerou ele.

Segundo este perito, as viagens a Marte implicam, além de um grande período de permanência nas condições duras do espaço, "sérias cargas físicas, psíquicas e emocionais". "Desse ponto de vista, é preferível enviar uma tripulação puramente masculina", sublinhou. Foi esta razão que levou o Instituto de Problemas Médico-Biológicos da Rússia a escolher apenas homens para a experiência de uma imitação do voo a Marte, que decorre actualmente em Moscovo. O cientista russo revela que essa decisão se deve também ao fato de terem ocorrido problemas na Estação Espacial Internacional, que se encontra actualmente em órbita.

"Nas conversas particulares connosco, os cosmonautas assinalam que não foi fácil voar com uma certa mulher. Ela não se comporta como é devido, tenta comandar, não se submete ao gráfico geral, sublinha constantemente a sua igualdade mesmo com o comandante da estação", exemplifica. Mas sublinha: "Isso é raro, mas aconteceu. Não há casos desses na cosmonáutica russa". "Frequentemente, uma atitude atenciosa para com a mulher pode ser por ela entendida como uma ofensa, uma humilhação da dignidade ou mesmo assédio sexual. A igualdade de sexos na actividade profissional é um fetiche para os americanos. Na Rússia e nos Estados Unidos há mentalidades e tradições diferentes quanto às relações entre sexos, o que se reflete em diferentes abordagens deste problema e na prática da medicina espacial", precisa o cientista. A União Soviética enviou para o espaço duas mulheres: Valentina Terechkova e Svetlana Savitskaia e a Rússia tem apenas uma mulher cosmonauta: Elena Serova.

fonte: DN

Acelerador de partículas poderia ser usado como máquina tempo


Pode parecer roteiro de filme de ficção científica, mas físicos acreditam que a viagem no tempo pode ser feita usando instalações já existentes. Segundo eles, o maior acelerador de partículas do mundo tem chances de ser usado como uma máquina do tempo para enviar um tipo especial de matéria ao passado.

Os cientistas estudam uma forma de usar o Large Hadron Collider (LHC), o acelerador de partículas de 27 quilómetros de comprimento, enterrado no solo perto de Genebra, para enviar uma partícula hipotética de volta no tempo.

A questão, porém, ainda depende de algumas condições. Entre elas, a grande questão da existência ou não da tal partícula e a possibilidade de ela ser criada na máquina.

“Nossa teoria é a longo prazo, mas não é nada que não viole as leis da física ou restrições experimentais,” afirma o físico Tom Weiler, da Universidade Vanderbilt.

Se a teoria se mostrar correta, os investigadores asseguram que o método poderia ser usado para enviar mensagens tanto para o passado como para o futuro.

A hipotética partícula

Existem duas partículas relacionadas com a teoria da viagem no tempo: a Higgs singlet e a Higgs bóson.

A procura pelo bóson foi uma das principais motivações para a construção do LHC em primeiro lugar. Desde que o acelerador começou a funcionar regularmente no ano passado, ele procura por Higgs bosons. A máquina continua trabalhando arduamente.

Se o acelerador for bem sucedido em produzir a Higgs boson, acredita-se que a outra partícula também seja criada ao mesmo tempo.

Esta partícula pode ter uma capacidade única de escapar das três dimensões de espaço e uma dimensão de tempo em que vivemos e alcançar uma dimensão oculta que alguns modelos de física avançada acreditam existirem. Ao viajar através da dimensão oculta, as Higgs singlets poderiam entrar novamente nas dimensões num ponto à frente ou para trás no tempo a partir de quando eles saíram.

“Uma das coisas atraentes desta abordagem sobre a viagem no tempo é que ela evita todos os grandes paradoxos”, explica Weiler. ”Porque a viagem no tempo é limitado a essas partículas especiais. Não é possível para um homem viajar no tempo e assassinar um de seus pais antes que ele nasça, por exemplo”, exemplifica. Contudo, se os cientistas puderem controlar a produção das Higgs singlets, eles serão capazes de enviar mensagens para o passado ou futuro”.

fonte: HypeScience

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Wikileaks divulga documentos secretos sobre abusos em prisão de Guantánamo


O site Wikileaks divulgou na noite de domingo uma série de documentos secretos do Pentágono que revelam que o governo dos Estados Unidos usou a prisão de Guantánamo ilegalmente para obter informação de seus reclusos, independentemente do facto de serem suspeitos ou não.

As milhares de páginas dos mais de 700 documentos do Pentágono divulgados revelam que ao menos 150 dos presos em Guantánamo eram afegãos e paquistaneses inocentes, incluindo motoristas, agricultores e cozinheiros, que foram detidos durante operações de inteligência em zonas de guerra.

Muitos destes permaneceram presos durante anos devido a confusões de identidade ou simplesmente por terem estado no lugar errado na hora errada.

De acordo com os documentos vazados, os EUA criaram na prisão de Guantánamo "um sistema policial e penal sem garantias no qual só importavam duas questões: quanta informação se obteria dos presos, embora fossem inocentes, e se podiam ser perigosos no futuro".

Os documentos revelam também que 130 dos 172 prisioneiros que deixaram a base de Guantánamo eram considerados "de alto risco" e uma suposta ameaça para os Estados Unidos e seus aliados.

No entanto, foram libertados sem terem sido reabilitados ou com a supervisão necessária.

Inclusive, um terço dos 600 detidos sob a presidência de George W. Bush, vários dos quais foram transferidos a países aliados, também eram catalogados como "de alto risco" antes de serem postos em liberdade ou entregues a outros governos.

O governo do presidente Barack Obama, que deixou sem um prazo definido sua promessa de fechar a prisão de Guantánamo, qualificou como infeliz a revelação dos documentos secretos e defendeu seus esforços e de seus antecessores por "actuar com cuidado extremo e diligência" na transferência de presos.

fonte: Folha.com

Flor-cadáver mostra esplendor...e cheiro na Suíça


Planta levou 17 anos para desabrochar, tem dois metros de altura e pesa 20 quilos.

O tamanho é imponente, mete respeito, é rara, e, por isto, já conquistaria muitas fotografias aos curiosos. Mas não chega. Para esta flor, as fotografias e os filmes não são suficientes para fazer jus ao seu sucesso, pois é mesmo preciso cheirá-la para realmente perceber a sua diferença mais característica e que a torna tão famosa. Só que não será agradável, pois tem um cheiro de... cadáver.

Não é então de estranhar que seja conhecida por flor-cadáver (nome científico de amorpho- phallus titanum), mas também por jarro-titã.

É um dos 134 exemplares cultivados e registados em jardins botânicos e desabrochou na Basileia, Suíça. Há 75 anos que os suíços não viam um exemplar destes mostrar todo o seu esplendor.

fonte: DN

domingo, 24 de abril de 2011

A paixão filipina na Páscoa


Nem o Império do Oriente chegou tão longe mas, todos os anos, durante a Semana Santa, milhares de centuriões apoderam-se da ilha de Marinduque. Ali, se reencenam a Crucificação e os últimos dias de Longinus, um legionário convertido ao cristianismo.

Veja a fotogaleria deste ritual de Fé










César desesperaria perante o desempenho destes súbditos. Abril começou há uns dias e a amihan - a monção do Nordeste e época seca do arquipélago filipino - vai a meio. O Sol brilha sem piedade mas o calor não chega para desmotivar um batalhão desgovernado de centuriões com vozinhas agudas que guerreiam por tudo e por nada e provocam os espectadores de Boac, a capital da ilha que leva à cena o Festival dos Moriones.

O evento foi assim chamado por adaptação de morrion, o termo castelhano para os capacetes dos soldados de Castela que continua a definir os usados pelos foliões. E basta avançarmos até à era das Descobertas para compreender a ligação.

Em 1521, Fernão de Magalhães chegou às Filipinas ao serviço de Carlos V. Apesar de ter sido ferido de morte na ilha vizinha de Mactan, o seu sacrifício abriu as portas aos conquistadores espanhóis que, em breve, colonizariam o arquipélago enquanto os missionários que se lhes juntaram, se encarregavam de o converter ao Cristianismo.

Marinduque não escapou à sua acção. Em 1807, a ilha estava já dividida em várias paróquias e cada padre era livre de formar os novos fiéis como lhe aprazia, desde que de acordo com a Bíblia.

Diz-se que, na de Mogpog, agradavam, em especial, ao Frade Dionísio Santiago, as dramatizações populares e a personagem de Longinus. Segundo os relatos dos Evangelhos, Longinus terá sido o centurião responsável por satisfazer os judeus, em garantir que Jesus e os outros crucificados morriam e eram removidos do Calvário antes do pôr--do-sol, para evitar a profanação do Sabat. Segundo instruções superiores, deveriam partir-se as pernas aos que ainda estivessem vivos.

Quando Longinus se aproximou de Jesus este pareceu-lhe morto mas, para ter a certeza, o centurião, que só via de um olho, decidiu perfurar o corpo com a sua lança. Gotas de sangue caíram-lhe sobre a vista cega e curaram-na. Longinus e dois outros centuriões testemunharam, então, diversas manifestações divinas, incluindo a Ressurreição, o que os levou a aceitar, com remorso, que Jesus era realmente o filho de Deus.

Esta inesperada conversão provocou a ira tanto dos judeus como dos romanos e obrigou o centurião a fugir para a Capadócia onde passou a professar o Cristianismo. Mas as calúnias dos judeus instaram Pilatos a enviar soldados para o capturar e decapitar, destino a que o perseguido acabou por se submeter.

Com o passar dos anos, em Marinduque, a história foi simplificada e o drama é tratado com uma combinação de respeito e da famosa descontracção do povo mais latino da Ásia. Durante toda a semana, Mogpog, Boac, Gasan e Santa Cruz são atormentadas por legiões irrequietas. Surgem grupos de centuriões anacrónicos, que percorrem as praias e se apoderam de casamentos, onde se atrevem a raptar os noivos. Formam colunas militares coloridas e invadem as lojas com exigências de donativos generosos a que a maior parte dos comerciantes tem prazer em ceder. Alguns nativos contribuem com a sua arte, como Regis e os sobrinhos, que esculpem com dedicação e mestria os moriones mais reais da ilha.

«Vivemos e trabalhamos nos Estados Unidos durante a maior parte do ano - confessam os rapazes que vestem equipamentos das suas equipas de basquetebol norte-americanas preferidas - mas quando chega esta altura, arranjamos sempre maneira de vir até cá ...».

Outros ainda, preferem trabalhar e divertir-se ao mesmo tempo e fazem-no mascarados. Encontramos motoristas de jeepneys (autocarros folclóricos filipinos) e de rickshaw, mas também funcionários de repartições públicas, empregados de mesa e até jardineiros. Dentro dos uniformes e das máscaras, o calor é atroz e, muitos, encaram as suas participações no festival como penitências, mas, vistas as coisas de uma forma comparativa, não passam de brincadeiras.

Quando chega a tarde de Sexta-Feira Santa é realizada a Via Crucis. Voluntários devotos desempenham o papel de Jesus e dos dois ladrões e, sob um sol inclemente, carregam as cruzes até um gólgota local.

Também durante a procissão os moriones fazem das suas. Sob o pretexto do realismo, mandam chicotadas violentas nas cruzes e, demasiadas vezes, nos mártires, que têm que apelar à ajuda divina para não ripostarem e se manterem fiéis à representação.

Em simultâneo, os esgares sádicos dos centuriões - que ali exibem as melhores máscaras de Marinduque - e a dor que vão infligindo impressionam e angustiam, por solidariedade, os espectadores mais sensíveis.

No Calvário, prosseguem, sem exageros, os acontecimentos históricos. Em vez de pregados, Jesus e os dois ladrões são amarrados às cruzes pelos soldados romanos e são reverenciados pela multidão. Representa-se o milagre de Longinus e, pouco depois, Jesus é trazido ao solo e entregue às mulheres que choram a sua morte. Uma vez removidas as cordas que delimitam o cenário, o público corre para se fotografar na companhia dos seus actores preferidos.

Chegado o fim-de-semana, os moriones voltam à carga e Longinus assume um protagonismo ausente das celebrações. Encontramo-los numa escola de Mogpog - a povoação-berço do festival - onde se realiza um concurso que premeia as melhores máscaras e trajes, segundo diversas categorias. Do cimo de um palco, em tagalog (o dialecto nacional) o apresentador de serviço agradece a um sem número de entidades e pessoas e explica aos concorrentes as regras da competição.

Quando a prova começa, a visão a partir desse mesmo palco revela-se surreal. Numa pista improvisada sobre o pátio da escola, centenas de moriones tresloucados twistam lado a lado a coreografia de I tak ta mo , a banda sonora de um programa televisivo idolatrado nas Filipinas. E um painel de júris observa-os compenetrado, conferenciando e elaborando misteriosas apreciações. As exibições duram uma eternidade e deixam os participantes de rastos mas chega-se, por fim, ao veredicto e os vencedores recebem os seus prémios.

Quando os espectadores menos esperam, Longinus surge do nada e é perseguido por uma multidão de centuriões que se esforçam para atrasar a sempre iminente captura. Segue-se uma decapitação dramática que emociona e salpica o público, deixando a cabeça do romano sobre uma poça de tinta cor-de-rosa.

fonte: Sol

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...