sexta-feira, 17 de agosto de 2018

OVNIs e fenómenos 'impossíveis' em Portugal: Livro sobre "casos à espera de explicação" é lançado hoje


Um compêndio de descrições "ao pormenor" de "encontros imediatos" com objetos voadores não identificados (OVNI) em Portugal chega esta sexta-feira às bancas, assinado pelo cofundador do Centro Transdisciplinar de Estudos da Consciência da Universidade Fernando Pessoa, Joaquim Fernandes.

No livro, intitulado “Ficheiros Secretos à Portuguesa – Avistamentos de Ovnis, fenómenos ‘impossíveis’ e outros casos à espera de explicação”, Joaquim Fernandes recolhe “uma série de histórias surpreendentes e casos até hoje desconhecidos, no todo ou em parte, revelados através dos seus protagonistas e de documentação oficial inédita”.

“Há ficheiros que não são do conhecimento público, mas que existem. Neles estão descritos ao pormenor ‘encontros imediatos’ no mar, no ar e em terra. Fenómenos ‘impossíveis’ que continuam à espera de uma explicação”, lê-se numa nota de imprensa da Manuscrito, que edita a obra.

Entre os casos relatados estão “o estranho caso dos relógios parados em Santa Maria”, o “‘charuto voador’ visto na Praia da Vitória” e os dossiês sobre “as ‘estranhas luzes verdes’ que rondaram um C-124 da Força Aérea”, “o engenho ‘visivelmente visto’ na base das Lajes”, a “nuvem bizarra seguida pelos radares” e o “intruso aéreo” detetado “em 2004 nos radares civis e militares”.

No prefácio do livro, o general piloto-aviador ex-chefe do Estado Maior da Força Aérea Portuguesa Tomás George Conceição Silva apresenta-o como “um verdadeiro compêndio de toda a fenomenologia relacionada com o avistamento de objetos voadores não identificados, no Continente e Regiões Autónomas, desde os primórdios do fim da II Guerra Mundial até hoje”.

“As entidades estatais e militares têm o dever de prestar a devida verdadeira informação ao público, mas esta é sempre tendente a ser distorcida ou camuflada, por vezes com artifícios inaceitáveis”, escreve.

Cofundador do Centro Transdisciplinar de Estudos da Consciência da Universidade Fernando Pessoa, no Porto, Joaquim Fernandes doutorou-se em História na Faculdade de Letras da Universidade do Porto com uma tese sobre “O Imaginário Extraterrestre na Cultura Portuguesa — do fim da Modernidade até meados do século XIX”, descrita como “a primeira da sua temática” a ser apresentada numa academia portuguesa e europeia e editada sob o título “Moradas Celestes”.

Segundo a informação da Manuscrito, Joaquim Fernandes “interessa-se particularmente pela antropologia religiosa comparada, com destaque para os fenómenos da religiosidade popular e da espiritualidade, mitos e cosmologias, e o debate entre ciência e religião”.

“É membro de vários organismos internacionais e coordenador internacional do ‘MARIAN Project’, que estuda as dimensões culturais e científicas dos fenómenos religiosos e aparicionais, como Fátima, tema a que dedicou várias obras em coautoria com Fina d’Armada, igualmente traduzidas para inglês, castelhano e francês”, refere.

Em 2008, Joaquim Fernandes publicou o seu primeiro romance histórico, “O Cavaleiro da Ilha do Corvo”, a que se seguiram os ensaios “O Grande Livro dos Portugueses Esquecidos” e “Mundos, Mitos e Medos — O Céu na Poesia Portuguesa”.

No mesmo ano coordenou e apresentou na RTP2 a série temática “Encontros Imediatos”, dedicada ao fenómeno OVNI em Portugal, e em 2010 escreveu em coautoria o guião do telefilme “A Noite do Fim do Mundo”, que retrata as reações em Portugal à aproximação do cometa Halley, em 1910.

Em 2014, publicou o seu segundo romance histórico, “As Curandeiras Chinesas. Um motim que abalou a I República”, e em 2015 a obra “História Prodigiosa de Portugal. Mitos & Maravilhas”.

O seu mais recente título é “Portugal Insólito”, dado à estampa em 2016 pela editora Manuscrito.

Joaquim Fernandes foi ainda responsável pelo guião e apresentação do documentário “As Faces de Fátima”, produzido em 2017 pelo canal História, e coordenou no Porto Canal a série “Conversas do Centenário”, dedicada aos eventos aparicionais de Fátima.

O autor está biografado no Dicionário das Personalidades Portuenses do século XX, editado pela Porto Editora em 2001.

fonte: SAPO24

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

NASA detecta enorme 'muralha' de hidrogénio ao redor do Sistema Solar


A sonda espacial New Horizons, lançada pela NASA em 2006, está aproximando-se da fronteira do nosso Sistema Solar e agora já se encontra à distância de mais de 6,5 biliões de quilómetros da Terra.

A nave espacial detectou uma enorme "muralha" aparentemente composta por hidrogénio na zona onde termina o raio de alcance do nosso Sol, relata o portal Gizmodo. Outra sonda espacial, a Voyager, já passou por essa área há cerca de três décadas e fez observações semelhantes. A nova sonda oferece mais informações sobre essa "fronteira".

Assim, o Sol emite partículas carregadas que, ao entrar em contacto com partículas de hidrogénio entre os planetas, faz com que elas emitam luz ultravioleta. Com o tempo, a velocidade dessas partículas solares diminui ao enfrentar o espaço interestelar.

Como consequência, as partículas solares acumulam-se nessa fronteira convencional, onde elas se aquecem, se comprimem e mudam seu campo magnético. É assim que a "muralha de hidrogénio" se ilumina.


© NASA. NASA / JPL-CALTECH Ilustração da heliosfera onde se encontra a "muralha" de hidrogénio

No entanto, o brilho detectado pelo aparelho "Alice" a bordo da sonda era muito forte. Após uma nova investigação, o pesquisador Randy Gladstone explicou que nessa área pode haver outra fonte de luminosidade que os pesquisadores tentarão registar.

Uma das possíveis explicações é que existem partículas de hidrogénio que vêm do espaço interestelar e interagem com as partículas acumuladas no raio de alcance do Sol.

Os dados recolhidos na área pela sonda Voyager há quase 30 anos coincidem com as novas descobertas depois da realização de algumas correcções.

Embora as semelhanças nos dados sejam prova adicional da existência de uma enorme "muralha", resta confirmar se ela é composta por hidrogénio ou por alguma outra substância, diz Gladstone. O cientista concluiu dizendo que, se for possível, planeia-se observar o sinal algumas vezes por ano.

"Acreditamos que há algo mais lá fora, outra fonte de brilho", disse Randy Gladstone.

Enquanto isso, a sonda está no cinturão de Kuiper, esperando um asteroide com 30 quilómetros de um diâmetro que passará pelos arredores. Depois disso, a nave continuará em direcção da nuvem de Oort.

fonte: Sputnik News

China apresenta veículo com o qual vai explorar o lado oculto da Lua


A agência espacial chinesa revelou imagens do veículo de exploração com que espera chegar ao lado oculto da Lua, no final deste ano, no que seria um feito inédito.

O veículo, que ainda não foi batizado, viajará em dezembro a bordo da nave não tripulada Chang E 4, e deverá alunar na bacia Aitken, e a partir dali percorrer o lado não visível da Lua, informou hoje a imprensa oficial.

O veículo é semelhante ao Yutu, o primeiro explorador lunar chinês, lançado em 2013, e que continua a percorrer o lado visível da Lua.

Em conferência de imprensa, Wu Weiren, chefe do programa chinês de exploração lunar, explicou que o novo veículo se distingue do Yutu pela sua maior adaptabilidade a terrenos difíceis.

E destacou que, com 140 quilos, é o "mais leve" de sempre.

De forma retangular, o explorador contará com seis rodas, dois painéis solares, um radar e várias câmaras, visando explorar o lado oculto da Lua.

Ao mesmo tempo que gira em torno da Terra, a Lua gira também em torno do seu eixo, por isso vê-se sempre a mesma metade do astro.

Os programas espaciais da antiga União Soviética e dos Estados Unidos conseguiram, há mais de 50 anos, fotografar a cara oculta da Lua, mas nunca conseguiram aterrar ali com êxito.


Descoberto em Angola sapo sem ouvidos


(dr) Ishan Agarwal Sapo pigmeu da Serra da Neve

É minúsculo e não tem ouvidos. Na Serra da Neve, em Angola, foi descoberto um sapo que se esconde debaixo das pedras e da camada de folhas, no solo húmido.

Só o podemos encontrar na Serra da Neve, na província do Namibe, em Angola e a sua característica que mais capta a atenção é a ausência de ouvidos. Estamos a falar do sapo pigmeu da Serra da Neve, agora descrito cientificamente por uma equipa internacional de investigadores, cujo primeiro autor do trabalho é o biólogo português Luís Ceríaco.

O animal foi localizado numa expedição em novembro de 2016 à Serra da Neve, o segundo pico mais alto de Angola, com 2489 metros de altitude. Conhecido pelos geólogos como “monte-ilha”, a Serra da Neve é muito interessante na medida em que está isolada de outras montanhas, permitindo assim a evolução de espécies únicas.


De acordo com o Público, o sapo pigmeu da Serra da Neve vive a quase 1500 metros de altitude e vive debaixo de rochas e folhas, junto ao solo húmido. Com apenas 31 milímetros de comprimento, o exemplar serviu de referência para descrever a nova espécie. Atualmente, encontra-se no Museu de História Natural da Universidade da Florida, nos Estados Unidos.

Poyntonophrynus pachnodes é o nome científico escolhido pela equipa para o novo sapo pigmeu. O nome específico – pachnodes – significa “gelado” em grego, uma referência ao nome da serra e às temperaturas baixas registadas à altitude em que se encontra nova espécie.

Depois de apanhados seis exemplares, a equipa de investigadores de Angola, Portugal e dos Estados Unidos regressou ao laboratório para estudar a espécie, usando técnicas genéticas e de anatomia. O artigo foi publicado recentemente na revista ZooKeys.

O detalhe que mais captou a atenção dos cientistas foi o facto de, tanto o ouvido externo como o interno, relacionados como a audição noutras espécies de sapos e rãs, estão completamente ausentes nesta espécie.

Luís Ceríaco, biólogo português, refere que “o facto de não ter ouvidos é interessantea vários níveis”. Trata-se de “um caso de perda total de ouvido médio interno e todas as suas estruturas associadas, numa linhagem evolutiva em que todas as espécies congéneres o possuem”.

Segundo o especialista, esta perda do ouvido acontece em várias outras linhagens de sapos da família Bufonidae, facto que ainda é um mistério evolutivo. No entanto, ainda não se conhecia nenhum caso deste género (Poyntonophrynus).

“Assim, juntamos mais uma peça a este puzzle evolutivo e, quiçá, com mais dados consigamos dar resposta a esta questão”, assinala o biólogo português sobre a importância da descoberta.

Permanece no ar a dúvida: não tendo ouvidos, como é que o sapo pigmeu da Serra da Neve ouve os chamamentos de acasalamento? “A questão de ouvir os chamamentos de outros elementos da sua espécie está em aberto”, explica Luís Ceríaco.

Nos sapos e nas rãs, os chamamentos são de “extrema importância” durante a época de acasalamento e para o estabelecimento de território. “Ora se o animal não tem ouvidos, à partida não ‘ouve’. Este facto tem intrigado a comunidade científica há várias décadas, mas nos últimos anos têm sido propostos vários mecanismos pelos quais os animais sem ouvidos podem ‘ouvir’ ou pelo menos receber as mensagens”, indica o biólogo.

“Há casos em que a própria a cavidade bucal dos animais funciona como caixa de ressonância e, de certa forma, funciona como ouvido. Noutros casos, os animais não ouvem o parceiro, mas veem o movimento do saco vocal a encher-se e desencher-se e compreendem a mensagem”, acrescenta. Além disso, há animais que desenvolveram uma sinalização visual, como acenos.

No caso do sapo pigmeu da Serra da Neve, “ainda não sabemos quais destes mecanismos – se de facto usa algum – desenvolveu”, conclui.

fonte: ZAP

Objecto triangular apareceu no céu dos EUA, aeronave secreta ou OVNI?


The TR-3B above Austin

Uma suposta aeronave secreta militar foi observada na cidade norte-americana de Austin, no estado do Texas, relata o The Daily Star.

No vídeo divulgado na Internet pelo canal TexasUfos do YouTube, um objecto voador não identificado aparece imóvel no céu da cidade com luzes brilhantes que revelam uma silhueta triangular. 

Especula-se que seja uma aeronave secreta norte-americana TR-3B que alegadamente usa avançadas tecnologias antigravidade extraterrestres ou mesmo uma nave espacial alienígena. 

Enquanto a existência da aeronave nunca foi oficialmente confirmada pela Força Aérea dos EUA, os teóricos da conspiração acreditam que o governo norte-americano esteja desenvolvendo um avião secreto em forma triangular.


fonte: Sputnik News

quarta-feira, 15 de agosto de 2018

Criatura misteriosa é observada no mar na costa da Inglaterra


Quando estava tomando seu café da manhã junto ao mar, Kevin Burton reparou num estranho animal marinho que se elevava na superfície da água.

Ele comentou que estava apreciando a vista matinal no lado norte do cais em Tynemouth, bebendo seu café, quando viu uma criatura estranha na maré baixa. Pensou que acabava de testemunhar a primeira aparição do monstro do lago Ness fora da Escócia.

O vídeo foi filmado a 10 de agosto de 2018 em Tyne and Wear, na Inglaterra.


fonte: Sputnik News

domingo, 12 de agosto de 2018

Bezerra mutante nasce com 4 olhos e 2 cabeças na China

A calf has shocked locals after being born with two heads on a farm in Shaanxi province

The baby animal was seen sprawled on the ground helplessly as it was still unable to stand up

A filhote de quatro olhos e duas cabeças sofreu uma mutação genética quando ainda estava no útero da mãe, relata o The Daily Mail.

A bezerra nasceu no remoto povoado de Donggou, província de Shaanxi, no noroeste da China. 

Sua dona, Feng Wenhong, temia que a novilha não sobrevivesse por muito tempo porque ela não conseguia ficar de pé. Mas apesar das características mutantes, o pequeno animal já consegue se alimentar pelas duas bocas.

Feng comentou que "não notou a princípio" e pensou apenas que a cabeça da bezerra fosse simplesmente maior do que o normal. 

"Mas quando me aproximei, eu percebi que havia duas cabeças", disse.

Ela acrescentou que a bezerrinha pode se amamentar pelas duas bocas e parece estar bastante estável, no entanto, não deve sobreviver.

fonte: Sputnik News

Fazendeiros culpam extraterrestres por mutilação de vacas na Argentina

Vaca durante a Exposição de Gado, Buenos Aires, Argentina, 25 de julho de 2006

Fazendeiros da província de Santa Fé, no nordeste da Argentina, acreditam que vacas estão sendo abatidas e mutiladas por alienígenas, segundo informa o The Daily Express.

Testemunhas que encontraram sete vacas mortas no campo disseram que os bovinos parecem ter sido atacados com laser e que notaram marcas misteriosas nas línguas e genitálias dos animais.

"Elas não tinham língua ou carne ao redor da mandíbula, mas não levaram nenhum animal nem removeram seus ossos. Parece que as incisões foram feitas com laser, pois não há vestígios do uso de facas. As vacas não tinham sinais de sangue e ninguém apareceu para comê-las", disse à imprensa local Norberto Bieri, dono de uma das vacas.

No entanto, especialistas opinam que um roedor do género Oxymycterus, o rato-focinhudo, pode ser o responsável pelas mutilações.

Segundo Juan Fontana, um dos especialistas, os animais morrem com certa frequência nesta época do ano devido à exposição ao sol e falta de comida. Depois o roedor se alimenta das partes moles dos animais: línguas, olhos, orelhas e ânus. Por isso as vacas ficam com a aparência de terem sido mutiladas.

fonte: Sputnik News