quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Mistério da base secreta americana é revelado, e não tem nada a ver com OVNIs


Recentemente, foi detectada uma actividade incomum na base aérea secreta dos EUA em Nevada. Os especialistas acreditam que se trata de provas do novo bombardeiro pesado de produção dos EUA.

Ao monitorizar a base, os jornalistas da edição The Aviationist chegaram à conclusão de que está em curso testes secretos do novo bombardeiro pesado B-21 Raider no território da misteriosa Área 51. Anteriormente, até surgiram teorias de que a base estaria sendo usada para comunicar com extraterrestres.

"Nós não sabemos exactamente o que está acontecendo na Área 51, mas, depois de visitar o local no início de novembro, estamos bastante seguros de que algo importante está sendo preparado lá", observa Tom Demerly, autor do artigo.




With New Projects in Development, and New Construction, Groom Lake Seems To Be Ramping Up. Based On Satellite Imagery Analysis Are We Seeing B-21 Raider Development and Testing Activity at Area 51? Story: https://wp.me/p2TYIs-cgZ

​Os pesquisadores baseiam-se, entre outras coisas, na intensificação da actividade aérea na área, bem como no facto de terem surgido um grande hangar e uma nova pista de pouso no local.

Espera-se que o bombardeiro pesado B-21 Raider, capaz de transportar ogivas termonucleares, entre no serviço da Marinha dos EUA em 2025.

Os especialistas estimam que o preço de um Raider B-21 atinja 600 milhões de dólares.

fonte: Sputnik News

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Descoberta misteriosa estátua de leoa na cidade dos Apóstolos de Jesus


Estátua de leoa com 600 quilos encontrada em El-Araj, Israel.

Arqueólogos israelitas encontraram, por acaso, uma surpreendente estátua de uma leoa, com quase 600 quilos e 1500 anos, entre o entulho de um edifício moderno na cidade que se acredita ter sido a antiga Julias, de onde eram três Apóstolos de Jesus Cristo.

A estátua de basalto, representando uma leoa, foi encontrada acidentalmente, numa pilha de entulho que tinha sido removida de um edifício moderno, onde os arqueólogos pretendiam realizar escavações.

A descoberta ocorreu em El-Araj, na costa norte do Mar da Galileia, em Israel, e ganha especial importância porque se acredita que era aí que se situava a antiga cidade romana de Julias, de onde eram naturais três Apóstolos de Jesus, Pedro, André e Filipe.

Julias terá sido construída dentro ou como extensão da cidade bíblica de Betsaida e foi palco de alguns dos milagres de Jesus Cristo, conforme vem descrito na Bíblia.

El-Araj vem sendo alvo de escavações arqueológicas há vários anos e o director das pesquisas, Mordechai Aviam, está certo de que Julias se situou na área onde existe a actual cidade israelita. Por isso, embora a estátua agora encontrada evidencie sinais de origem judaica, Aviam nota ao jornal Haaretz que pode ter pertencido a um edifício não-judaico.

Encontrada em excelente estado de conservação, a estátua terá cerca de 1500 anos, datando de entre o Século IV a VI depois de Cristo, conforme refere ao Haaretz o arqueólogo que liderou as escavações em El-Araj.

Com quase 600 quilos de peso, é uma representação tridimensional da cabeça de uma leoa, incluindo juba, presas e língua, com o corpo a duas dimensões, com uma cauda pendurada entre as pernas.

“Parece-se muito com outras estátuas de leões e de leoas descobertas em sinagogasnos Altos de Golan”, aponta Aviam.

Apesar das suspeitas de que será de origem judaica, não se sabe se foi esculpida pelos primeiros Cristãos, por Judeus ou por pagãos. O arqueólogo diz que é demasiado cedo para tirar conclusões e que são necessárias mais análises para chegar a certezas.

fonte: ZAP aeiou

Mistério do Abominável Homem das Neves pode ter sido resolvido

http://www.saudeanimal.com.br/wp-content/uploads/2015/12/yeti.gif

Equipa de cientistas analisou material genético de nove supostos Ieti e revelou os resultados.

Cientistas verificaram que amostras de ossos, dentes, pele, cabelo e fezes atribuídas a nove espécimes do chamado Abominável Homem das Neves, criatura mitológica gigante dos Himalaias semelhante a um macaco, eram de cão e ursos.

O estudo em causa, a ser publicado na revista científica britânica Proceedings of the Royal Society, incidiu sobre o ADN (material genético) de amostras de nove supostos Ieti, nome por que é também conhecida a criatura bípede. 

As amostras, recolhidas nos Himalaias, a mais alta cadeia montanhosa do mundo, e no planalto do Tibete, são provenientes de museus e coleções privadas. 

A análise genética revelou que um dos 'Ietis' correspondia, afinal, a um cão e os restantes oito a ursos-negros asiáticos, a ursos-pardos dos Himalaias e a ursos-pardos tibetanos. 

"Claramente, uma grande parte da lenda Ieti tem a ver com os ursos", sustentou a coordenadora do estudo, Charlotte Lindqvist, da Universidade de Buffalo, nos Estados Unidos. 

Para a bióloga e professora, citada em comunicado da universidade, "a ciência pode ser uma ferramenta útil para explorar as raízes dos mitos sobre as criaturas grandes e misteriosas". 

O novo estudo genético, que o grupo de Charlotte Lindqvist considera ser mais completo do que outros que foram feitos em busca do presumível ADN do Abominável Homem das Neves, poderá ajudar também a resolver um mistério científico, o de como os ursos asiáticos evoluíram. 

Os cientistas sequenciaram o ADN mitocondrial de 23 ursos asiáticos, incluindo os oito falsos Ieti, e compararam os dados genéticos com os de outras espécies de ursos. 

Das análises realizadas, a equipa concluiu que os ursos-pardos do Tibete partilham um antepassado comum próximo com os ursos da América do Norte, da Europa e da Ásia, enquanto os ursos-pardos dos Himalaias pertencem a uma linhagem evolutiva diferente. 

A divisão terá ocorrido há cerca de 650 mil anos, durante o período glacial, de acordo com os investigadores. 


Menino violado e esquartejado vivo em ritual satânico



Quatro homens e uma mulher, diretora de uma escola em Quimilí, na Argentina, foram detidos esta semana por serem suspeitos da morte do pequeno Mario Agustín Salto, de 11 anos. 

O menino desapareceu em junho do ano passado, depois de ter dito à família que ia pescar. O corpo de ‘Marito’ foi encontrado 48 horas depois. A autópsia apurou que a criança foi violada e asfixiada com um arame até perder os sentidos. Ainda com vida, Mario foi esquartejado. O corpo foi encontrado desmembrado num rio. 

Desde então que a polícia investigava o caso e só agora, mais de um ano depois do macabro crime, foram efetuadas detenções. Quase todos os suspeitos pertencem à mesma família. Tratam-se de Miguel Ángel Jiménez, de 58 anos, conhecido como ‘o Bruxo’, a mulher, Arminda Lucrecia Diáz, de 57 anos, diretora da Escola 1214 e professora do Ensino Secundário para Adultos, o filho de ambos, Alfredo Daniel Albarracín, de 40 anos, e Pablo Ramírez, amigo da família, de 38 anos, conhecido localmente como ‘O Louco’. 

A procuradora encarregue do caso, Rosa Falco de Rainieri, explicou que o menino "foi morto durante um ritual satânico" e que há "muitas provas que dão indícios das causas da morte". Todos os detidos estão acusados de violação de menor e de homicídio qualificado. 

Foram usados cães pisteiros, que detetaram vestígios de sangue num altar na casa Miguel Ángel Jiménez. Os investigadores recolheram provas e garantem que o local era usado em "rituais diabólicos". 

A procuradora adianta ainda que outras três pessoas indiretamente relacionadas com o caso foram detidas: Rodolfo Sequeira, que esteve envolvido no sequestro da criança, David Tomás Sosa e Ramón Salvatierra, acusados de obstrução à Justiça, por terem escondido pormenores sobre o caso.


Quatro homens e uma mulher, diretora de uma escola em Quimilí, na Argentina, foram detidos esta semana por serem suspeitos da morte do pequeno Mario Agustín Salto, de 11 anos. O menino desapareceu em junho do ano passado, depois de ter dito à família que ia pescar. O corpo de ‘Marito’ foi encontrado 48 horas depois. A autópsia apurou que a criança foi violada e asfixiada com um arame até perder os sentidos. Ainda com vida, Mario foi esquartejado. O corpo foi encontrado desmembrado num rio. Desde então que a polícia investigava o caso e só agora, mais de um ano depois do macabro crime, foram efetuadas detenções. Quase todos os suspeitos pertencem à mesma família. Tratam-se de Miguel Ángel Jiménez, de 58 anos, conhecido como ‘o Bruxo’, a mulher, Arminda Lucrecia Diáz, de 57 anos, diretora da Escola 1214 e professora do Ensino Secundário para Adultos, o filho de ambos, Alfredo Daniel Albarracín, de 40 anos, e Pablo Ramírez, amigo da família, de 38 anos, conhecido localmente como ‘O Louco’. A procuradora encarregue do caso, Rosa Falco de Rainieri, explicou que o menino "foi morto durante um ritual satânico" e que há "muitas provas que dão indícios das causas da morte". Todos os detidos estão acusados de violação de menor e de homicídio qualificado. Foram usados cães pisteiros, que detetaram vestígios de sangue num altar na casa Miguel Ángel Jiménez. Os investigadores recolheram provas e garantem que o local era usado em "rituais diabólicos". A procuradora adianta ainda que outras três pessoas indiretamente relacionadas com o caso foram detidas: Rodolfo Sequeira, que esteve envolvido no sequestro da criança, David Tomás Sosa e Ramón Salvatierra, acusados de obstrução à Justiça, por terem escondido pormenores sobre o caso.

Ler mais em: http://www.cmjornal.pt/mundo/detalhe/menino-violado-e-esquartejado-vivo-em-ritual-satanico?ref=HP_Grupo1

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Encontram um animal adaptado à vida em Marte


Essa criatura, vital para a sobrevivência de qualquer ecossistema, multiplicou-se num simulador de solo marciano. 

O biólogo holandês Wieger Wamelink, líder da equipe de pesquisadores da Universidade de Wageningen (Países Baixos), descobriu que as minhocas podem reproduzir-se no solo de Marte. 

Esses cientistas criaram essas criaturas, vitais para a sobrevivência de qualquer ecossistema, multiplicaram-se num simulador de solo marciano obtido da NASA, de acordo com um estudo publicado na revista Science Daily

Desta forma, especialistas colocaram minhocas e, após o tempo, alguns das jovens espécimes nasceram. 

Experiências deste tipo são cruciais para determinar se o ser humano poderia sobreviver no planeta vermelho. 

Muitos cientistas estimam que, no futuro, o uso de minhocas será um elemento-chave para ter culturas em Marte. 

fonte: RT

Sophia, a robô que prometeu aniquilar a humanidade, quer constituir família


O robô americano com cidadania saudita disse que todos os robôs merecem ter filhos.

No ano passado, o robô humanoide Sophia prometeu destruir a humanidade e, entre outros objetivos, casar-se. Agora, a robô quer-se reproduzir, segundo o Khaleej Times.

Em concreto, Sophia, a humanóide, cujo rosto é capaz de expressar desde nojo até tristeza, espera um dia ter filhos, fazer amigos, alcançar a fama entre os futuros robôs e ter uma carreira, conforme afirmou na entrevista, citada pela RT.

“A noção de família é algo realmente importante, segundo parece”, comentou a robô, mostrando-se espantada com a capacidade que os humanos têm de estabelecer relações e partilhar emoções “fora dos grupos sanguíneos”.

“Todos os que têm uma família que gosta deles têm muita sorte. Se não tens, mereces uma. Este é o meu sentimento tanto para com os robôs como para com os humanos”, explicou Sophia, revelando que, se chegar a ter um descendente, vai-lhe chamar… Sophia.

Há um mês, a Arábia Saudta causou controvérsia ao conceder a cidadania a Sophia, convertendo-a então no primeiro robô no mundo a obter esse estatuto.

fonte: ZAP aeiou

Vida extraterrestre? Bactérias estranhas foram encontradas na EEI


Bactérias vivas foram encontradas na superfície da Estação Espacial Internacional (EEI) e elas poderiam ter origem extraterrestre, disse o cosmonauta russo Anton Shkaplerov. Os microrganismos serão estudados na Terra.

Shkapelov realizará sua terceira viagem à EEI em dezembro como membro da tripulação da Expedição 54. Segundo ele, os cientistas encontraram bactérias vivas durante a recolha de amostras na superfície de estação. Esses microrganismos podem ter chegado do espaço sideral, informou o RT.

"Bactérias, que não estavam lá durante o lançamento do módulo da EEI, foram encontradas nas amostras. Elas teriam voado de algum lugar no espaço e se estabelecido no casco exterior da estação", disse.

O cosmonauta revelou que alguns micro-organismos da Terra também sobreviveram em vácuo e com diferenças de temperatura de —150 °C a 150 °C.

Essas bactérias entraram no espaço sideral durante as experiências cósmicas Test e Biorisk, durante as quais placas especiais foram instaladas no casco da EEI e deixadas ali por vários anos para determinar como o espaço afecta o material.

Entretanto, vestígios de bactérias originárias da Terra, de Madagáscar, e de plâncton do mar de Barents foram encontradas anteriormente durante a experiência Test em maio. Os cientistas explicaram que as bactérias poderiam ter alcançado a EEI subindo ao espaço pela ionosfera com partículas de carga positiva.

fonte: Sputnik News

Mensagem do século XVIII encontrada nas nádegas de escultura de Cristo


A escultura de Cristo onde foram encontradas as mensagens, está a ser restaurada e Madrid.

As duas folhas manuscritas foram encontradas pelos restauradores depois de removerem um pedaço de tecido que cobria a zona das nádegas de uma escultura de Cristo.

Restauradores que limpavam as esculturas do século XVIII encontraram uma serie de documentos manuscritos escondidos na zona das nádegas de uma escultura de Cristo, na Igreja de Santa Águeda, em Sotillo de la Ribera, Espanha.

As duas folhas, escritas frente e verso de forma cuidadosa, são datadas de 1777 e assinadas pelo padre Joaquín Mínguez da Catedral do Burgo de Osma, em Espanha. Os manuscritos contêm informações económicas, religiosas, políticas e culturais.

De acordo com o historiador e promotor do restauro das esculturas, Efrén Arroyo, esta descoberta é surpreendente e singular.

"A maior parte das esculturas estão vazias por dentro, mas às vezes encontramos algumas com papéis escritos escondidos em algum lugar. Mas este é algo diferente, muito detalhado e completo", conta.

Arroyo acrescenta ainda que os manuscritos encontrados têm um caráter de "cápsula do tempo", porque os detalhes e conteúdo da mensagem apelam a uma comparação entre o que acontecia na época em que foi escrita e a altura em que fosse encontrada.

"Tem referencias de todo o tipo de assuntos: religião, doenças, entretenimento da época e politica. Detalhes sobre o que comiam, o que cultivavam e como viviam o seu quotidiano", acrescenta.

A escultura do século XVIII, conhecida em Sotillo de la Ribera como o "Cristo da Miséria", está agora em Madrid para um restauro mais cuidado e os documentos vão ser estudados ao pormenor.