quarta-feira, 29 de abril de 2015

Lagos subterrâneos na Antártida podem ter vida


Prospeção eletromagnética revelou rede de reservatórios subterrâneos. Tudo indica que tem vida microbiana.

Sob os glaciares desérticos de Taylor Valley, na Antártida, há uma rede subterrânea de lagos salgados - e, possivelmente, cheios de vida microbiana -, que até agora era desconhecida.

A descoberta foi feita graças a uma prospeção eletromagnética realizada durante uma série de voos de helicóptero e, além de permitir agora aprofundar o estudo da história climática daquela região do planeta, vem reforçar também as esperanças de existir vida microscópica em planetas do sistema solar, como Marte, ou em luas de Júpiter, como Europa ou Ganimedes, e de Saturno, como Encélado.

Num estudo publicado ontem na revista Nature Communications, a equipa que integrou investigadores norte-americanos, dinamarqueses e franceses e que foi coordenada por Jill Mikucki, microbióloga da Universidade de Tennessee, Knoxville, nos Estados Unidos, descreve o achado e defende que aquela rede de água subterrânea é um potencial habitat de vida microbiana prístina e intocada há milhares de anos.