sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Maurício de Souza, pai da 'Turma da Mônica' já viu disco voador e conta os detalhes


O desenhista contou todos os detalhes de sua experiência com objetos voadores não identificados.

Maurício de Souza faz parte da história de todos os brasileiros, afinal, quem nunca se divertiu com a "Turma da Mônica", ou com o Chico Bento, o Horácio e tantos outros personagens criados por ele. De geração em geração, a turminha está sempre aprontando alguma brincadeira e divertindo a todos. 

Mas o que o desenhista mais famoso do Brasil relatou em sua conta no Instagram, acabou surpreendendo a todos, pois Maurício de Souza nunca havia comentando sobre sua experiência com seres extra-terrestres. 

No Instagram, Maurício sempre compartilha com seus seguidores fotos de sua família, dos lugares onde vai passear e também dos eventos em que participa, mas desta vez ele contou um relato emocionante de quando viu vários objetos voadores não identificados, fato acontecido há 35 anos atrás. 

Ele e sua esposa Alice levaram as filhas gémeas, Vanda e Valéria, para patinarem no Ibirapuera e como ele relata, era um lindo fim de tarde um de um domingo. 

As crianças estavam brincando e Maurício resolveu se deitar na grama e ao seu lado estava sua esposa.

Ele ficou olhando para o céu e de repente começou a perceber acima de algumas nuvens, que haviam diversas esferas prateadas em movimentação, sendo que ele descreveu como "uma frota de surpreendentes objetos voadores". 

Tais objetos não paravam, ficavam se movimentando o tempo todo. 

Subitamente, algumas dessas esferas se desprenderam das demais e foram se afastando a uma velocidade absurda e foi nesta mesma velocidade que outras esferas começaram a chegar e se juntavam à formação.

Neste momento, Maurício de Souza mostrou à esposa o que estava vendo no céu e ela também começou a acompanhar os objetos voadores não identificados. 

Maurício conta que a esposa acompanhava tudo e ia descrevendo o que estava vendo, porque eles queriam certificar-se de que estavam vendo a mesma coisa. 

O sol foi se pondo e as nuvens foram ocultando as naves, que aos poucos foram deixando de serem vistas pelo desenhista e sua esposa. 

Junto com o depoimento, Maurício de Souza publicou uma foto deste momento, porém mostrando sua esposa olhando para o céu. 

Ele explica que não tem fotos dos objetos no céu porque isto foi há 35 anos, sua câmera não tinha zoom e por causa da altura em que se encontravam, a foto não iria mostrar absolutamente nada do que eles viam. 

É importante ressaltar que naquela época, as câmeras fotográficas não chegavam nem perto dos smartphones que temos hoje e que tudo registam, em fotos e vídeos. 

O relato de Maurício de Souza termina com um "Lamento até hoje", por não ter tido condições de gravar tais imagens e vários foram os comentários assim que a postagem foi publicada, pois como ele é uma pessoa de grande credibilidade, passa a ser mais uma importante testemunha de que não estamos sozinhos neste universo.


OVNI capturado por acidente em La Aurora, Argentina, 2016



O facto é que a maioria das pessoas simplesmente não olham para cima. Se você faz isso provavelmente é uma exceção a essa regra. O UFO capturado abaixo é mais um exemplo clássico, de um objeto fotografado sem querer, por alguém que provavelmente estava apenas admirando a paisagem.

A foto foi tirada na semana passada com a mera intenção de retratar as características do local. No entanto, o fotógrafo ficou surpreso ao ver na imagem um objeto voador não identificado em forma de rosquinha. 

“A pessoa que tirou a foto com um telefone celular, é em meu entendimento, e posso atestar isso… Uma pessoa séria e responsável”, disse o Dr. Ruben Diaz (advogado, professor e psicólogo).

Ela foi tirada na zona rural de La Aurora, a área que institui Daymán em Salto, Argentina, um lugar que vem se tornando centro de controvérsias, desde a década de 1970, pois é dito que no local tem havido um grande número de avistamentos.

Desde então, turistas viajam para o lugar, na esperança de ver um OVNI, mas maioria dos turistas, não foram capazes de testemunhar outros avistamentos. No entanto na semana passada, uma pessoa (que recusou a se identificar) tirou essas fotografias. O objeto voador não identificado, só foi notado quando a pessoa revisou as fotos. 

fonte: Wace

Tipo raro de girafa é encontrado na Tanzânia






Condição conhecida como leucismo causa a coloração branca.

O Dr. Derek Lee encontrou essa raridade que você viu acima circulando no espaço do Tarangine National Park, na Tanzânia. 

A girafinha tem 15 meses, ganhou o nome de Omo e sofre de leucismo. Trata-se de uma condição na qual, pela falta de pigmentação, os animais ficam com coloração branca. O que a difere do albinismo é que no leucismo pode haver pigmentações de outras cores.

"Omo parece estar se dando bem com as outras girafas, ela sempre é vista com um grupo de girafas do tipo mais conhecidos – e elas não parecem se importar com o fato de ela ser diferente", Lee explicou. Por conta de sua condição, a girafinha pode ser uma presa fácil para os predadores. "Estamos trabalhando em encontrar formas para aumentar as chances de sobrevivência de Omo." 

De acordo com Lee, Omo é a única girafa leucística de que os cientistas têm notícia até o momento. 

fonte: Galileu

Força Aérea da Índia afirma ter abatido um suposto OVNI



Policiais examinam os restos de um objeto em forma de balão, que foi abatido por um caça a jato Força Aérea Indiana em Barmer na terça-feira. (HT Foto)

Governo indiano diz que segue investigando a origem do suposto objeto, acredita-se que seja de origem paquistanesa.

A Força Aérea da Índia divulgou na terça-feira (26) a informação de que um de seus jatos teria abatido um suposto objeto voador não identificado. De acordo com a versão dada pelos militares, o objeto teria sido detectado pelos radares da base de Jaipur às 10:00 sobre a região de Barmer, próximo a fronteira com o Paquistão.

Especula-se que o governo indiano esteja acobertando informações sobre a verdadeira origem do OVNI, fontes locais afirmam que esse caso é muito semelhante ao caso Roswell, que ocorreu em julho de 1947 nos Estados Unidos.

O alto comando da Força Aérea indiana declarou que um objeto em formato de balão foi detectado pelo radares às 10:30 e às 11:00 da última terça-feira. Um caça Sukhoi Su-30 MKI foi enviado ao local para interceptar o objeto.

De acordo com informações do jornal Indian Times, o jato teria abatido o objeto próximo a região de Barmer, distante 500km da cidade de de Jaipur, capital da província de Rajasthan.

Segundo informou o Hindustan Time, um porta voz da Força Aérea indiana, o tenente coronel Manish Ojha, teria confirmado de que um comboio militar, inclusive forças policiais, foram deslocadas para a região de Gugdi, distante 20km de Balotra. Os supostos destroços haviam sido recolhidos pelos militares e estão sendo investigados para averiguação de sua natureza.

Investigadores da policia disseram que a maioria dos destroços recolhidos apresentavam um formato metálico em forma de triângulo, outros com o formato de um cone, todos os destroços foram recolhidos do local e entregues para a Força Aérea.

Segundo a emissora Asian News International, testemunhas disseram que após o OVNI ter sido abatido, foram ouvidas uma série de cinco explosões muito fortes próximas as regiões de Gugdi, o incidente chegou a causar um princípio de pânico na população.

Segundo testemunhas, as explosões foram ouvidas dentro de um raio de mais de 4,8 quilômetros de diâmetro, os moradores dos vilarejos de Gugdi e Panaware, na área de Baitu, afirmam que as fortes explosões chegaram a causar rachaduras nas paredes de algumas casas.

''As explosões foram em série e muito altas, após o barulho, podemos observar os destroços caindo do céu, após o incidente percebi algumas rachaduras nas paredes de minha casa'', conta Manohar Singh, morador de Gugdi.

Porém o canal de notícias Press Trust of India divulgou que uma fonte próxima ao governo teria afirmado que o objeto poderia ser de origem paquistanesa. A hipótese mais concreta é que seja um balão meteorológico. Até o prezado momento as autoridades indianas não confirmaram nada e seguem investigando a origem do objeto.

Ufólogos que estudam o incidente classificaram o caso como um verdadeiro mistério e lembram que no início do mês, misteriosas bolas metálicas caíram do céu sobre a mesma região.


Criador da série 'Arquivo X' conta que foi avisado de estar próximo da verdade


Chris Carter

De acordo com Chris Carter homens de preto lhe visitaram e o avisaram que seus seriados estão perto da verdade.

O clássico seriado de ficção científica da TV americana Arquivo X reestreou no último final de semana dia (24), os novos episódios da série serão transmitidos pela Fox às 22h. Após quase 14 anos sem novos episódios, a série continuará falando sobre conspirações, extraterrestres, monstros incluindo fenómenos paranormais. 

O seriado Arquivo X estreou em 1993 e logo de início já despertou o interesse de centena de milhares de telespectadores pelo mundo afora. Ao longo de sua trajetória foram produzidos mais de 200 episódios em nove temporadas e mais dois longas-metragens. 

O escritor e diretor da série Chris Carter elaborou um novo slogan para a reestreia do seriado, o qual diz '' A verdade está lá fora''. 

Em entrevista para o jornal HuffPost Weird News, Carter contou o motivo pelo o qual a série ter ficado tanto tempo sem novos episódios. 

Ele conta, que certo dia quando a equipe preparava-se para mais um dia de filmagem, chegou até ele dois homens misteriosos, ambos estavam vestidos com ternos pretos, fato que lhe chamou a atenção pois os homens vestiam a cor preta da cabeça aos pés. 

Segundo ele, os homens lhe disseram que trabalhavam para uma agência secreta do governo, durante a conversa em tom ameaçador, os homens teriam lhe avisado que estavam monitorando seus episódios, fizeram algumas perguntas a respeito de suas fontes e de onde tirava tal expiração para escrever os episódios. 

Sem prestar muitos esclarecimentos, Carter conta que os dois foram embora, mas em tom ameaçador os homens lhe avisaram que ele estava muito perto da verdade e era bom tomar cuidado. 

''Quando comecei a escrever o projeto piloto da série em 1993, naquela época nem fazia ideia de que estes episódio poderiam estar atormentando estas pessoas. Liguei para o FBI para fazer uma pesquisa sobre OVNIS, conspirações, entre outros assuntos, eles me deram atenção em determinado momento, mas não me informaram muitos detalhes a respeito dos casos registrados. Minutos depois, algum supervisor do FBI me ligou e questionou-me: Quem é você e o que está planejando? Por alguns minutos cheguei a pensar que seria preso, ou seria vítima de alguma retaliação, mas infelizmente tudo acabou bem'', explicou. 

Sem saber o motivo de onde Carter tira tanta inspiração para caracterizar seus episódios repletos de adversários bizarros, conspirações e alienígenas. 

O diretor foi questionado se já havia avistado algum fenómeno relacionado a OVNIS? ''Infelizmente ainda não tive a oportunidade para observar um OVNI, por enquanto estou na expectativa de uma experiência como essa, no momento estou entre aqueles que querem acreditar'', concluiu Carter. 


Nova espécie de pássaro é descoberta na Índia


Zoothera salimalii habita a Cordilheira do Himalaia, entre a Índia e a China (Foto: Reprodução/Avian Research)

Pesquisadores levaram sete anos para descobrir que duas espécies haviam sido mal-catalogadas como se fossem apenas uma.

Uma nova espécie de pássaro foi descoberta na região nordeste da Índia e territórios adjacentes da China por uma equipe de pesquisadores da Suécia, China, Estados Unidos, Índia e Rússia. 

A ave, descrita pela primeira vez na edição mais recente do jornal Avian Research, recebeu a nomenclatura científica Zoothera salimalii. 

O primeiro nome refere-se ao género de tordo comum nas regiões do Himalaia; o segundo é uma homenagem ao ornitólogo indiano Sálim Ali (1896-1987), em reconhecimento às suas grandes contribuições para o desenvolvimento da ornitologia e preservação da natureza na Índia. 

O processo de pesquisa começou em 2009, quando os ornitólogos desconfiaram que a espécie podia ter sido confundida e classificada erroneamente como Zoothera mollisima, outro pássaro comum na região do Himalaia. 

Depois de anos de estudo, a equipe chefiada pela norte-americana Pamela Rasmussen descobriu que duas espécies diferentes haviam sido classificadas como Zoothera mollisima. 

O primeiro indício do engano foi o canto das duas espécies. Enquanto o som emitido pelo novo tordo descoberto é mais musical, o canto do Zoothera mollisima é mais áspero e não musical.

“Foi um momento muito emocionante quando a ficha caiu e percebemos que estávamos ouvindo dois cantos diferentes. Quando estudamos mais a fundo, percebemos que as duas espécies também viviam em elevações e habitats distintos”, explica Per Alström, ornitólogo que participou da descoberta e professor na Universidade de Uppsala, na Suécia. 

Descobertas de novas espécies de pássaros são raras, atualmente. Nos últimos quinze anos, uma média de apenas três novas espécies foram descobertas por ano, a maior parte delas na América do Sul. Na região do Himala, somente quatro novas espécies foram catalogadas desde 1949. 

A norte-americana Pamela Rasmussen é a terceira ornitóloga que mais descobriu novas espécies desde 1950, além de ser a profissional que mais catalogou descobertas na Ásia. Per Alström é o segundo no ranking asiático. 

Também participaram da descoberta os ornitólogos chineses Chao Zhao, Jingzi Xu Tianlong Cai, Yuyan Guan, Ruiying Zhang e Fumin Lei, além do indiano Shashank Dalvi, do russo Mikhail Kalyakin e do sueco Urban Olsson. 

fonte: Galileu

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

"Mão de Deus" sobre Portugal espanta o mundo





Notícia no britânico "Daily Mail"


Site norte-americano "WND"


Site britânico "Metro"

Uma nuvem com um formato intrigante sobre a ilha da Madeira está a espantar o mundo, que a apelida de "mão de Deus".

As imagens foram publicadas no Facebook "Navegador Mensal" no último domingo e, em pouco tempo, espalharam-se por jornais de todo o Mundo, surpreendidos com a estranha imagem alaranjada captada ao nascer ao nascer do dia.

Na Internet, a imagem está a ser comparada com uma bola de fogo ou com uma mão fechada que desce dos céus.


Tailândia proíbe bonecas com espíritos nos aviões



Bonecas de plástico estão na moda na Tailândia, onde chegam a ter menus próprios em restaurantes

A Autoridade de Aviação da Tailândia proibiu a venda de bilhetes de avião para as "look thep", umas bonecas descritas como possuidoras de poderes sobrenaturais, que estão na moda no país.

O anúncio da proibição foi feito na manhã de quarta-feira, poucos dias depois da companhia low cost do país, Thai Smile, ter aprovado a venda de bilhetes para as "look thep", que, segundo os seus donos, estão possuídas por anjos e espíritos celestiais.

A agência EFE conta que a companhia aérea, além de vender bilhetes de passageiro para as bonecas, garantia que estas podiam receber comida e bebida como o resto dos viajantes. Segundo as normas internacionais da aviação, os passageiros são pessoas, pelo que a Autoridade de Aviação da Tailândia veio proibir a venda de bilhetes para as "look thep". Chula Sukmanop, diretor da agência, assinala que as bonecas devem ser consideradas bagagem e ser colocadas sob os assentos ou no respetivo compartimento.

Nos últimos meses, a moda das bonecas possuídas espalhou-se por toda a Tailândia, onde os seus donos as transportam em carros de bebé e lhes reservam lugares e refeições em restaurantes. Em Bangkok, houve mesmo um restaurante que criou um menu próprio para as "look thep".

Depois da polícia alertar para a possibilidade destas bonecas serem utilizadas para transportar droga em aviões, as autoridades descobriram terça-feira 200 doses de metanfetaminas no interior de uma, no aeroporto de Chiang Mai, no norte do país.

Segundo o site Cocconuts, as bonecas foram criadas, há cerca de três anos, por uma médium tailandesa, que afirmava que as "look thep" protegem os seus donos, através de magia branca.


Cientistas descobrem o maior sistema solar


Formado apenas por um planeta e uma estrela.

Um grupo de cientistas descobriu o maior sistema solar do universo conhecido, formado apenas por um planeta e uma estrela, separados por mil milhões de quilómetros de distância, avançam esta quarta-feira fontes académicas internacionais. 

"Surpreendeu-nos muito encontrar um objeto de massa baixa [o planeta] tão longe da sua estrela mãe", comentou Simon Murphy, da Faculdade de Astronomia e Astrofísica da Universidade Nacional Australiana. 

Este centro académico conta com uma equipa internacional de investigadores que estudam aquele planeta, conhecido como 2MASS J2126-8140. Nos seus trabalhos, a equipa descobriu que este planeta, que tem uma massa superior 12 vezes à de Júpiter, orbita em redor de uma estrela anã chamada TYC 9486-927-1. 

Os dois corpos estão separados por uma distância equivalente a 6.900 unidades astronómicas, ou seja, 0,1 anos de luz ou 1.000.000.000.000 quilómetros, segundo um comunicado da Universidade Nacional Australiana. 

Esta distância é "cerca de três vezes maior" daquele que, até agora, era considerado o maior sistema solar.


Novo avião demora apenas 11 minutos de Nova Iorque a Londres


O modelo projectado até agora tem espaço para dez pessoas e é capaz de viajar a uma velocidade de 20 mil quilómetros por hora.

As viagens intercontinentais são ainda uma ‘provação’ a que muitos não se sujeitam tendo em conta as várias horas necessárias para chegar ao destino. E se a viagem entre Londres e Nova Iorque demorasse apenas 11 minutos?





É esta a meta do engenheiro canadiano Charles Bombadier, responsável pelo projeto ‘Antipode’, um avião capaz de transportar dez pessoas e voar até aos 20 mil quilómetros por hora, 12 vezes mais rápido que o Concorde.

Como exlica o Mirror, o lançamento do avião seria feito graças a magnetismo numa pista previamente preparada e seria já no ar que os motores deste avião entrariam em cena para quebrar a barreira do som.


Descobertas na Madeira e nos Açores cinco espécies extintas no século XV


Ilustração das espécies extintas, da esquerda para a direita: Rallus carvaoensis, R. adolfocaesaris, R. montivagorum, R. lowei e R. minutus JOSÉ ANTONIO PEÑAS/SINC

Há mais de 500 anos, seria provável avistar estas aves a caminhar na floresta de Laurissilva, em três ilhas dos Açores e duas da Madeira. Os vestígios paleontológicos estão a ajudar a reconstituir a diversidade natural dos arquipélagos.

Quando foi descoberta pelos portugueses, por volta de 1427, a ilha do Pico, nos Açores, seria diferente: uma vegetação mais luxuriante, sem casas nem muros de pedra que guardam a vinha, com mais espécies animais. Na floresta de Laurissilva poderia encontrar-se o frango-d’água-do-pico, uma pequena ave que habitaria principalmente o solo. No entanto, os ratos-pretos e os ratinhos que viajaram nas caravelas e nas naus portuguesas, e que chegaram àquela ilha, terão provavelmente levado aquela espécie à extinção.


Comparação dos crânios da Rallus aquaticus (em cima) e da Rallus minutus ALCOVER ET AL.

Tal como aconteceu em Madagáscar ou na Nova Zelândia, parte da fauna original dos Açores e da Madeira foi extinta quando os humanos chegaram lá. Um caso agora descoberto é o das cinco espécies de frangos-d’água que existiam na ilha do Pico, de São Miguel e de São Jorge, nos Açores, e nas ilhas de Porto Santo e da Madeira.

Uma equipa internacional estudou ossos encontrados naquelas ilhas, que permitiram descrever cinco espécies extintas há mais de 500 anos, segundo um artigo publicado agora na revista científica Zootaxa. Passo a passo, a paleontologia está a permitir a reconstituição da fauna natural que existia naqueles dois arquipélagos.

A equipa liderada por Josep Antoni Alcover, do Instituto Mediterrânico de Estudos Avançados, em Maiorca, Espanha, pensa que as cinco espécies do género Rallus evoluíram a partir do frango-d’água que ainda existe no continente europeu (Rallus aquaticus), incluindo em Portugal.

O Rallus aquaticus tem 23 a 28 centímetros de comprimento e 38 a 45 centímetros de envergadura de asas, habitando no litoral português em zonas de caniçais com água abundante. Mas esconde-se no meio da vegetação, por isso é difícil observá-lo. A sua plumagem é castanha na parte de cima do corpo e nas asas, e azulada por baixo, e tem um bico vermelho distintivo e patas também avermelhadas.

O frango-d’água é uma ave migratória que pertence à família das Rallidae — grupo muito conhecido por ter colonizado, ao longo da evolução, as ilhas da Terra. Pensa-se que cerca de 2000 espécies de Rallidae endémicas de ilhas já foram extintas com a chegada do homem. Ainda há espécies endémicas “nalgumas ilhas remotas da Terra (como nas Galápagos, em Guam, em Okinawa, na Inacessível, na Nova Zelândia, em Henderson, em Lord Howe), mas estes são os raros sobreviventes de uma linhagem com um passado muito mais diverso”, lê-se no artigo científico.

A diferenciação de novas espécies de aves depende da distância entre as ilhas e o continente, de onde vem a população original. “Os frangos-d’água continentais também se encontram em muitas ilhas que ficam perto do continente. Nestas ilhas não se originam espécies endémicas porque não há uma interrupção do fluxo genético com as populações do continente de onde as aves são provenientes. Só nas ilhas mais distantes — como é o caso da Madeira e dos Açores — é que há condições de isolamento para que ocorra uma evolução insular, que dá origem a novas espécies”, explica ao PÚBLICO Josep Antoni Alcover. Por exemplo, no arquipélago das Galápagos, a diferenciação de espécies de aves está a acontecer ainda hoje.

Quando o famoso naturalista inglês Charles Darwin, pai da teoria da evolução por selecção natural, chegou aos Açores em 1826, no regresso da sua viagem no navio Beagle, depois de já ter estado nas Galápagos, não pôde observar ali o resultado da evolução no género Rallus. No caso dos frangos-d’água extintos, o tempo em que estiveram naquelas ilhas tornou-as mais pequenas do que a espécie original e, em muitos casos, tirou-lhes a capacidade de voar.

“Não se sabe a razão para ter havido uma redução do tamanho do corpo. Seguramente está relacionada com os recursos na ilha”, diz Josep Antoni Alcover, acrescentando que as aves deveriam alimentar-se de pequenos invertebrados. “A perda de capacidade de voar relaciona-se com a ausência de predadores terrestres (mamíferos carnívoros). O voo é uma actividade fisiologicamente muito custosa. Voar é muito útil para fugir de predadores. Normalmente, muitas espécies que evoluíram nas ilhas sem mamíferos predadores perdem a capacidade de voar.”

Das cinco aves, as espécies mais pequeninas eram a Rallus minutus, da ilha de São Jorge, e que era robusta e tinha as patas pequenas, e a Rallus carvaoensis, da ilha de São Miguel, que tinha as patas maiores e um bico mais curvado. Estas duas espécies já não voavam, tal como a espécie que habitava a ilha da Madeira, a Rallus lowei, relativamente pequena e com um corpo bastante robusto.

É a análise dos ossos que permite inferir se as aves voavam. “O osso esterno das espécies não voadoras tem uma quilha [saliência óssea nas aves em forma de quilha dos navios] muito reduzida. Além disso, os ossos das asas são proporcionalmente mais pequenos do que os do corpo e das patas”, explica o investigador.

Tanto o frango-d’água-do-pico, cujo tamanho se aproximava da espécie do continente, como o do Porto Santo (Rallus adolfocaesaris) ainda retinham alguma capacidade de voar.

As cinco aves viveriam no chão, talvez na floresta de Laurissilva, típica daquelas ilhas, o que as tornou um alvo fácil. “A causa mais provável de extinção é a introdução do rato-preto (Rattus rattus) e do ratinho (Mus musculus) pelos humanos. Estas espécies de aves faziam os ninhos na terra, e os seus ovos e os pintos deviam ser muito vulneráveis [aos mamíferos]”, diz o cientista. Assim que os mamíferos chegaram às ilhas, “a extinção deve ter sido muito rápida, entre alguns anos e algumas décadas”.

Nenhum osso estudado pela equipa — que inclui Fernando Pereira, da Universidade dos Açores — tem mais de 10.000 anos. Por isso, não se sabe quando é que estas espécies surgiram na evolução. A maioria dos ossos nem sequer teve tempo de fossilizar.

Os vestígios mais recentes são da espécie da ilha do Pico, datando de entre 1404 e 1450. “A data mais recente sobrepõe-se com o momento da colonização portuguesa, e mostra que há uma sobreposição temporal entre a espécie e os humanos. Provavelmente, [estes ossos] são muito perto da altura da extinção desta espécie”, lê-se no artigo.

Embora a chegada dos portugueses aos Açores tenha sido decisiva para o desaparecimento das três espécies de Rallus, para a Madeira não há tantas certezas. Em 2014, um artigo publicado na revista Proceedings of the Royal Society B, que Josep Antoni Alcover também assina, relatava a existência de vestígios de ratinhos com cerca de mil anos na ilha da Madeira. Segundo o artigo, a hipótese mais provável para a origem daqueles ratinhos foi a passagem dos Vikings pela Madeira. “É possível que a espécie da Madeira e talvez a de Porto Santo se tenham extinguido antes [da chegada] dos portugueses”, diz o cientista.

Em relação às espécies de Rallus, Josep Antoni Alcover não conhece documentos históricos. O cientista está agora a trabalhar na descrição de mais nove espécies e haverá ainda outras “por descobrir”, refere. Aos poucos, está-se assim a recuperar a história natural perdida das ilhas portuguesas.

fonte: Publico

Drones guiados pela mente criados em Portugal


Tecnológica portuguesa Tekever concebeu um "drone" comandado por ondas cerebrais. E admite que a solução pode ser aplicada à aviação comercial.

fonte: Económico

"A verdade está lá fora": A CIA desclassifica documentos sobre OVNIs


A maioria dos documentos contêm imagens dos anos 40 e 50 do século passado e pertencem ao arquivo digital da agência.

A Agência Central de Inteligência (CIA) divulgou alguns documentos desclassificados sobre vigilância extraterrestre na véspera da estreia da nova temporada de The X-Files, segundo um comunicado da agência.

A maioria dos documentos contêm imagens dos anos 40 e 50 do século passado e pertencem ao arquivo digital da agência. A CIA começou a estudar casos associados com objectos voadores em todo o mundo em 1947.

Embora a CIA não tenha revelado qualquer informação se estabeleceu contactos com seres extraterrestres e sobre a sua presença entre nós, ou se achava que os OVNIs são de origem extraterrestre, os arquivos desclassificados mostram a seriedade com que o governo dos EUA tratou estes fenómenos.




fonte: RT

A fórmula que desmente teorias da conspiração



Alunagem foi uma das teorias analisada


Ligação das vacinas ao autismo já teria sido revelada, dizem os cientistas

Cientistas da Universidade de Oxford afirmam que teorias da conspiração como a da falsa alunagem da missão Apollo 11 ou a que garante que as alterações climáticas são uma farsa podem ser verificadas com uma formula matemática.

Manter uma pequena história em segredo é difícil, mas manter uma mentira ocultada por milhares de pessoas ao longo dos anos é absolutamente impossível, porque um dos conspiradores vai, mais tarde ou mais cedo, ceder e revelar a verdade. Esta é a conclusão a que chegou um grupo de cientista da Universidade de Oxford.

Num estudo publicada no jornal "Plos One", a equipa liderada por David Grimes pondera três fatores essenciais para verificar se os teóricos da conspiração têm razão ou não: os números de conspiradores envolvidos, o tempo que passou e a probabilidade intrínseca de uma conspiração falhar.

Aplicando estes vetores a grandes teorias da conspiração, os cientistas acreditam que se a alunagem da missão Apollo 11 tivesse sido forjada pela Nasa, tal facto teria sido revelado em 3, 7 anos. Neste caso, seria necessário que, até hoje, as 411 mil pessoas que trabalhavam na Nasa na altura tivessem conseguido manter segredo. Para que a mentira durasse mais de 50 anos, como é o caso, só 251 pessoas poderia ter conhecimento dele.

No caso da alegada farsa das mudanças climáticas, que envolve 405 mil pessoas - entre cientistas e outros trabalhadores de diversas instituições -, a mentira também teria perna curta, com um tempo de vida de cerca de três anos e três meses.

Sobre estas e outras teorias da conspiração, como a que liga o autismo à vacinação, o responsável pelo estudo afirma que, muito provavelmente, já teriam sido reveladas até ao momento.

Para construir a fórmula, Grimes calculou a probabilidade intrínseca das conspirações falharem recorrendo a três casos genuínos. Entre eles, o programa de vigilância a cidadãos norte-americanos divulgados por Edward Snowden, que foi revelado em seis anos e envolveu 36 mil pessoas.

"Os métodos matemáticos que usei neste artigo são similares aos que usei antes na minha pesquisa académica em física de radiação", afirmou à BBC o responsável, garantindo que a equação alcançada usa um cenário otimista para os conspiradores: assume que as pessoas são boas a guardar segredos e que não existem investigadores externos a tentar desvendar a verdade.


O que nos escondem no Google Earth


O Google Earth mostra-nos locais estranhos, até é possível descobrir o que antes se desconhecia, e por isso há quem trate de alterar as imagens para esconder certos locais.

O site news.com.au encontrou 9 locais que aparecem desfocados no Google Earth, para preservar o seu secretismo - embora as motivações sejam várias e em alguns casos desconhecidas.

As imagens estão pixelizadas, o que permite fazer "desaparecer" ou pelo menos esconder os locais em causa.

Três exemplo, bem diversos:

Um dos sítios mais controversos é conhecido como Haarp (High Frequency Active Auroral Research Program) e fica na fronteira dos estados de Washington e Oregon. Foi ao Haarp que o antigo líder da Venezuela, Hugo Chavez, se referiu quando disse que o terramoto no Haiti tinha sido provocado.

Outro é a "cidade secreta" na Rússia.

Trata-se de uma vasta área na Sibéria, perto do Alasca, que aparece completamente desfocada - e ninguém sabe porquê.

E porque é que uma parte considerável do arquipélago das Faroe, no Atlântico Norte, "desapareceu" no Google Earth? News.com.au sugere que tenha a ver com direitos de pesca.

fonte: TSF

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Planta sabe "contar"


A Dionaea muscipula é uma planta carnívora inteligente: reage em função do número de vezes que tocam nos seus pelos.

A planta (Dionaea muscipula) reage em função do número de vezes que tocam nos seus pelos.

E para cada situação (que envolve um número diferente de toques), a carnívora tem uma resposta própria.

Os cientistas alemães que chegaram a esta conclusão perceberam por exemplo que com dois toques nos pelos a planta aumenta o número de hormonas; com cinco, a produção de enzimas digestivas vai subir.

Isto permite à dioneia tirar melhor partido das presas que apanha, sem desperdiçar energias com pingos de chuva, por exemplo.

A investigação, liderada por Rainer Hedrich, da Universidade de Würzburg, foi publicada na revista Current Biology.


fonte: TSF

Encontra crocodilo na piscina


Animal foi retirado pelas autoridades 

Norte-americano foi surpreendido pelo animal, na Florida. 

O que prometia ser um relaxante banho na piscina tornou-se um pesadelo para um habitante de Islamorada, no sul da Florida, no EUA, que encontrou um crocodilo na água. 

O réptil acabou por ser capturado pelas autoridades locais.


terça-feira, 26 de janeiro de 2016

À procura de OVNIS


Na Terra existe quem queira desvendar um pouco mais sobre se há mesmo vida extraterrestrre. Entre essas pessoas estão portugueses, que se dedicam a procurar OVNIS. E outros dizem ter já avistado e contactado com outras formas de vida que ficam para além da Terra.

fonte: SIC Noticias

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Estes robôs ajudam os espermatozoides ‘mais preguiçosos’

Estes robôs ajudam os espermatozoides ‘mais preguiçosos’

Uma equipa do Institute for Integrative Nanosciences de Dresden desenvolveu uma espécie de nanorobô que ajuda a aumentar a mobilidade dos espermatozoides e a fazê-los chegar ao óvulo.

De acordo com o artigo publicado na revista Nano Letters, o ‘spermbot’ é apenas uma pequena espiral metálica que se encaixa na cauda do espermatozoide através do uso de campos magnéticos. Depois, é possível direcionar a célula reprodutiva até ao óvulo. Quando este é fertilizado, a espiral solta-se sozinha.

Os criadores do dispositivo explicam que este funciona como uma hélice magnética por serem fáceis de controlar em 3D.

Os investigadores reconhecem que é necessário fazer algumas melhorias antes de submeter o novo método a ensaios clínicos. No entanto, os cientistas esperam que esta técnica possa vir a ser menos dispendiosa que outros tratamentos de fertilidade, com a inseminação artificial.

fonte: Sol

Será que Tupac está vivo?

Será que Tupac está vivo?

Para o site norte-americano Reporterz, o ponto de interrogação do título está a mais. Foi publicada uma fotografia do rapper, morto a tiro em 1996, a divertir-se com a cantora Rihanna.

Esta não é a primeira vez que surgem rumores e suspeitas sobre o facto de Tupac ter fabricado a sua própria morte.

O site alega que as circunstâncias que se seguiram à suposta morte do cantor são no mínimo estranhas, dando a entender que não houve relatório de autópsia ou qualquer funeral.

“Agora sabemos exatamente o porquê. Tupac Shakur nunca foi morto, mas não é ainda claro por que tem estado escondido”, lê-se na página Reporterz.

Os americanos adoram uma boa teoria da conspiração, então se envolver celebridades melhor ainda. Veja-se o caso de Elvis, que algumas pessoas acreditam estar vivo.

Se calhar o ‘rei’ está a beber mojitos com Tupac num qualquer botequim em Havana. Pelo menos nas redes sociais corre o boato que foi em Cuba que Tupac se escondeu.

fonte: Sol

Um mini T. Rex foi descoberto no País de Gales


Uma ilustração do Dracoraptor hanigani

O Dracoraptor teria cerca de 70 cm de altura e dois metros de comprimento

Investigadores britânicos anunciaram a descoberta de um novo dinossauro carnívoro encontrado no sul do País de Gales e dizem que é provavelmente o mais antigo exemplar do Jurássico encontrado no Reino Unido.

O pequeno dinossauro, chamado Dracoraptorhanigani, foi descoberto em 2014, numa praia perto de Penarth, depois de uma derrocada numa arriba. Segundo os investigadores, viveu no início do Jurássico, há cerca de 200 milhões de anos.

Depois de analisarem os fósseis, os investigadores concluíram que se trata de uma nova espécie, num artigo agora publicado no PLOS ONE. Chamaram-lhe Dracoraptor hanigani - sendo que dragão é o símbolo nacional de Gales e hanigani é uma homenagem aos dois irmãos que descobriram o fóssil, Nick e Rob Hanigan.

O Dracoraptor teria cerca de 70 cm de altura - como um pastor alemão - e dois metros de comprimento, com uma longa causa, como um mini T. Rex. Era carnívoro e pertencia ao grupo dos terópodes. Os investigadores pensam que este exemplar ainda não era adulto.


Mulheres dizem ter tido filhos com alienígenas para criar “raça superior”





Um grupo de mulheres está causando polémica nas redes sociais após alegar ter tido “filhos híbridos” com extraterrestres. De acordo com elas, as crianças vivem com seus pais em naves espaciais.

Segundo publicação do jornal Metro, as norte-americanas integram uma comunidade batizada de “Hybrid Baby”. Eles creem que alienígenas desejam criar uma “super espécie” combinando o ADN humano com o deles.

Em entrevista ao Metro, Bridget Nielson e Aluna Verse afirmam que a relação com os aliens foi “o melhor sexo que já tiveram em toda a vida”. 

“Foi incrível, uma ótima experiência”, disse Bridget. “Eu estava na sala de aula quando esse ser verde apareceu ao meu lado, eu me senti tão atraída sexualmente por ele. Fizemos sexo na frente de todo mundo. Acham que eu sou louca, mas isso realmente aconteceu”, continuou. 

As mulheres procuram agora um lugar onde possam morar e que seja seguro para os filhos. De acordo com elas, as crianças não podem ser vistas por outros seres humanos. O grupo chegou a desenhar alguns esboços de como são seus filhos. 

fonte: Yahoo!

Imagens mostram caça militar perseguindo suposto "disco voador"





As fotos foram feitas em Nova Zagora, no sudeste da Bulgária e publicadas por um portal que reúne aparições extraterrestres.

Imagens publicadas na última semana na internet tem feitos muitos se perguntarem se estamos realmente sozinhos. As fotos mostram um caça militar perseguindo um suposto "disco voador". Um canal do Youtube reproduziu as imagens num vídeo que já alcançou mais de 100 mil visualizações. 

As fotos foram publicadas no dia 15 de janeiro pelo Portal 12, um site búlgaro que reúne informações sobre aparições extraterrestres.

De acordo com o portal, as imagens foram feitas por um internauta na região de Nova Zagora, no sudeste da Bulgária. Tanto o avião, que aparenta ser um caça militar, quanto o objeto não identificado voavam a altitudes muito baixas.

fonte: IG

Cobras invadem costas e causam fechamento de praias na Argentina





Uma invasão de cobras que viajam sobre camalotes (plantas flutuantes que descem os rios), consequência das cheias e inundações no nordeste da Argentina, levou ao fechamento de praias do rio Paraná e da Prata em pleno verão - informaram na segunda-feira das autoridades. 

O fenómeno chegou na segunda-feira às costas do rio da Prata, na orla de Buenos Aires, e em Quilmes, no sul da capital. 

Répteis, lontras e lagartos se deslocam sobre camalotes, uma planta aquática típica da região, que forma espécies de ilhas flutuantes e descem pelas águas do nordeste do país. 

"Nós aumentamos a conscientização sobre o risco e o perigo que existe. Há lontras e yararás e espécies de serpentes que são venenosas", disse Matthias Leis, chefe da área costeira de Quilmes.

De acordo com Leyes, "as praias de Quilmes foram fechadas para a prevenção. Durante a semana limpamos os bancos e por isso avistamos as serpentes sobre a vegetação subaquática, os camalotes de água".

Desde meados de dezembro, o nordeste da Argentina, assim como áreas do Paraguai, do Uruguai e do Brasil, sofreram uma das piores inundações da história, pelas cheias dos rios devido a intensas chuvas e tempestades provocadas pelo fenómeno El Niño.

"Eu acredito que a cheia se explica pela quantidade de aterros ilegais que foram construídos, a agricultura industrial em zonas não aptas e as represas", disse à AFP Mariana Mina, dona do ecocamping 'Los Benitos' e integrante da ONG ambientalista "El Paraná no se toca".

fonte: UOL

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...