quarta-feira, 15 de abril de 2015

Boné que faz electroencefalogramas ‘made in’ Portugal

Boné que faz electroencefalogramas ‘made in’ Portugal

O boné contém um dispositivo que permite realizar electroencefalogramas sem fios, recorrendo ao sistema wireless

Um boné faz electroencefalogramas e pode ser usado nos condutores de longa duração para prevenir o cansaço ou um dispositivo que activa as endoscopias pela voz são algumas das soluções tecnológicas que serão apresentadas sexta-feira, em Coimbra.

Este boné poderá vir a ser usado por condutores de longa distância, para emitir sinais sempre que o cérebro destes revelar cansaço.

Trata-se do resultado do projecto Do IT - Desenvolvimento e Operacionalização da Investigação de Trasladação, financiado pelo Programa Operacional Factores de Competitividade (COMPETE), e que tem como objectivo colocar a tecnologia ao dispor da Saúde.

Depois do desafio lançado pelo Health Cluster Portugal, e mediante um investimento de 6,8 milhões de euros, 21 instituições, como hospitais, universidades e empresas, trabalharam em projectos ao longo dos últimos três anos, cujos resultados serão agora conhecidos.

Os vários projectos de diagnóstico e prognóstico foram desenvolvidos por investigadores, empresários e profissionais de saúde portugueses nas áreas do cancro, doenças neurodegenerativas e diabetes.

Nuno Sousa, docente da Universidade do Minho, explicou à agência Lusa que os projectos -- alguns ainda em fase de melhoramento -- poderão vir a ser comercializados e que têm como objectivo principal melhorar a vida das pessoas.

Como exemplo, Nuno Sousa disse que a sua universidade desenvolveu um boné que contém um dispositivo que permite realizar electroencefalogramas sem fios, recorrendo ao sistema wireless.

A possibilidade do exame ser feito "em qualquer lado" e "com grande rigor científico" levou os investigadores a ponderarem a sua utilização para outros fins.

Nesse sentido, este boné poderá vir a ser usado por condutores de longa distância, a quem emitirão sinais sempre que o cérebro destes revelar cansaço.

Segundo Nuno Sousa, este protótipo já mereceu a atenção de algumas empresas, embora ainda não esteja em fase de comercialização.

Outros projectos que serão apresentados na quinta-feira são uma cinta que permite fazer um electrocardiograma fetal ou um dispositivo que permite ao médico que consulta um exame endoscópico ir para a parte que lhe interessa através de uma palavra. 

fonte: Sol