quinta-feira, 9 de abril de 2015

E 112 anos depois, estudo português ressuscita o famoso brontossauro



O brontossauro como os cientistas o vêem nos dias de hoje


Representação do brontossauro na década de 1880: aquático e com um esqueleto grande e robusto
DR


Uma reconstrução do esqueleto do brontossauro do final do século XIX OC MARSH

Desde 1903 que a classificação de um dos dinossauros mais conhecidos tinha caído em desuso pelos paleontólogos. Uma extensa análise de vários fósseis recupera agora a designação brontossauro.

O brontossauro, cujos fósseis foram descobertos ainda no século XIX, é uma das mais famosas figuras de dinossauros na cultura popular, principalmente nos Estados Unidos, onde se tornou um dos representantes máximos dos saurópodes – dinossauros herbívoros de quatro patas que marcaram o período Jurássico, com os seus longos pescoços e tamanho descomunal.

Mas para os paleontólogos, este género foi extinto em 1903. Nesse ano, concluiu-se que as características do Brontosaurus eram semelhantes às do Apatosaurus, um género de saurópodes da mesma altura no Jurássico, com fósseis tinham também sido descobertos no século XIX, mas um pouco antes do brontossauro. Por isso, e como a designação apatossauro era mais antiga, oBrontosaurus excelsus passou a Apatosaurus excelsus. E sempre que o brontossauro ressurgia na cultura popular, era corrigido.

Assim foi durante 112 anos, até que um novo estudo feito em Portugal volta agora a pôr o brontossauro na ribalta. Desde 2010, uma equipa de cientistas analisou as espécies incluídas na família de saurópodes Diplodocidae, onde está o apatossauro. E concluiu que, afinal, existem diferenças morfológicas suficientes entre o antigo Brontosaurus excelsus e as outras espécies pertencentes ao género Apatosaurus.

Tendo em conta os novos dados, o dinossauro deveria pertencer, na realidade, a um género autónomo, defendem os investigadores num artigo de quase 300 páginas publicado na PeerJ, uma revista científica online de acesso livre. E qual o seu nome? Brontossauro, claro.

“O que [se] fez foi analisar todos os fósseis relevantes desta família de dinossauros e perceber quais as semelhanças e as diferenças entre eles”, disse ao PÚBLICO Octávio Mateus, paleontólogo da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa e do Museu da Lourinhã, que orientou Emanuel Tschopp, investigador suíço que entre 2010 e 2014 fez o doutoramento naquelas duas instituições e deu origem a este artigo.

Na década de 1870, o paleontólogo norte-americano Othniel Charles Marsh descobriu, na região das Montanhas Rochosas, nos Estados Unidos, dois fósseis diferentes de saurópodes. A um deles chamou Apatosaurus ajax, descrevendo a espécie num artigo de 1877, e ao segundo deu o nome Brontosaurus excelsus, num outro artigo em 1879. Os dois fósseis pertenceram a animais que viveram há cerca de 150 milhões de anos, no Jurássico superior.

Os dois fósseis mantiveram-se associados a géneros diferentes até 1903, quando foi feita uma nova análise anatómica. Mas, nas últimas décadas, a descoberta de novos exemplares de saurópodes permitiu uma investigação mais pormenorizada destes fósseis. “Há 15 anos, teria sido impossível fazer esta investigação com este nível de detalhe”, explicou Emanuel Tschopp, num comunicado da PeerJ, que está actualmente a trabalhar na Universidade de Turim, em Itália. “E até há pouco tempo, com o que se sabia, era completamente razoável defender que o brontossauro e o apatossauro eram o mesmo género.”

A equipa, que contou ainda com Roger Benson, da Universidade de Oxford, no Reino Unido, andou por dezenas de museus nos Estados Unidos, na Europa e na Ásia, para analisar fósseis de 49 exemplares da família Diplodocidae. Para cada fóssil, analisaram 477 características morfológicas.

Uma delas é a “crista no canto ventro-lateral das vértebras cervicais”, exemplifica Octávio Mateus. Esta característica não existe em todos os fósseis, mas se surge numa espécie durante a evolução, e se aparece noutra espécie, significa que há uma relação evolutiva entre ambas. Juntando a informação de todas as 477 características morfológicas, a equipa fez uma nova árvore evolutiva dos Diplodocidae. “É isso que mostra qual é o parentesco entre as espécies”, referiu Octávio Mateus. “Esse parentesco tem implicações, como por exemplo a alteração do nome ou do género [destes saurópodes].”

Os Diplodocidae agrupam espécies que têm comprimentos entre os 12 e os 40 metros e pesam entre 12 e 40 toneladas. São autênticos gigantes do passado. A nova análise propõe a existência de 15 a 17 espécies de Diplodocidae, agrupadas em dez ou 11 géneros diferentes, um dos quais é o do famoso diplodoco.

“Este é o estudo mais extenso produzido até agora sobre a evolução do Diplodocus e dos seus parentes mais próximos, e lança algumas ideias novas, bastante interessantes, sobre como estes animais estão relacionados, e como devem ser classificados”, defendeu Paul Barrett, em declarações à BBC online, paleontólogo do Museu de História Natural de Londres, que não esteve envolvido neste trabalho.

O estudo “mostra, de várias formas, que os espécimes originais deBrontosaurus e Apatosaurus podem ser separados um do outro e ressuscita o “Brontosaurus” como uma entidade separada”, acrescentou Paul Barrett.

Uma das características que fundamenta essa separação está no pescoço: nos apatossauros, é ainda mais grosso do que nos brontossauros, defende a equipa.

Mas outros paleontólogos indicam um problema na definição correcta de uma espécie ou de um género de dinossauro tendo em conta as características analisadas nos fósseis. Perguntam, por exemplo, quantas características diferentes são necessárias para criar a classificação de um novo género? “Para mim, a questão centra-se em como queremos definir as espécies e os géneros na paleontologia dedicada aos dinossauros”, considerou John Whitlock, do Mount Aloysius College, na Pensilvânia, Estados Unidos, citado numa extensa notícia no site dos museus Smithsonian, antecipando muita “discussão” sobre este assunto.

Mas o novo trabalho contempla ainda outra descoberta, desta vez relativa a um dinossauro português. O Dinheirosaurus, um género de saurópode cujos fósseis foram descobertos em 1999 (com a ajuda de Octávio Mateus), passou a partir de agora a pertencer ao género Supersaurus. Este tinha sido descoberto em 1985 no Colorado, Estados Unidos. “O Supersaurus não estava bem estudado”, explicou o paleontólogo português. “Agora que se conhece mais, percebemos que o Dinheirosaurus e o Supersaurussão próximos e devem partilhar o mesmo género.”

fonte: Público