quarta-feira, 1 de julho de 2015

Ufólogo diz ter mantido contacto por cartas com ETs que vivem na Terra


Carta enviada a Facury por suposta extraterrestre (Foto: Tássia Lima / G1)


Encontro Ufológico reuniu centenas de pessoas (Foto: Juliana Ferraz / Assessoria de Imprensa)


Jorge e Michel Facury, ufólogos e moradores de Sorocaba (Foto: Juliana Ferraz / Assessoria de Imprensa)


Marco Aurélio Leal falou do caso Varginha (Foto: Juliana Ferraz / Assessoria de Imprensa)

Jorge Facury contou experiência em encontro ufológico em Sorocaba (SP). Moradores relatam casos de aparições de OVNIs na região.

Enquanto a existência de seres extraterrestres é discutida entre vários grupos da população - de leigos a especialistas sobre o assunto - uma minoria afirma com veemência que eles não só existem, como alguns já vivem entre nós. É o caso do ufólogo Jorge Facury, morador de Sorocaba (SP). Durante anos, ele afirma ter se correspondido por cartas com um grupo de ETs que vive no Brasil.

"Mantive contacto de uma forma diferente do que as pessoas imaginam. Não houve abdução, nunca encontrei um extraterrestre, mas conversei por cartas durante muito tempo", conta Facury. Porém, para chegar a esse ponto, a "relação" com a ufologia começou cedo.

Na infância, ele e o irmão, Michel, passavam horas a olhar para o céu à procura de objetos. "Parecia que ele sentia saudade de alguma coisa", afirma Michel.

Mas foi na década de 80, já morando em Sorocaba, que o então adolescente teve seu primeiro contacto com o mundo dos Ufos. Na época com 18 anos, Jorge estudava na escola António Padilha, no Centro. Quando ia da quadra para o prédio da escola, sozinho, viu uma cena que chamou a atenção.

"A linha do horizonte estava vermelha, parecia em brasa. Achei que era um incêndio e subi num murete para ver melhor. Foi quando percebi que, na verdade, era uma forma luminosa. Em um milésimo de segundo, ela se projetou do horizonte até o ponto imediatamente acima de mim. Parecia uma bola de fogo", relata.

Logo em seguida, ele afirma que, tão rápido quanto chegou, o objeto foi embora. A cena ficou na cabeça do homem e nunca mais saiu. "Me lembro perfeitamente. Era 27 de outubro de 1983. Fiquei abalado emocionalmente", diz Facury. Depois, o interesse pela ufologia só cresceu, e ele e o irmão passaram a "caçar" ovnis em várias cidades.

Depois de várias aparições, Jorge decidiu dar um passo à frente. "Escrevi uma carta para uma revista pedindo que, se houvesse algum extraterrestre lendo, me respondesse a carta. Recebi várias cartas tirando sarro, me chamando de louco, mas também recebi a resposta que eu queria. Era uma extraterrestre que dizia morar em uma "base" em São Lourenço, em Minas Gerais. A partir daí, passei a me comunicar com ela e descobri que ela era uma criança, princesa do povo dela", conta o ufólogo.

Mais tarde, Facury diz que acabou se correspondendo também com outros extraterrestres do mesmo grupo. Ainda segundo ele, as cartas vinham de um endereço na cidade mineira cuja moradora os ETs diziam controlar por hipnose.

Curioso, o ufólogo foi até o local e descobriu que a dona da casa, uma idosa, tinha realmente o nome que os ETs citaram, mas disse não saber nada a respeito de cartas enviadas a ele. O contacto foi interrompido depois que a suposta princesa voltou ao local de origem, um planeta com seis luas e céu cor de vinho.

Atualmente, os irmãos Facury são reconhecidos na área por vários grupos de estudos ufológicos. Jorge, inclusive, tem um livro publicado sobre o assunto. Na semana passada, os dois deram uma palestra no 1° Encontro Ufológico de Sorocaba e relataram os acontecimentos que os tornaram especialistas no assunto. "Nunca tivemos a intenção de ser ufólogos. As pessoas que nos intitularam assim", diz Michel.

Fenómenos na região

No Encontro Ufológico, o G1 conversou com outros especialistas da região para relembrar alguns casos de repercussão. O caso do bairro Mirante dos OVNIs, em Votorantim (SP), foi um deles. "O nome já veio devido aos avistamentos ali. Inclusive, esse é um dos poucos lugares no Brasil que recebeu um nome relacionado a ufos.

Na década de 60, houve o suposto pouso de uma nave num campo de futebol ali, e muitas pessoas avistaram", conta o presidente do Grupo de Estudos e Pesquisas Ufológicas de Sorocaba (Gepus), Marco Aurélio Leal, que deu uma palestra sobre o caso Varginha.

Ainda na região, entre Araçoiaba da Serra e Iperó, existe o Morro de Ipanema, também famoso por supostas aparições de óvnis. Segundo Marco Aurélio, o local já foi inclusive palco de investigações militares.

"Em 1972, a Aeronáutica ficou sabendo dos avistamentos e foi investigar. Até a Nasa já veio para cá, porque ali as tempestades com raios são terríveis. O morro tem uma concentração muito grande de magnetita, uma espécie de ímãn com poder eletromagnético", afirma.

Em Sorocaba, o ufólogo Marcos Gurgel relata mais duas histórias. "Teve o ufo do Jardim América, nos anos 90. Várias famílias relataram ter visto uma bola de luz alaranjada, do tamanho de um carro, flutuando no nível da rua. Nós acreditamos que seja uma sonda ou uma nave pequena, para apenas um tripulante", diz Marcos.

Além do suposto pouso no Morro dos OVNIs, Votorantim teve outro caso lembrado por Marcos. "Um homem que era vereador na época disse estar no carro e ter visto uma nave em formato triangular relativamente baixa, abaixo da rota de aviões. Ele observou o objeto por um tempo e deu um sinal de luz. Nesse momento, a nave se deslocou e foi pairar bem acima do carro dele", conta o ufólogo.

fonte: G1