quinta-feira, 23 de julho de 2015

Raelianos querem que Portugal os deixe abrir uma embaixada extraterrestre


Imagem por computador criada pelo movimento Raeliano com a simulação da embaixada que pretendem construir Fotografia © YouTube

Após não terem conseguido levar o projeto avante nos EUA, Canadá, Brasil, França, Peru e Israel, o movimento que acredita que somos clones de ETs tenta a sorte num país "acolhedor e pacífico".

O pedido é sério e oficial: o movimento Raeliano contactou o Governo português solicitando que lhes seja permitido construir uma embaixada para extra-terrestres no nosso país. Isso mesmo foi confirmado hoje pela AFP, que consultou um documento do organismo do estado francês encarregue de vigiar as derivas sectárias MIVILUDES.

De acordo com o documento, os raelianos solicitam a disponibilização de um terreno de 4 km2, "a título oneronoso ou gratuito" para aí ser construído o edifício que será "embaixada dos Elohims", os extraterrestres que estão no centro da doutrina criada pelo francês Claude Vorilhon.

O projeto teria um custo de 40 milhões de euros e incluiria uma plataforma de aterragem com 14 metros de diâmetro.


Ainda segundo o documento consultado pela AFP, o movimento Raeliano pretende que o estado português lhes "conceda obrigatoriamente um estatuto de extraterrotorialidade" e "uma zona de restrição aérea sobre o edifício, que deverá ser distante de qualquer zona urbana".

Em contrapartida o movimento promete "favorecer o desenvolvimento económico da região onde será implantada a embaixada".

Portugal surge na mira dos raelianos após estes não terem conseguido concretizar um projeto semelhante nos EUA, Canadá, Brasil, França, Peru e Israel. O nosso país, segundo a AFP, é elogiado por um responsável do movimento por ser "acolhedor e pacífico".

Os raelianos, considerados uma seita em França e como tal sob vigilância do MIVILUDES, afirmam acreditar que os seres humanos resultam de um processo de clonagem realizado por cientistas extra-terrestres, da referida espécia Elohim. Criado em 1973, o movimento diz ter 80 mil seguidores em todo o mundo.

Em Portugal, onde a sua página oficial na Internet é uma página Facebook, o grupo tem - segundo o MIVILUDES - 15 membros ativos e meia centena de simpatizantes. No Facebook, a página conta 322 membros.