domingo, 26 de julho de 2015

Investigadores tentam entender a morte de milhares de abelhas em SP





Insetos são responsáveis pela polinização e pelo crescimento dos frutos. Eles estão morrendo em quantidades assustadoras.

Um inseto pequenino, mas de extrema importância para a natureza, está a desaparecer do mapa em São Paulo. As abelhas, responsáveis pela polinização das flores e por fazer crescer os frutos que a gente usa como alimento, estão a morrer em velocidade assustadora. Investigadores começaram um mapeamento no campo para identificar o que está a causar o problema.

Agrotóxico é a suspeita dos especialistas. De cinco anos para cá, têm acontecido muitos casos. Só o professor da Unesp, Osmar Malaspina, que estuda o impacto dos agrotóxicos nas abelhas, registou mortes em 20 mil colmeias no estado.

São Paulo tem hoje cerca de 4 mil apicultores e 170 mil colmeias. Para ter um diagnóstico mais preciso da mortandade, um estudo inédito está sendo feito em parceria entre a Unesp, a Ufscar e o Sindicato das Indústrias de Defensivos Agrícolas.

As propriedades que têm registado morte de abelhas serão mapeadas. Assim que descobrir o problema, o apicultor deve avisar os invrestigadores, uma equipa vai até lá e recolhe amostras, que serão analisadas em laboratório.

Quem cria abelhas e está vivendo essa situação, pode ligar para o laboratório para ajudar na pesquisa. A ideia é recolher amostras de abelhas mortas nas propriedades.

fonte: G1