segunda-feira, 27 de julho de 2015

Os "Filhos da Lua"


Os índios Guna vivem na província de Guna Yala, no Panamá. A sua economia tem por base a agricultura, a pesca e o fabrico artesanal de roupa


Segundo a associação local "S.O.S. Albino", uma em cada 150 crianças do povo Guna tem albinismo


A nível global a mutação tem uma expressão de 1 para 17 mil


Existem centenas de albinos entre a população de cerca de 80 mil pessoas do povo Guna


Os efeitos do sol tropical são uma das maiores ameaças que enfrentam. O rapaz na foto aproveitou o dia nublado para brincar na rua


Por causa da sua pele sensível, as crianças com albinismo são rapidamente transportadas de casa para a escola e da escola para casa


As crianças com albinismo evitam a exposição ao Sol, mas ficam privadas de muitas brincadeiras na rua




Um médico local diz que mais de metade dos albinos da região sofrem de cancro de pele. Na foto, Edna Perez, 71 anos, tem cancro de pele


Na população geral a incidência de cancro de pele é de apenas um por cento, segundo a OMS. As quatro irmãs na foto têm uma probabilidade elevada de virem a desenvolver a doença


Durante anos o povo Guna esqueceu as suas tradições e perseguiu os albinos


Mas durante o século XX recuperou a sua cultura e integrou-os novamente


Uma jovem mãe mostra o seu bebé recém-nascido à porta de sua casa, na ilha de Ogobsugun, na província de Guna Yala, no Panamá


Uma criança albina é acarinhada pela mãe na sua casa, na ilha de Ogobsugun, na província de Guna Yala, no Panamá


Duas irmãs com albinismo brincam na sua casa, na ilha de Ustupu, na província de Guna Yala, no Panamá


Uma criança dorme na sua casa, na ilha de Ustupu


Crianças brincam sob a lua cheia na ilha de Achutupu, na província de Guna Yala, no Panamá

Há um grupo de crianças no Panamá que é venerado pela comunidade: são conhecidos como os "Filhos da Lua", ou "Netos do Sol", e têm como missão evitar que a Lua seja devorada...

Em alguns países, como a Tanzânia, os albinos são perseguidos e atacados, mas em Guna Yala, uma província do Panamá, são respeitados e acarinhados.

Mas nem sempre foi assim. Após a colonização espanhola, e até ao final do século XIX, o povo Guna assassinava os seus membros albinos, pois acreditava que estes seriam descendentes dos invasores europeus. No início do século XX a população redescobriu as suas tradições, e recuperou a tolerância e respeito para com os seus albinos.

Segundo as tradições dos Guna, o primeiro albino foi enviado por deus, chamava-se Mago, e seria o pai do Sol. Os seus descendentes ficaram por isso conhecidos como os "Filhos da Lua", ou "Netos do Sol", e devem ser acarinhados, pois são os únicos com o poder de defender a Lua de um dragão mítico que a tenta comer sempre que há um eclipse lunar.

fonte: TSF