sexta-feira, 19 de junho de 2015

Uma traição chamada Pym. Memórias de Thatcher revelam intrigas e acordos secretos


Margaret Thatcher liderava o Reino Unido ao mesmo tempo que Ronald Reagan era presidente nos Estados Unidos.Fotografia © White House Photographic Office

A história da disputa entre a antiga primeira-ministra britânica e o ministro Francis Pym é contada pela mão da própria, em 128 páginas manuscritas reveladas agora. O ministro colaborava com os americanos nas suas costas.

Durante a guerra das ilhas Malvinas que opôs o Reino Unido à Argentina, o ministro dos Negócios Estrangeiros britânicos terá colaborado com os Estados Unidos à revelia de Margaret Thatcher. É o que revelam as memórias da antiga primeira-ministra, só agora publicadas.

O texto de 128 páginas, que pode ser consultado na íntegra tanto na versão manuscrita como na versão transcrita aqui, mostra que o ministro, Francis Pym, chegou mesmo a virar os restantes ministros contra a primeira-ministra num dos momentos da guerra das ilhas Malvinas em 1982, o que a deixou furiosa.

O historiador da Fundação Margaret Thatcher, Chris Collins, disse ao The Guardian que a descrição dos confrontos com o ministro dos Negócios Estrangeiros representa a parte das memórias com maior valor histórico, visto que os restantes membros do gabinete de ministros foram elogiados por Thatcher nesse texto.

"Ao espreiar as páginas das memórias, surge o pensamento desconfortável da perspetiva de Margaret Thatcher de que o ministro dos Negócios Estrangeiros estava a combinar-se com os americanos para a contornar durante a fase da diplomacia na ilha das Malvinas, e não sem sucesso", disse Chris Collins.

A ex-primeira-ministra descreve, nas suas recordações que foram escritas no ano a seguir à guerra, dois momentos principais em que ela e Francis Pym colidiram. O primeiro aconteceu ainda no princípio do conflito nas Malvinas, quando Pym voltou dos Estados Unidos com propostas de paz feitas pelos americanos.

Thatcher considerou o documento um esforço de agradar aos americanos que prejudicava os habitantes das Malvinas, e disse isso ao ministro, mas este insistiu em apresentar as propostas ao resto do gabinete de ministros. O documento acabou por não ser aprovado, mas não do lado britânico: os argentinos rejeitaram imediatamente os termos da proposta americana.

Numa segunda ocasião, dez dias mais tarde, Thatcher descreve que Pym virou os restantes membros do gabinete contra a ex-primeira-ministra no âmbito de umas propostas de paz vindas do Peru e organizadas pelos Estados Unidos.

Desta vez, Thatcher encontrou-se "encurralada", diz Chris Collins, e Pym já tinha mesmo escrito aos americanos a aceitar os termos da proposta, algo a que a ex-primeira-ministra se opunha. De acordo com Chris Collins, a situação deixou a líder britânica furiosa. Também essas propostas foram rejeitadas pelos argentinos, porém.

As memórias recém-publicadas pertencem a um acervo documental entregue por Margaret Thatcher ao estado britânico enquanto ainda era viva. O acervo é mantido no Centro de Arquivos Churchill, na Universidade de Cambridge.

Margaret Thatcher foi primeira-ministra do Reino Unido entre 1979 e 1990. Morreu em 8 de abril de 2013.