terça-feira, 23 de junho de 2015

Fígados, rins e pâncreas humanos criados em porcos. Já não falta tudo


Cientistas espanhóis entraram na corrida, depois de um grupo japonês ter desenvolvido pâncreas de porco preto num branco.

Pode parecer uma ideia estranha, ou até bizarra, mas se o processo biológico vier a funcionar - e se for autorizado -, a produção de órgãos humanos em porcos pode, num futuro de prazo ainda incerto, ser uma resposta para diminuir as listas de espera para transplantes de órgãos: pâncreas, fígado, rins, talvez até o coração. Há vários anos que o grupo japonês de Hiroshi Nagashima, na Universidade de Tóquio, está a desenvolver trabalho nesse sentido. Em Espanha, segundo relata o El Mundo, também já há um grupo na corrida.

O objetivo, na essência, é simples. Trata-se de tentar criar órgãos humanos utilizando o organismo dos porcos para esse fim. Alterados por engenharia genética logo nas primeiras fases de desenvolvimento embrionário, para integrarem e desenvolverem os tecidos humanos específicos de um dado órgão, como os rins ou o fígado, estes porcos serão em tudo iguais aos seus congéneres, à exceção do tal órgão humano integrado no seu organismo. Concretizar a ideia é que não tem sido fácil.