quarta-feira, 17 de junho de 2015

Astrofísicos portugueses vêem as primeiras estrelas do universo

Astrofísicos portugueses vêem as primeiras estrelas do universo

Uma equipa internacional liderada pelo português David Sobral, do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço e da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa descobriu a galáxia mais brilhante do início do universo. Além disso, o grupo conseguiu detectar fortes indícios da formação das primeiras estrelas. Ou seja, para se medir o alcance do achado da equipa, estas podem ser as estrelas que se formaram logo após a chamada ‘poeira primordial’ formada pelo Big Bang. Até agora, estas estrelas iniciais eram teoria. Estas observações – que recorrem aos dados de telescópios superpotentes, como o Very Large Telescope, do Observatório Europeu do Sul, situado no deserto de Atacama, no Chile – poderão então confirmar a sua existência.

“Ao juntarmos as diferentes peças do puzzle percebemos que tínhamos encontrado algo muito mais profundo e que estávamos a ver, pela primeira vez, um Santo Graal da astronomia – as primeiras estrelas. Foram essas estrelas que permitiram a nossa existência. Depois de inúmeras observações e imenso trabalho, com um método diferente e planeado por nós, é fabuloso obter estes resultados tão importantes”, afirma David Sobral, citado num comunicado da Universidade de Lisboa.

É que estas estrelas são uma espécie de ‘antepassado’ cósmico de todas as outras, incluindo o ‘nosso’ Sol.

O grupo incluiu ainda astrónomos e astrofísicos das Universidades da Califórnia (EUA), genebra (Suíça) e Leiden (Holanda).

fonte: Sol