quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Estação Espacial chinesa Tiangong-1 deve cair na Terra, afirma porta-voz


Re-entrada deve acontecer em 2017, e segundo equipe chinesa, queda não representa uma ameaça...

O primeiro laboratório espacial da China terá um fim ardente na atmosfera da Terra, disseram autoridades chinesas.

A estação espacial Tiangong-1, de 8,5 toneladas. está intacta até o momento, orbitando a Terra a uma altitude de 370 km, de acordo com Wu Ping, vice presidente do escritório de Engenharia Espacial da China. Isso é um pouco mais baixo do que a Estação Espacial Internacional (ISS), que geralmente permanece a uma altitude de 400 km acima da superfície do planeta.

Portanto, de acordo com o comunicado oficial, Tiangong-1 provavelmente cairá de volta na Terra no segundo semestre de 2017, e sua re-entrada não deve causar problemas para nós, disse Wu.

"Com base em nossos cálculos e análises, a maior parte do laboratório espacial queimará durante a re-entrada", disse Wu durante uma entrevista colectiva no dia 14 de setembro, de acordo com a agência de notícias estatal Xinhua, da China.


Ilustração artística da Tiangong-1 orbitando a Terra. Créditos: Administração Espacial Nacional da China / divulgação

Tiangong-1 (que significa "Palácio Celestial" em mandarim) está sendo monitorizada de perto pelos chineses, que emitirão avisos apropriados caso a estação ameasse colidir com um satélite, disse Wu, que ainda prometeu avisos e previsões da queda da estação Tiangong-1, caso seja necessário.

O comunicado feito por Wu confirma a especulação de que a China não estava mais no controle da Estação Espacial de 10 metros, lançada em setembro de 2011. Afinal, se os operadores tivessem controle da estação eles poderiam manobrá-la numa re-entrada guiada ao longo de um trecho vazio do oceano.

Três naves espaciais atracaram com a Tiagong-1 durante sua vida operacional: Shenzhou-8 em novembro de 2011, Shenzhou-9 em Junho de 2012 e Shenzhou-10 em junho de 2013. As duas últimas missões foram tripuladas, transportando três "taikonautas" chineses em cada uma delas.

Tiangong-1 parou de enviar dados para a Terra em março de 2016, terminando oficialmente a missão do laboratório espacial. Mas a China não ficará sem sua base no espaço, afinal, seu sucessor acaba de ser lançado.

Tiangong-2

No dia 15 de setembro, o laboratório espacial Tiangong-2 foi lançada no topo de um foguete Longa Marcha 2F, no Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan, noroeste da China.


Lançamento da Tiangong-2 a bordo do foguete Longa Marcha 2F. Créditos: Administração Espacial Nacional da China / divulgação

Dois taikonautas (palavra oriental que significa astronauta) estão programados para visitar o sucessor de Tiangong-1, e deverão permanecer ao menos 30 dias no novo protótipo de estação espacial chinesa.

A China não faz parte do consórcio multinacional, liderado pelos Estados Unidos e Rússia, que opera a Estação Espacial Internacional (de 400 toneladas), e isso explica os rios de dinheiro que estão sendo investidos no programa espacial chinês.

Em 2013 a China teve seu próprio rover enviado à Lua, o Yutu, e pretende ainda colocar seu primeiro taikonauta na superfície lunar. Em abril, a China revelou que pretende lançar uma sonda que orbitará o planeta Marte, e em seguida, lançará um pousador que estudará sua superfície, o que deve acontecer em meados de 2020. Até 2022, a China pretende que sua Estação Espacial esteja em pleno funcionamento, orbitando a Terra com sua própria tripulação. Parece que os chineses, mais do que nunca, estão entrando de cabeça na exploração espacial...


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...