domingo, 4 de setembro de 2016

A Terra evitou por um triz uma colisão com um asteróide perigoso


Um asteróide de 35 metros de comprimento passou extraordinariamente perto da Terra, mas os cientistas detectaram apenas no último momento.

A 27 de agosto cientistas do Centro de Planetas Menores, uma instituição norte-americana responsável por recolher observações de asteróides e cometas, descobriu um asteróide que chamou 2016 QA2 , informa o portal 'Science Alert' .

Este asteróide entre 16 e 42 metros de comprimento fez a sua aproximação à Terra no dia seguinte, domingo, 28 de agosto, quando ficou a 0,22 distâncias lunares a partir da superfície do nosso planeta (uma distância lunar equivalente a 384.400 quilómetros).

Vários meios de comunicação no momento previram que o asteróide ameaçava a Terra, mas, na verdade, a uma distância de 100.000 km é considerado seguro pelos cientistas. No entanto, há outro aspecto que chama a atenção: por que um objecto celeste relativamente grande estava prestes a escapar da vista dos astrónomos?

A NASA estima que mais de 90% dos objectos próximos da Terra (NEO sigla em Inglês) com mais de um quilómetro de diâmetro já foram descobertos. Mas até agora apenas foram detectados 30% dos NEO de 160 metros e 1% de NEO de 30 metros de diâmetro.

O facto é que estas rochas espaciais são pequenas demais para ser detectadas que se encontrem a certa distância, mas são grandes o suficiente para causar danos em caso de impacto. O 2016 QA2 tem uma órbita elíptica incomum que faz que passe mais tempo nas regiões planetárias de Mercúrio, Vénus e Marte, por isso é pouco visível da Terra.

fonte: RT