domingo, 18 de setembro de 2016

Astrónomos descobrem buraco negro que arrasta uma galáxia para a escuridão


Uma equipa internacional de astrónomos descobriu um buraco negro supermassivo no centro de uma galáxia distante que não tem combustível suficiente para se alimentar e fazer a galáxia brilhar, pelo que a está a arrastar rumo à escuridão, indicou hoje o Observatório Europeu do Sul (ESO).

Muitas galáxias contam com um núcleo extremamente brilhante alimentado por um buraco negro supermassivo que geram «galáxias ativas», que libertam grandes quantidades de energia e matéria no meio interestelar.

Através da utilização do telescópio espacial Hubble, do telescópio de longo alcance (VLT) e do observatório de raios-x Chandra, da NASA, foi revelada a surpreendente transformação na emissão de luz da galáxia ativa Markarian 1018.

Algumas galáxias mudam drasticamente ao longo de uma década, no entanto, a Markarian 1018 destacou-se por ter mudado uma segunda vez, voltando para a sua classificação inicial nos últimos cinco anos.

«Ficamos surpresos ao ver uma mudança tão drástica e tão pouco comum na Markarian 1018», afirmou em comunicado Rebecca McElroy, autora principal do artigo que revela a descoberta.

O motivo para que Markarian 1018 tivesse o brilho modificado tão fortemente é porque o buraco negro estava a desvanecer-se lentamente por estar «a ser privado de material para a sua acreção», ou seja, não podia crescer através da adição de matéria.

Esta descoberta foi conseguido pela pesquisa CARS (Close AGN Reference Survey), um projeto de colaboração entre o ESO e outras organizações para reunir informação sobre 40 galáxias próximas com núcleos ativos.