sexta-feira, 3 de julho de 2015

Primeira nave chega a Plutão: homem nunca foi tão longe


Fotografia © NASA

Na reta final da sua viagem de nove anos, a sonda New Horizons está a postos para poder mostrar a superfície do antigo nono planeta do sistema solar como nunca antes se viu.

Plutão, o último planeta - agora, na verdade, um planeta-anão - que faltava visitar desde que as naves terrestres andam pelo sistema solar, está a pouco mais de uma semana de um encontro imediato com a New Horizons, da NASA. Em terra, os controladores de voo revezam-se para alguma alteração de última hora, não vá surgir um pedregulho inesperado no caminho da nave. Até amanhã ainda é possível uma correção de rumo. Depois a nave está por sua conta até dia 14 deste mês.

É para esse dia que está marcado o encontro, quando a sonda fizer a maior aproximação à superfície de Plutão, a 13 695 quilómetros de distância. A partir dessa altitude, os poderosos instrumentos que a nave leva a bordo conseguem detalhar estruturas e perfis geológicos e poderiam até "detetar campos de futebol, com relvado e tudo, ou autoestradas, se eles ali existissem", garante Alan Stern, cientista principal da missão.

O mais certo é que não haja campos de futebol nem autoestradas em Plutão, mas os cientistas da missão New Horizons esperam ver bem o solo do planeta-anão e também o das suas luas, a um pormenor nunca antes observado naqueles pequenos mundos na fronteira do sistema solar.

Até lá, ainda faltam 11 dias desta viagem que foi iniciada em janeiro de 2006, quando Plutão ainda era um planeta de corpo inteiro - o nono do sistema solar.