sábado, 1 de fevereiro de 2014

Stephen Hawking rejeita a ideia de buracos negros


O reputado astrofísico é um defensor da teoria quântica que entra em conflito com o conceito de buracos negros. Para Hawking, os buracos negros não existem. 

Stephen Hawking publicou um estudo online durante a semana passada onde explica a sua análise. «Não há escapatória de um buraco negro, segundo a teoria clássica (…) A teoria quântica, no entanto, fornece energia e informação para escaparmos de um buraco negro». Hawking propõe a figura de um horizonte aparente, que puxa a matéria para si mesmo e eventualmente se divide em formas distintas, noticia aPopular Science.


Segundo Hawking, não é provável que se consiga prever a forma desta matéria. Ou melhor, fazê-lo seria como tentar prever o tempo: possível, mas muito difícil.

Esta solução de Hawking parece configurar uma solução para o que ficou conhecido como o paradoxo do buraco negro, que anda a ocupar as mentes de físicos há dois anos. Segundo a teoria clássica, se um astronauta caísse num buraco negro, passaria pelo horizonte e seria puxado gradualmente para dentro, sendo eventualmente esmagado pela singularidade. A teoria quântica, no entanto, diz que o horizonte acabaria por “fritar” o astronauta.

A abordagem de Hawking explica que há um horizonte aparente e que os buracos negros, no sentido de regimes de onde a luz não pode escapar, não existem.