domingo, 9 de fevereiro de 2014

Genética lança luz sobre história dos pigmeus


Pigmeus Mbuti

Cientistas conseguiram preencher uma lacuna na História dos pigmeus da África Central, cujo passado é um dos mais obscuros de todas as comunidades no mundo.

Segundo uma análise genética, num período-chave da odisseia humana, estas tribos de caçadores recoletores evitaram a miscigenação com comunidades falantes de Bantu, composta por fazendeiros precoces.

Os dois grupos se encontraram pela primeira vez quando grupos Bantu, que adquiriram tecnologia agrícola 5.000 anos atrás, começaram a se mudar da região da Nigéria e de Camarões para o leste, o centro e o sul da África oriental.

A maioria de outros caçadores-recoletores que encontraram logo adotaram o estilo de vida agrícola, sedentário, e até mesmo os idiomas dos grupos Bantu.

Mas algumas poucas populações, como os pigmeus da floresta tropical na África central mantiveram seu estilo de vida tradicional e nómada.

Os pigmeus podem ter comercializado cerâmica, ferramentas e ideias com os recém-chegados, mas não partilharam com eles seus genes, destacou o estudo, publicado esta semana no periódico Nature Communications.

A evidência veio de uma leitura do ADN de cerca de 300 indivíduos - pigmeus e falantes de Bantu de Gabão, Camarões, Uganda, República Centro-africana e República Democrática do Congo.

"Este resultado sugere que as relações sociais estabelecidas desde que os dois grupos se encontraram rapidamente foram seguidas de um forte tabu contra o casamento inter-racial que, de alguma forma, ainda se observou atualmente", declarou à AFP o co-autor do estudo, Etienne Patin, geneticista do Instituto Pasteur da França.

"Estudos antropológicos sugeriram que o tabu pode ter algo a ver com a imagem que os aldeões têm dos pigmeus como portadores de mágica florestal, mas também da desaprovação de seu estilo de vida" como caçadores-recoletores nómadas, acrescentou.

Não ficou claro porque o tabu parece ter sido parcialmente suspenso cerca de mil anos atrás.

O padrão observado na África central foi muito diferente daquele que ocorreu no sul do continente, onde os encontros com os fazendeiros conquistadores e os caçadores-recoletores San "resultaram em trocas genéticas imediatas", destacou o estudo.

Pesquisas anteriores tinham demonstrado que o ancestral comum dos pigmeus e dos fazendeiros Bantu viveram de 60.000 a 70.000 anos atrás.


Pigmeus Batwa

Os dois grupos passaram milhares de anos adaptando-se aos seus ambientes diferentes antes de se encontrar de novo.

As últimas descobertas desafiam o conhecimento aceito de que a diversidade genética está estreitamente correlacionada com a distância geográfica entre grupos humanos.

Os pigmeus da África central são um exemplo ilustrativo: há apenas cerca de 200 mil indivíduos no total, no entanto sua diversidade genética excede de longe o de seus vizinhos sedentários, destacou o estudo.

Os pigmeus Batwa, de Uganda, por exemplo, são geneticamente bem diferentes dos pigmeus Mbuti, que vivem a meros 500 km de distância, na República Democrática do Congo.

Os cientistas descobriram, mais adiante, que o genoma dos pigmeus poderia conter até 50% do ADN herdado de pessoas de origem Bantu.

E sua altura é diretamente proporcional à quantidade do ADN herdado por não-pigmeus - "geneticamente falando, quão menos pigmeu for um indivíduo, mais alto ele será", explicou Patin.

fonte: UOL