sábado, 16 de outubro de 2010

Descoberta estrela de neutrões com fonte secreta de energia Descoberta estrela de neutrões com fonte secreta de energia


Campo mangético interno pode causar emissão de radiação. Pulsar tem campo magnético fraco mas ainda assim produz explosões de raios gama

Grandes labaredas e explosões de energia - actividade que, acreditava-se, era exclusiva dos pulsares mais fortemente magnetizados - foram detectadas emanando de um pulsar fracamente magnetizado e de rotação lenta. A equipa de astrofísicos que fez a descoberta acredita que a fonte da potência desse pulsar pode estar oculta sob a superfície.

Pulsares, ou estrelas de neutrões, são os remanescentes de estrelas de grande massa. Embora tenham, em média, apenas 30 km de diâmetro, eles contam com campos magnéticos poderosos na superfície, milhares de milhões de vezes mais intensos que o do Sol.

O tipo mais intenso de pulsar tem campo magnético de superfície de 50 a 100 vezes maior que o normal e emite poderosas labaredas de raios gama e raios X. Astrónomos acreditam que o campo magnético desses astros, chamados magnetares, sejam a fonte fundamental de energia para explosões de raios gama.

Estudos teóricos indicam que o campo magnético interno dos magnetares é, de facto, ainda mais intenso que o da superfície, uma propriedade que pode deformar a crosta e propagar-se para fora. O decaimento do campo magnético leva à produção contínua de raios X, causada pelo aquecimento da crosta ou pela aceleração das partículas.

Uma pesquisa publicada na edição desta semana da revista Science sugere que a mesma fonte de energia pode funcionar também em pulsares mais fracos, que não atingem a intensidade de campo magnético de um magnetar.

As observações, feitas pelos telescópios de raios X Chandra e Swift, da estrela de neutrões SGR 0418, podem indicar a presença de um imenso campo magnético interno nesses pulsares aparentemente fracos.

"Descobrimos actividade do tipo magnetar num novo pulsar de campo magnético muito baixo", disse, por meio de nota, a investigadora Silvia Zane, do University College London, que é coautora da pesquisa.

Segundo ela, trata-se de uma descoberta sem precedentes, que levanta a questão de qual o mecanismo que gera a energia das explosões de radiação. "Também estamos interessados em que proporção da população de estrelas de neutrões normais e de baixo campo magnético da galáxia pode, em algum momento, acordar e manifestar-se como uma fonte de labaredas", acrescentou.

fonte: Estadão

Sem comentários:

Publicar um comentário