segunda-feira, 4 de maio de 2015

Você sabia que os tubarões possuem dois “pénis”?


Caso você não saiba, os tubarões, assim como outros peixes cartilaginosos — como as raias, por exemplo —, são dotados de um par de órgãos sexuais chamados clásper. Essas estruturas lembram tubos alongados e ficam localizadas próximo às nadadeiras pélvicas, e são usadas para liberar sêmen e auxiliar no processo de acasalamento. Mas, como, afinal, esses animais desenvolveram esses curiosos “pênis”?

Segundo Emily DeMarco do portal Science Mag, durante muito tempo se debateu a respeito da origem evolutiva dos clásperes e de sua necessidade. Pois agora, um estudo realizado por pesquisadores da Universidade da Flórida, nos EUA, apontou que essas estruturas se formam devido à ação prolongada a um gene conhecido como “Sonic hedgehog” — ou SHH —, nome que, como você deve ter deduzido, foi inspirado em um famoso personagem de videogame.

Sonic


Sonic hedgehog

Esse gene está presente em vários animais — incluindo os seres humanos —, e tem papel fundamental na organização do cérebro e na regulação do crescimento de falanges nas extremidades de membros, entre outras funções. O que os cientistas descobriram agora é que o SHHtambém promove o desenvolvimento de dois “pênis” em peixes cartilaginosos ao final da formação das nadadeiras pélvicas nos machos.


Clásperes da espécie Orectolobus maculatus

A descoberta ocorreu enquanto os pesquisadores conduziam experimentos com embriões de raias da espécie Leucoraja erinacea. Após comparar os fetos fêmeas e machos, os cientistas observaram que nos “meninos” o SHH permanecia ativo nas regiões nas quais os clásperes se formam por quatro semanas a mais do que nas “meninas”. Além disso, é claro que os pesquisadores fizeram experimentos inibindo e estimulando a ação desse gene nos embriões!

Troca-troca


Para comprovar que a exposição prolongada ao SHH era a responsável pelo surgimento dos “pênis”, os cientistas inibiram a ação do gene em machos, interferindo no aparecimento dos clásperes. Os pesquisadores também ativaram o gene em fêmeas, fazendo com que as coitadinhas desenvolvessem as estruturas sexuais masculinas. Eles também descobriram que o hormônio sexual androgênio era o responsável por prolongar a atividade do SHH nos machos.

De acordo com Emily, os cientistas acreditam que em determinado ponto da história evolutiva dos peixes cartilaginosos, esses animais desenvolveram um mecanismo para regular a forma como os hormônios afetam o surgimento de órgãos sexuais masculinos. No entanto, ninguém sabe ainda o motivo de os machos contarem com um par de “pênis”, já que apenas um deles é empregado durante o acasalamento.

Ainda assim, segundo explicaram, o mesmo mecanismo de ação do SHH poderia explicar a origem dos clásperes nos placodermos, grupo já extinto de peixes que são o exemplo mais antigo de que se tem notícia de vertebrados que introduziam espermatozoides nas fêmeas por meio de estruturas especialmente desenvolvidas para a cópula. Portanto, a descoberta poderia ajudar a explicar a evolução dos pênis em vertebrados de modo geral.

fonte: Megacurioso