terça-feira, 3 de março de 2015

Arqueólogos encontram mausoléu do "guardião do deus Amon" em Luxor


Fotografia © D.R.

O mausoléu que data da XVIII dinastia faraónica foi descoberto por arqueólogos norte-americanos na zona de Al-Qarna, a cerca de 600 quilómetros ao sul do cairo.

O mausoléu do chamado "guardião da porta do deus Amon", que data da XVIII dinastia faraónica (1554-1304 a.C.), foi descoberto na cidade de Luxor, anunciou hoje o ministro egípcio das Antiguidades, Mamduh al-Dmati.

A descoberta foi feita por arqueólogos norte-americanos que realizavam escavações na zona de Al-Qarna, em Luxor, cerca de 600 quilómetros a sul do Cairo.

O túmulo, que pertence a uma pessoa identificada como Amenhoteb, tem a forma da letra T e as paredes internas da cripta estão ornamentadas com relevos policromados que representam o falecido e a sua esposa em frente de uma mesa de oferendas.

Por sua parte, o diretor-geral de Antiguidades do Alto Egito, Sultan Aid, disse que a tumba foi danificada premeditadamente, durante a revolução religiosa que aconteceu durante o período do faraó Akenaton, concluiu o responsável egípcio.

Akenaton, conhecido também como Amenófis IV, foi um dos faraós mais importantes do Novo Império (1539-1075 a.C.), por ter sido o primeiro monarca a instituir o monoteísmo com o deus Aton.