sexta-feira, 2 de junho de 2017

Ondas gravitacionais previstas por Einstein detetadas pela terceira vez

Ondas foram detetadas, desta vez, a uma distância maior da Terra: três mil milhões de anos-luz

As ondas gravitacionais, deformações no espaço-tempo teorizadas por Albert Einstein, foram detetadas pela terceira vez em resultado, novamente, da colisão de dois buracos negros, mas a uma distância maior da Terra.

Os resultados da nova deteção, feita em 04 de janeiro pelo Observatório de Interferometria Laser de Ondas Gravitacionais (Laser Interferometer Gravitational Wave Observatory, LIGO, na sigla em inglês), são descritos num artigo que foi aceite para publicação na revista da especialidade Physical Review Letters, refere em comunicado o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos.

Segundo os astrónomos, trata-se das ondas gravitacionais mais distantes alguma vez detetadas, uma vez que os buracos negros que colidiram estavam a três mil milhões de anos-luz (nas primeira e segunda deteções de ondas gravitacionais, os buracos negros que chocaram estavam, respetivamente, a 1,3 e 1,4 mil milhões de anos-luz).

A fusão de dois buracos negros, que dá origem a um buraco negro muito maior, produz mais energia do que a que é emitida como luz por todas as estrelas e galáxias no Universo. Um buraco negro é uma região da qual nada, nem mesmo a luz, pode escapar, sendo por isso invisível.

As ondas gravitacionais, previstas há mais de 100 anos na Teoria da Relatividade Geral, do físico Albert Einstein, foram detetadas pelo LIGO pela primeira vez em setembro de 2015 e uma segunda vez em dezembro de 2015.

O LIGO é composto por dois detetores idênticos, que têm a forma de tubos com espelhos nas extremidades, situados a 3.000 quilómetros um do outro, nos Estados Unidos, sendo cooperados pelo MIT.

A equipa de investigadores que trabalha no LIGO admite como hipótese que os dois buracos negros que estão na origem da terceira deteção de ondas gravitacionais não estão alinhados, pelo que se terão juntado no centro de um denso aglomerado de estrelas.