segunda-feira, 6 de junho de 2016

Descoberto mistério da "cidade perdida" submersa



O local foi descoberto por mergulhadores e inicialmente pensou-se que seria uma antiga cidade portuária

Era tudo o que restava de uma antiga cidade grega: pátios e colunas submersos pelas águas do mar Jónico, perto da ilha de Zaquintos. Mas afinal são apenas formações geológicas naturais, concluiu uma investigação conjunta das universidades de Atenas, na Grécia, e East Anglia, no Reino Unido.

Segundo os investigadores, o local descoberto por mergulhadores surgiu naturalmente durante o Plistoceno, uma época geológica que começou há mais de dois milhões de anos e terminou há 11 mil.

"O local foi descoberto por mergulhadores e inicialmente pensou-se que seria uma antiga cidade portuária, perdida para o mar. Encontrou-se o que pareciam ser bases de colunas e chão pavimentado. Mas misteriosamente não havia outros sinais de vida, como cerâmicas", disse Julian Andrews, da Escola de Ciências Ambientais da Universidade de East Anglia.

A descoberta foi analisada ao pormenor pela unidade do ministério da Cultura grego dedicada à arqueologia subaquática e após as primeiras análises químicas e mineralógicas formou-se uma equipa conjunta das duas universidades já referidas. "Investigámos o local, que está a dois a cinco metros de profundidade, e encontrámos o que na realidade é um fenómeno geológico natural", explica Andrews.

A distribuição linear do que pareciam ser colunas "é provavelmente o resultado de uma falha" que não rompeu completamente a superfície do leito do mar, mas que permitia que gases, particularmente metano, escapassem das profundezas. Há micróbios que se alimentam do carbono que encontram no metano, mudando a composição química dos sedimentos e formando concreções.

O geólogo explica ainda que este tipo de fenómeno é raro em águas pouco profundas.