segunda-feira, 28 de setembro de 2015

"Mistério" revelado. Há água salgada em Marte


Nesta imagem divulgada pela NASA é possível ver, a preto, as linhas que se tratam de água corrente. [As cores não são as reais]


As linhas foram chamadas Linhas Recorrentes nas Encostas pelos cientistas, que as queriam estudar objetivamente, sem ideias pré-concebidas acerca do que se tratavam



É possível ver como as linhas percorrem as encostas íngremes nesta imagem de 2011. Agora sabe-se que se trata de água salgada

"Não é o planeta seco e árido que imaginávamos no passado". Descoberta aumenta as hipóteses de haver vida. Existência de água facilita exploração de Marte por astronautas.

Corre água líquida na superfície de Marte. A revelação é da NASA, a agência espacial norte-americana, que anunciou a descoberta esta segunda-feira numa conferência de imprensa. Ao jornal britânico The Guardian, porém, o líder do Programa de Exploração de Marte explica, antecipadamente, que há provas da presença de água em estado líquido no planeta vermelho, o que pode representar um ambiente favorável à existência de vida.

Michael Meyer, principal investigador na pesquisa sobre Marte, contou ao Guardian que a presença de água líquida, embora ainda se desconheça a sua origem, indica que seja "pelo menos possível ter um ambiente habitável atualmente" no planeta vizinho.

A água líquida corre pelos vales e crateras marcianos durante os meses de verão, explicam os cientistas. A equipa ainda não percebeu de onde vem essa água. Pode ter origem em depósitos subterrâneos de água salgada ou gelada que sobe à superfície nas alturas mais quentes, ou pode condensar a partir do vapor de água no ar. É possível ver os rastos deixados na superfície pelo fluxo da água nas fotografias tiradas por satélites em órbita.


A NASA divulgou esta simulação de como seria sobrevoar uma das colinas onde as linhas de água foram observadas. A água está representada a preto.

A descoberta de água em estado líquido no planeta Marte, o planeta mais próximo da Terra e aquele que é mais parecido com ela em temperatura, é um objetivo da ciência há décadas. Agora, os cientistas acreditam que esta descoberta aumenta as hipóteses de que exista vida em Marte. A existência de água também pode facilitar uma futura exploração de Marte por astronautas.

Desde 2011 que há suspeitas de que as linhas escuras visíveis nas imagens de satélite, que se formam, nos meses mais quentes do ano marciano, na superfície do planeta se deveriam a água corrente. Quando os cientistas da equipa de Lujendra Ojha, do Instituto de Tecnologia do estado norte-americano da Georgia, analisaram essas linhas com luz infravermelha, perceberam que existiam sais dissolvidos em água nas paredes dos vales onde as linhas surgiam - sais que não estavam presentes antes do aparecimento dessas linhas. A descoberta comprovava a presença de água corrente salgada nos meses quentes. É importante lembrar que a água pura em Marte é muito instável, tornando-se facilmente em vapor ou em gelo devido à baixa pressão atmosférica.

Conferência de imprensa em direto

A conferência da NASA, em que foi anunciada esta descoberta e os seus pormenores, decorreu entre as 16.30 e as 17.30, hora de Lisboa.

"Se recuarmos três mil milhões de anos e olharmos para Marte, Marte era muito diferente" do que é hoje, explicou Jim Green, diretor de ciência planetária da NASA e o primeiro orador a tomar a palavra, descrevendo que a atmosfera do planeta era mais rica, e existia um enorme oceano. "Mas Marte sofreu grandes alterações climáticas e perdeu a sua água de superfície".

Segue-se a grande revelação do "mistério" que a NASA promovia há semanas: "Marte não é o planeta seco e árido que imaginávamos no passado. Hoje anunciamos que, nalgumas circunstâncias, encontrámos água líquida em Marte", afirmou Jim Green.

Michael Meyer, líder do projeto da NASA de Exploração de Marte, explicou em seguida que as linhas escuras que é possível ver na superfície de Marte se tratam de água corrente - ribeiros que se formam na primavera, engrossam durante o verão e desaparecem com a chegada do outono. As temperaturas mais quentes permitem a formação dessas linhas de água corrente.

Inicialmente, porém, quando as linhas foram avistadas, os cientistas deram-lhes o nome de "Linhas Recorrentes nas Encostas" (RSL na sigla inglesa), para que o nome fosse apenas descritivo do aspeto das linhas e não contivesse nenhuma suposição acerca do que as causava, permitindo um estudo mais objetivo. O investigador principal da câmara de alta definição HiRISE, Alfred McEwen, participa na conferência ao telefone a partir de Nantes, em França, e explica que as linhas se formam quando Marte está mais perto do Sol. Marte tem uma órbita mais excêntrica do que a Terra, ou seja, a sua órbita ao redor do Sol tem um ponto mais próximo e um ponto mais longínquo do que o que acontece na Terra, gerando verões mais quentes e invernos mais frios.

Lujendra Ojha, identificado na conferência de imprensa como Luju, a sua alcunha, também fala a partir de Nantes. Ojha conta que a sua equipa estudou as linhas escuras em Marte através de uma técnica científica de análise da luz conhecida como espectroscopia. A espectroscopia permite analisar a composição química dos materiais através da "assinatura" que cada elemento químico deixa na luz que reflete, consoante as frequências de luz que absorve e as que reflete.

Recorrendo a essa técnica, a equipa de Ojha analisou as falésias onde se formavam as linhas antes de estas surgirem e durante o período em que estas são observáveis. Os cientistas conseguiram assim constatar a presença de água, através da assinatura química de certos sais que se encontram dissolvidos nela. Os sais hidratados só se encontravam presentes quando as linhas escuras apareciam, o que permitiu concluir que as linhas se tratavam de água corrente. Os sais dissolvidos na água permitem que esta se torne mais estável, mantendo-se em estado líquido mesmo apesar das variações de temperatura, algo que não acontece com a água pura.

Mary Beth Wilhelm, do centro de investigação de Ames, da NASA, acrescenta que a água líquida é um "ingrediente essencial para a vida". Ainda não se sabe quão habitável seria esta água para micróbios semelhantes aos da Terra: isso depende da sua temperatura e da concentração dos sais. A água descoberta será muito mais salgada do que os oceanos da Terra, podendo mesmo ter uma aparência mais semelhante à da terra húmida.

Wilhelm acrescenta que uma futura exploração humana de Marte seria facilitada pela presença de água líquida no planeta, pelo que é importante perceber melhor como se forma esta água líquida, seja por condensação do vapor do ar ou derretimento de reservas subterrâneas geladas, e saber qual a sua composição. Wilhelm explicou que os sais descobertos dissolvidos na água foram descobertos em várias partes diferentes do planeta.

Durante a sessão de perguntas e respostas com os jornalistas, o astronauta John Grunsfeld, também administrador de missões na NASA, mostrou-se otimista com a ideia de que a descoberta "deste tipo de recursos" pudesse ajudar a enviar astronautas para Marte. As colinas íngremes por onde a água escorre não são acessíveis aos módulos que a NASA tem no solo marciano, mas poderiam ser trepadas por astronautas, acrescenta Grunsfeld. John Grunsfeld anunciou no início da sessão que vestia a sua roupa de astronauta intencionalmente. "Nós vamos a Marte", declarou. Ao encerrar a conferência de imprensa, alertou: "Por favor mantenham-se atentos à ciência, porque a ciência nunca dorme. Estamos sempre a descobrir coisas novas".