segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Sonda Rosetta 'despertou' hoje para encontrar cometa


A sonda Rosetta Fotografia © Direitos reservados

A sonda Rosetta, projeto da ESA (Agência Espacial Europeia) para estudar o cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, acordou hoje de um longo período de hibernação e, a cerca de 673 milhões de quilómetros do Sol, as antenas começarão a emitir sinais para a Terra.

A sonda Rosetta, que se assemelha a uma grande caixa negra, pesa três toneladas e está equipada com duas placas solares que podem rodar 180 graus, para conseguir captar a máxima energia.O engenho foi lançado no espaço há nove anos. Em setembro de 2008, passou a pouco mais de 800 quilómetros de distância do asteroide Steins e, em julho de 2010, esteve a 3 162 quilómetros do asteroide Lutetia. Em 2011, a sonda passou a estar como que "adormecida" e despertou agora para cumprir o seu objetivo.

Este será o primeiro passo de uma missão espacial que deverá prolongar-se até ao próximo ano. Em novembro, a sonda espacial Rosetta tentará aterrar, pela primeira vez, num cometa, para realizar análises às poeiras e gelo. Segundo o chefe da missão, Paolo Ferri, trata-se de uma meta difícil, uma vez que o movimento dos cometas é pouco previsível.

A finalidade da missão, que durará até dezembro de 2015, é estudar com profundidade o cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, que deve o seu nome a dois astrónomos ucranianos que o descobriram, em 1969. O cometa aproxima-se da órbita do Sol a cada 6,6 anos, mas continua a ser um mistério. De acordo com os cientistas, o estudo da composição dos cometas serve para compreender melhor a origem e a evolução do Sistema Solar. Além disso, têm matéria orgânica, pelo que o seu estudo pode fornecer pistas sobre a formação da vida.