segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Autarquia exige contrapartidas por retirada de fósseis em Porto de Mós


Fósseis, como ouriços-do-mar, foram retirados pelo ICNF por indicação do Laboratório Nacional de Engenharia e Geologia DR

Instituto de Conservação da Natureza e Florestas retirou os vestígios da praia jurássica encontrados numa antiga pedreira, para um estudo mais aprofundado.

A Junta Freguesia de São Bento, concelho de Porto de Mós (distrito de Leiria), onde foram descobertos vestígios de uma praia jurássica, reclama contrapartidas do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), que autorizou a retirada de fósseis do local.

"A junta não admite que esvaziem a freguesia do seu património sem que seja criada uma contrapartida válida. Se os fósseis aqui encontrados são importantes e merecem ser estudados e guardados em locais acessíveis aos investigadores, o local de onde são provenientes também deve ser valorizado", lê-se num comunicado emitido pela junta, citado pela Lusa.

Os fósseis foram encontrados há alguns meses numa zona de maciço calcário na antiga Pedreira da Ladeira, naquela freguesia, em pleno Parque Natural da Serra de Aire e Candeeiros. Perto de 60 fósseis de equinodermes como ouriços-do-mar, estrelas-do-mar e lírios-do-mar, bem como do rasto de ondas e de animais marinhos, que terão cerca de 170 milhões de anos.

O ICNF autorizou a remoção destes fósseis por solicitação do Laboratório Nacional de Energia e Geologia, justificando a decisão com a necessidade de os salvaguardar da acção humana e meteorológica, dado que podem constituir, do ponto de vista científico, "exemplares-tipo", isto é, exemplares importantes na definição de uma nova espécie ou no "muito melhor" conhecimento das espécies existentes.

Os presidentes da Junta de São Bento e da Câmara de Porto de Mós expressaram "indignação", acusando o instituto de ter agido "à revelia", o que este negou. Desde que a descoberta foi divulgada na comunicação social, o local tem sido visitado por dezenas de pessoas, sobretudo aos fins-de-semana, pelo que os autarcas acreditam que este achado pode ser uma mais-valia para a economia da região.

No comunicado da junta, citado pela Lusa, esta apela a que os locais onde estavam os fósseis sejam "preenchidos por réplicas fiéis aos originais", por "respeito pelo local e pela população". Pede também uma intervenção "para potenciar turisticamente a praia jurássica". A junta sugere, ainda, a melhoria das vias de comunicação e a instalação de sinalética, a criação de circuitos de observação dos fósseis no interior da antiga pedreira e a instalação de painéis explicativos.

Apesar de estar indignada pela forma como decorreu a retirada dos fósseis, a junta de freguesia compreende que os vestígios paleontológicos "merecem o estudo de vários especialistas" e admite mesmo que, "para o estudo ser acreditado, seja necessário recolher os fósseis do local de origem". Contudo, o executivo realça não ser "fácil explicar à população" esta situação, que se agrava porque o "local foi esventrado, deixando um vazio para os observadores e um cenário de destruição", acrescentando temer que "possa contribuir para o aparecimento de comportamentos" que coloquem em risco o património, "nomeadamente através da recolha furtiva de fósseis que ainda permanecem no local".

Esta semana, o ICNF assegurou que "há todo o interesse em que as réplicas destes fósseis fiquem disponíveis e expostas num espaço que a câmara considere adequado para o efeito", considerando "igualmente relevante" a promoção de parceria com a câmara e a junta "visando a requalificação e musealização do local, no âmbito de um projecto de conservação, valorização e divulgação deste património paleontológico".

O presidente da junta, Luís Cordeiro, disse à Lusa que espera "quanto antes" a execução deste projecto, para evitar o eventual risco de se perder património, manifestando o desejo de que esta seja uma "prioridade" do ICNF.

fonte: Público