quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

A Rússia está pronta para o Apocalipse


Segundo as últimas pesquisas, cerca de 12% dos russos acreditam seriamente no fim do mundo, que supostamente será nesta sexta-feira.

Em algumas regiões, sobretudo na Sibéria e no Extremo Oriente, as pessoas começaram a se preparar minuciosamente, fazendo reservas de artigos de primeira necessidade. 

Por exemplo, em Tomsk foi posto à venda o chamado “kit para o fim do mundo” composto de um pacote de trigo sarraceno (utilizado como o arroz), latas de conservas de carne ou de peixe, dependendo do gosto de cada um, velas e fósforos, caneta e bloco de notas, iodo e aspirina, sabão e, naturalmente, vodka... A propósito, esse conjunto goza de enorme popularidade.

A psicóloga Irina Lukianova ajudou a Voz da Rússia a entender as causas desta histeria coletiva:

“A grande atenção que está a ser prestada à data de 21 de dezembro tem a ver com uma tomada de consciência da própria efemeridade, da compreensão de que não somos imortais. Nós ficamos face a face com nossos medos e nos deparamos com importantes questões existenciais. O que vem depois da morte? O que deixamos depois de nós? O que se pode deixar se tudo acabar? Para quê continuar a fazer as coisas habituais, ir trabalhar, provar alguma coisa a alguém se, como resultado, não haverá mais o mundo?”

Esta é a pedra angular de toda a histeria em torno do Apocalipse: a crise do sentido da vida que, com interpretação inadequada, pode se transformar em psicose em massa e pânico geral e, em caso de um indivíduo isolado, levar a um estado de inquietação depressiva, perda da vontade de viver.

Em diferentes pessoas, a sensação de aproximação do Apocalipse pode causar reações diametralmente opostas. 

Uns se apressam a saldar os créditos nos bancos, a devolver o que, durante muito tempo, se haviam esquecido, pedir perdão aos parentes e amigos por todos os erros e, em alguns casos, até mesmo ir à igreja para se confessar.

Outros, ao contrário, apressam-se a tirar da vida tudo o que ainda conseguem. Em muitos bancos russos foi assinalado um aumento considerável da concessão de créditos, para fins de consumo, em dezembro. 

As pessoas procuram abarcar o inabarcável: partem em viagens caríssimas, que não estão ao seu alcance, saltam de paraquedas, começam a fazer coisas que antes não tinham coragem de fazer. Irina Lukianova acrescenta:

“Existe também um terceiro grupo. Grande parte de nossos compatriotas pertence justamente a esse. São os combatentes, pessoas dispostas a resistir ao “apocalipse” e, desse modo, provar que estão dispostas a lutar com o “fim do mundo” até o fim.”

Parece verdade, sobretudo se considerarmos que nos últimos meses surgiram numerosas empresas dispostas a ajudar os “combatentes sedentos de vencer” os tempos futuros.

Haverá fim do mundo ou não, sexta-feira mostrará. Até então, amigos, vamos acompanhar com atenção o desenrolar dos acontecimentos no mundo e preparar os presentes de Ano Novo.


Sem comentários:

Publicar um comentário