sábado, 5 de agosto de 2017

Princesa é encontrada com cabelo e pestanas 900 anos depois de ser enterrada














Princesa é encontrada 900 anos depois com cabelo e pestanas

Novecentos anos depois, o corpo de uma alegada "princesa polar" foi encontrado perto do Círculo Ártico. As suas longas pestanas e os cabelos estavam perfeitamente conservados, bem como a dentição. 

A múmia estava coberta por cobre e peles, que os investigadores acreditam ter sido uma forma de protecção. Depois de ser desembrulhada pelos cientistas, estes chegaram à conclusão que se tratava de uma ‘princesa’ do século XII. 

Com cerca de 35 anos, era a única mulher enterrada, ao lado de quase três dúzias de homens. Contudo, são os detalhes do seu rosto que parecem impressionar os investigadores. 

A múmia foi descoberta pelos arqueólogos num cemitério em Zeleny Yar, perto de Salekhard, na Rússia, segundo o The Siberian Times. 

Segundo consta, a mulher comandava uma misteriosa civilização medieval de caça e pesca que dominava a região polar. 

Os investigadores acreditam que se tratava de um membro elitista da sua sociedade, muito por causa dos vários anéis que encontraram perto do crânio. De facto, enquanto a cabeça está bem preservada, o resto do corpo não. 

O arqueólogo Alexander Gusev, do Centro de Pesquisa Ártica da Rússia, afirmou que "nós vimos claramente no rosto que se tratava de uma mulher". Em declarações ao Daily Mail, Alexander diz ainda que isso "altera radicalmente o conceito que tínhamos sobre este cemitério". "Pensávamos que só existiam apenas homens e filhos adultos (…) nunca tínhamos encontrado uma mulher", diz. 

Uma análise detalhada sobre os restos do corpo será realizada por cientistas russos e sul-coreanos na tentativa de entender mais sobre a vida desta sociedade medieval. 

Esperam também conseguir reconstruir o rosto da alegada princesa.