sexta-feira, 15 de maio de 2015

Foto de família. NASA consegue imagem das cinco luas de Plutão


A imagem divulgada pela NASA mostra a imagem original, a retocada - para que se perceba melhor - e os órbitas das luasFotografia © NASA

A sonda New Horizons continua a aproximar-se do planeta anão. Pela primeira vez, a NASA conseguiu fotografar os cinco satélites conhecidos de Plutão.

É a foto da família completa de Plutão, diz a NASA, ou pelo menos as imagens dos membros da família que se conhecem do planeta anão. A sonda New Horizons fotografou pela primeira vez Cérbero e Estige, as mais pequenas - e menos visíveis - luas de Plutão.

Depois de ter detetado, em julho de 2013, Caronte, o satélite maior de Plutão, seguiram-se as fotos de Hidra e Nix, em julho de 2014 e janeiro de 2015. Agora, com as imagens de Cérbero e Estige, a sonda da agência espacial americana conseguiu "retratos" de todos os satélites conhecidos de Plutão, continuando a aprofundar a sua missão de revelar todos os mistérios do longínquo planeta anão.

"A New Horizons está no limiar da descoberta", sublinhou o cientista John Spencer, em comunicado divulgado pela NASA. "Se a sonda observar alguma lua adicional à medida que se aproxima de Plutão, serão mundos que ninguém viu antes".

As luas de Cérbero e Estige foram descobertas em 2011 e 2012, respetivamente, pela equipa responsável pela New Horizons, utilizando o telescópio Hubble. Estige, que completa uma órbita de 20 dias em torno de Plutão, está entre Caronte e Nix, tendo aproximadamente entre sete a 21 quilómetros de diâmetro. Cérbero, que orbita Plutão entre Nix e Hidra, completando uma volta a Plutão em 32 dias, tem entre dez e 30 quilómetros de diâmetro.

As imagens de Cérbero e Estige foram recolhidas com a câmara mais sensível e sofisticada da sonda, a Long Range Reconnaissance Imager (LORRI), entre os dias 25 de abril e 1 de maio.

A New Horizons vai dedicar-se agora, até ao final deste mês, a pesquisar outras luas que possam existir na órbita do planeta anão. Os cientistas querem garantir que nenhum objeto desconhecido nas proximidades de Plutão coloca em risco o percurso da sonda, à medida que esta se desloca até ao ponto mais próximo do planeta, que será atingido no próximo mês de julho.