quarta-feira, 6 de maio de 2015

SpaceX testa sistema para salvar tripulação de foguetão em caso de desastre


Fotografia © REUTERS / Scott Audette

O mecanismo de segurança inovador vai ser testado pela primeira vez esta quarta-feira.

A empresa aeroespacial SpaceX vai testar esta quarta-feira um novo mecanismo de segurança para a cápsula Dragon, que poderá ser usada no futuro para viagens tripuladas ao espaço. A cápsula está preparada para se separar de um foguetão em caso de emergência.

O lançamento da cápsula Dragon, que deverá ser integrada no modelo do foguetão Falcon 9 da SpaceX, vai ter lugar esta quarta-feira a partir das instalações da NASA, a agência espacial norte-americana, no Cabo Canaveral, no estado da Florida. A cápsula vai ser experimentada usando um boneco de teste e sem o foguetão Falcon 9.

O sistema é inovador relativamente ao usado pela NASA há vários anos visto que funciona mesmo quando a nave já descolou há algum tempo. A cápsula Dragon para a tripulação tem oito foguetes que podem ser ativados em caso de emergência para a separar do Falcon 9, sendo depois ativado um conjunto de paraquedas. "A Crew Dragon vai ter capacidade de ejeção desde o local do lançamento até estar em órbita", afirma a empresa.

A cápsula vai descolar do Cabo Canaveral, ocupada apenas por um boneco de teste, e vai chegar a mais de um quilómetro de altitude antes de ativar o seu paraquedas e cair no Atlântico. Com o teste, a SpaceX quer certificar-se de que a Crew Dragon funciona como esperado e é segura para ser usada por uma tripulação no futuro. A SpaceX ainda não realizou nenhum teste tripulado.

"Foi para isso que a SpaceX foi fundada, viagens espaciais tripuladas", contou aos jornalistas o vice-diretor da empresa, Hans Koenigsmann, citado pelo jornal The Guardian. "O que quer que aconteça ao Falcon 9, vai ser possível retirar os astronautas e fazê-los aterrar com segurança. Na minha opinião, isso torna-o no veículo mais seguro que se pode pilotar".

A NASA pedira à SpaceX e à Boeing, suas empresas parceiras, que desenvolvessem mecanismos de segurança para ajudar a evitar erros como os cometidos pela NASA no passado que resultarem em desastres como o do vaivém Challenger, que se desintegrou em 1986, ou o do vaivém Columbia, que se desfez ao reentrar na atmosfera em 2003. Cada um dos desastres resultou na morte de sete pessoas.