sábado, 28 de fevereiro de 2015

Encontrados no Peru fósseis de crocodilos com 13 milhões de anos






Modelo de um Gnatusuchus pebasensis, um crocodilo que viveu há 13 milhões de anos nas selvas do Peru

Uma equipa internacional de paleontólogos descobriu na selva peruana fósseis de sete espécies de crocodilos que se alimentavam de moluscos e que têm 13 milhões de anos.

"Encontramos num só lugar os restos fósseis de sete espécies de crocodilos com 13 milhões de anos, isto é algo único para a ciência paleontológica", informou à AFP Rodolfo Slas-Gismondi, encarregado do Departamento de Paleontologia de Vertebrados do Museu de História Natural da peruana Universidade San Marcos.

"Esses crocodilos são totalmente novos para a ciência porque não se sabia que havia crocodilos que se alimentavam de moluscos", sustentou o estudioso que lidera desde 2002 uma equipa de paleontólogos peruanos, americanos e franceses na região de Loreto, no nordeste do Peru.

Num telefonema feito da Flórida, nos Estados Unidos, Salas-Gismondi manifestou que entre as espécies encontradas destaca-se um crocodilo de nariz pequeno que utilizava sua mandíbula achatada para caçar os moluscos em lamaçais da Amazónia.

"Este crocodilo com dois metros de altura tinha o focinho muito curto e a mandíbula muito forte", afirmou o paleontólogo, ao comentar que os crânios e as mandíbulas dos animais encontrados foram indispensáveis para serem identificados.

A descoberta ocorreu recentemente em um sítio paleontológico de 20 metros quadrados em duas localidades da cidade de Anchiyacu perto das bacias dos rios Amazonas, Itaya e Momón, na região de Loreto, fronteiriça com o Equador. A pesquisa foi publicada recentemente na revista Proceedings B da Royal Society.

Os estudiosos tiveram que esperar os meses de julho e agosto, quando o nível dos rios baixam quase dez metros, para poderem fazer suas pesquisas. Nesse momento, entraram nas partes rochosas que se formam ao lado dos rios onde foram localizados os fósseis.

"O interessante deste estudo é que identificamos uma etapa na história da Amazónia, na qual os membros dessa comunidade alimentícia das zonas tropicais eram crocodilos que se alimentavam de moluscos", afirmou Salas.

"Há milhares de anos a Amazónia não era como é agora, o ambiente era diferente, com pântanos e lagos. A floresta estava fragmentada por lagos, todo este ecossistema desapareceu quando o rio Amazonas apareceu", explicou.

Em 2011, outra expedição de paleontólogos peruanos liderados por Klaus Honninger e austríacos foram descobertos na região de Loreto os restos fossilizados de um crocodilo gigante com idade de 20 milhões de anos.

fonte: BOL