quarta-feira, 15 de junho de 2011

Fomos caçar fantasmas...


O rosto de Mário Lemos, 18 anos, altera-se. “Cheirou-me a perfume, a rosas”, diz o rapaz, cabisbaixo, encostado a uma parede. Não há nada ali, excepto um labirinto de corredores escuros, cubículos com azulejos a cair, paredes descarnadas. Sombras há por todo o lado, criadas pela lua cheia que avermelha a neblina.

O grupo de investigação paranormal, disperso pelos corredores do sanatório de Mont’alto (ou sanatório de Valongo), reagrupa-se em frente ao seu elemento mais jovem. Mário diz sentir um odor floral. Depois frio. E por fim uma súbita tristeza. “Ela estava muito triste... alguma coisa lhe aconteceu”, conta aos outros.

Não viu nenhum vulto, mas pelo cheiro sabe que se trata de uma mulher – e do bem. “Se tivesse outro género de odor, como enxofre, não seria bom, poderia ser um espírito negro”.

Antes, nessa noite, o operador de câmara da SÁBADO apercebeu-se, pelo microfone, de que do lado oposto, Joaquim Coelho, outro investigador de fenómenos paranormais, sentiu qualquer coisa.

“Tive uma sensação esquisita, senti-me muito mal disposto, com vontade de vomitar e a cabeça a estourar. Como não vi nada, pedi para tirarem fotografias, talvez se capte alguma coisa”. A má disposição mantém-se por algum tempo: “Não consigo estar aqui, desculpem”.

A investigação parte para os pisos superiores, onde funcionaram as enfermarias do sanatório onde morreram dezenas de pessoas, vítimas de tuberculose e silicose, sobretudo mineiros da região.

fonte: SÁBADO

Sem comentários:

Publicar um comentário