sábado, 18 de junho de 2011

Astérix está recheado de traumatismos e lesões


Nas histórias de banda desenhada protagonizadas pela personagem Astérix foram identificados mais de 700 casos de traumatismos e lesões cerebrais, segundo um estudo conduzido por investigadores da Universidade Heinrich Heine, na Alemanha.

O estudo, citado pelo jornal britânico "The Guardian", foi revelado numa publicação europeia de neurocirurgia, a Acta Neurochirurgica. Os investigadores analisaram em detalhe os álbuns de banda desenhada criados por René Goscinny e Albert Uderzo e identificaram 704 vítimas de lesões cerebrais, fruto das lutas entre os habitantes de uma irredutível aldeia gaulesa e os soldados do império romano. Das 704 vítimas, 63,9 por cento são romanos e não houve armadura militar que os defendesse da força dos gauleses, encabeçados por Astérix e o grande amigo Obélix, ajudados por uma poção mágica feita pelo druida Panoramix. Entre os feridos estão ainda 59 bandidos e piratas, oito vikings e quatro extra-terrestres.

De acordo com o estudo, os romanos apenas feriram 32 gauleses no conjunto das histórias de Astérix. Os investigadores vão mais longe nesta análise à banda desenhada e referem que a poção mágica de Panoramix, feita com visco - e que dá super-poderes aos gauleses - poderá ter efeitos nos tumores cerebrais, embora não tenham acrescentado mais informações. Apesar de todos os traumatismos, retratados nas histórias com valentes cenas de pancadaria, com militares romanos a voarem vários metros com um simples soco de Astérix e Obelix, ou a serem atingidos por menires, não há registo de mortes e danos irreversíveis na saúde das personagens, Por Toutatis!

Astérix apareceu pela primeira vez em Portugal há 50 anos, nas páginas da revista Foguetão, no dia 04 de maio de 1961. Além de Astérix e Obélix, entre as personagens que povoam o imaginário criado por Uderzo e Goscinny contam-se ainda o druída Panoramix, o bardo Cacofonix ou o pequeno cão Ideiafix. A parceria entre Goschinny e Uderzo durou até 1977, quando morreu o argumentista. Uderzo decidiu continuar as histórias de BD assumindo a escrita e o desenho, mantendo na capa o nome do parceiro de sempre nesta aventura literária.

Actualmente, Astérix ainda é uma das personagens de banda desenhada de maior sucesso com mais de 300 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo e disponíveis em mais de uma centena de línguas e dialectos, incluindo o mirandês. Em Portugal, a editora ASA tem sido nos últimos anos a responsável pela publicação das histórias de Astérix, tendo procedido à reimpressão de 22 álbuns e a edição de novos títulos.

fonte: DN / The Guardian

Sem comentários:

Publicar um comentário