quarta-feira, 19 de julho de 2017

Cristóvão Colombo era português? ADN de familiar do corsário de 500 anos, daria a resposta


A teoria que aponta a origem genovesa do descobridor da América é novamente posta em causa, desta vez com "mais de 50 testes."

Houve muitas origens que têm sido atribuídos a Cristóvão Colombo - mallorquín, Catalão, Inglês, Norueguês, Croata e Português, entre outros, e o facto de que seu próprio filho, Hernando Colón não revelou na biografia que escreveu em que não fez nada, mas ampliou a aura do mistério.

Agora, um grupo de investigadores da Universidade de Coimbra e do Instituto Superior Técnico (IST) vai testar a teoria de que sugere que o descobridor da América na verdade nasceu em Portugal através de uma amostra de ADN de 500 anos , relata a EFE .

Um corsário Português com outro nome?

Esta hipótese foi formulada por Fernando Branco, o IST, no seu livro Cristóvão Colombo, Nobel Português' publicado em 2012-, que inclui mais de cinquenta coincidências entre a vida do Almirante do Mar Oceano e Pedro Ataíde como ele conheceu um Português corsário do século XV.

Segundo a tese de Branco, Pedro Ataide foi dado como morto na batalha naval de Cabo de São Vicente em 1473, onde lutou com um corsário francês chamado Culon - e depois salvos e cheguem a nadar até à costa do Algarve, decidiu mudar seu nome Pedro Colombo (ou Culon) para a segurança (sua família foi perseguida em Portugal por participar de uma conspiração para matar o rei João II).

"Há um conjunto de evidências que sugerem que seu nome verdadeiro era Pedro Colón. Eu nunca escrevi seu nome como Cristóvão Colón . Ele assinou como um almirante ou uma assinatura criptografada em que pode ler várias coisas, incluindo 'Pedro Colón'" disse Branco.

É por isso que os pesquisadores irão testar se Colombo era realmente Pedro Ataíde por análise do ADN dos ossos do primo directo do corsário Português, em seguida, compará-lo com o ADN de seu filho Hernando (já sequenciado em 2006 em Espanha). No entanto, este processo só vai ser possível se os ossos de Ataíde primo estiverem em boas condições, e este número é desconhecido porque a sua sepultura nunca foi aberta. Espera-se que as autoridades portuguesas autorizem após o verão.