sexta-feira, 7 de julho de 2017

Foto sugere nova teoria sobre o misterioso desaparecimento de Amelia Earhart



Amelia Earhart desapareceu em 1937 no Oceano Pacífico quanto tentava circum-navegar a Terra de avião. Os destroços da aeronave nunca foram encontrados e a suspeita de que Earhart pudesse ter sobrevivido à queda sempre existiu. Uma "nova" fotografia promete comprovar isso mesmo.

No dia 2 de julho de 1937, a piloto norte-americana Amelia Earhart desapareceu no seu avião, juntamente com o navegador Fred Noonan, no Oceano Pacifico, sem deixar rasto, quando tentava circum-navegar a terra. Apesar de inúmeras tentativas, o corpo da piloto e do seu navegador, assim como a aeronave em que seguiam, nunca foram encontrados.


A última comunicação que Earhart fez para terra antes de desaparecer sugeria que estivesse a ficar sem combustível e que isso terá desencadeado um acidente mortal para os tripulantes. Essa foi, desde sempre, a justificação aceite pela maioria dos especialistas para o seu desaparecimento.

No entanto, o fato de nunca terem sido encontrados quaisquer vestígios do acidente levantou uma série de teorias alternativas para o caso.

Segundo o Canal História, uma nova fotografia, encontrada nos arquivos do Governo dos EUA, sugere que Earhart terá sido capturada pelas forças militares japonesas, na altura em guerra com os EUA, depois ter aterrado no mar, morrendo nas Ilhas Marshall como prisioneira de guerra.

De acordo com a mesma fonte, o agente federal norte-americano Les Kinney vasculhou todos os ficheiros do caso numa tentativa de encontrar algo que tivesse escapado na investigação e encontrou a fotografia que pode desvendar o caso.

Trata-se de uma imagem que mostra várias pessoas num porto nas Ilhas Marshall, junto a um cargueiro que transporta o alegado avião da norte-americana. O agente diz que a foto foi captada antes de 1943 e que a mulher que está de costas é Amelia Earhart e que o homem mais à esquerda é o seu navegador, Fred Noonan.

O Canal História promete revelar mais pormenores sobre caso no dia 9 de julho, altura em que estreia um programa dedicado a esta investigação chamada "Amelia Earhart: The Lost Evidence" ( em português: Amelia Earhart, a prova perdida ).

Em 1925, Earhart foi a primeira aviadora a atravessar o Atlântico em 21 horas.