terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Top 10 descobertas arqueológicas de 2014


Graças ao trabalho cuidadoso de arqueólogos, este ano foram feitas grandes descobertas arqueológicas. Conheça as 10 mais importantes.

Este ano foram descobertos monumentos escondidos em Stonehenge, foi investigada a morte horrível de Ricardo III e a mumificação do rei Tut.

Desde a descoberta de um túmulo antigo na Grécia até à primeira prova da arte Neanderthal, aqui estão 10 das mais importantes descobertas arqueológicas do ano.


1. Túmulo da era de Alexandre o Grande


Raramente as escavações arqueológicas atraem tanta atenção em tempo real. Mas em Amphipolis, uma cidade costeira no norte da Grécia antiga, a descoberta de uma tumba de 2.300 criou um frenesi nacional.

Em agosto, escavadores encontraram esfinges quebradas, duas estátuas femininas chamadas cariátides, um piso de mosaico incrivelmente intacto e algum material esquelético, que está pendente de análise. Ainda não está claro quem foi enterrado no interior da tumba, mas alguns acreditam que possa ser alguém do círculo íntimo Alexandre o Grande.


2. Monumentos secretos de Stonehenge


Em Stonehenge, os pesquisadores relataram ter encontrado sinais de pelo menos 17 santuários neolíticos anteriormente desconhecidos. O grande anúncio pode mudar a maneira como os historiadores pensam acerca de Stonehenge.


3. Um navio no World Trade Center


No verão de 2010, os arqueólogos em Nova York descobriram um naufrágio no World Trade Center. Este ano, os pesquisadores de anéis de árvores que estavam estudando madeiras frágeis do navio anunciaram que tinham descoberto novos detalhes sobre o navio.

O navio foi provavelmente construído em 1773, em um pequeno estaleiro perto de Filadélfia. Além do mais, as madeiras do navio podem ter originado na mesma floresta de carvalho branco onde a madeira foi colhida para construir o Philadelphia Independence Hall, disseram os pesquisadores.


4. Ricardo III


Uma vez perdido para a história, o esqueleto do rei da Grã-Bretanha Ricardo III foi encontrado em um estacionamento, em 2012, e desde então, os restos do monarca têm sido uma benção para os cientistas que estudam DNA centenário, dieta e doença.

Entre os resultados deste ano, os cientistas relataram que encontraram uma correspondência de DNA mitocondrial entre Ricardo e dois de seus parentes vivos, oferecendo mais uma confirmação de que os ossos pertencem realmente ao rei.

Um modelo da coluna deformada de Ricardo mostrou que ele sofria de escoliose idiopática do adolescente. Isótopos trancados em dentes e ossos revelaram que o rei comeu (e bebeu) muito bem durante os seus dois anos no trono.

E, depois de uma autópsia cuidada, os pesquisadores também determinaram que Ricardo provavelmente morreu de forma rápida no campo de batalha; eles encontraram duas feridas na parte de trás do crânio que foram prováveis candidatos para o golpe fatal.


5. Um adolescente em um "buraco negro"


No fundo de uma caverna submarina chamada Hoyo Negro (espanhol de "buraco negro") na península mexicana de Yucatán, os mergulhadores descobriram um esqueleto quase completo de um adolescente. Apelidado de "Naia", os investigadores pensam que caiu para a morte há 12.000 a 13.000 anos atrás.

Os cientistas também descobriram que o DNA de restos mortais de Naia se assemelha ao moderno DNA nativo americano. A descoberta, que foi relatada em maio na revista Science, pode ajudar a resolver o debate de longa data sobre a identidade dos primeiros americanos.


6. Síria por satélite


A situação política paralisante na Síria tornou-se um teste para a arqueologia satélite. Fora do país devastado pela guerra, os arqueólogos têm-se voltado para imagens aéreas para saber mais sobre o estado de ruínas antigas da Síria. Até agora, as suas conclusões foram sombrias.

Cinco dos seis locais do Patrimônio Mundial da UNESCO da Síria mostram "danos significativos", e alguns edifícios estão agora "reduzidos a escombros," de acordo com uma análise de imagens de satélite pela Associação sem fins lucrativos e apartidária Americana para o Avanço da Ciência (AAAS).


7. Esposa de Jesus?


Em setembro de 2012, Karen King, da Universidade de Harvard anunciou a descoberta sensacional de um fragmento de papiro pequeno escrito em copta. O texto continha referências a uma "Maria" e a linha traduzida, "Jesus disse a eles: 'Minha esposa, ela será capaz de ser meu discípulo".

A sugestão era que Maria Madalena possa ter sido a esposa de Jesus - ou que algumas pessoas, nos tempos antigos, pelo menos, acreditavam que ela era sua esposa. Os estudiosos da Bíblia levantaram suspeitas sobre a autenticidade do chamado "Evangelho da Esposa de Jesus" por causa de aspectos problemáticos, como a caligrafia ruim e erros gramaticais.

E no início deste ano, uma investigação revelou que o papiro tem uma proveniência frágil. O proprietário anônimo das reivindicações comprou o documento a um homem já falecido. O texto está cada vez mais a parecer uma falsificação.


8. Queijo múmia


O mais antigo queijo conhecida do mundo foi encontrado este ano, escondido nos corpos de múmias de 3.800 anos de idade, no noroeste do deserto Taklamakan, na China. O queijo foi presumivelmente deixado nas sepulturas como um lanche para ser apreciado na vida após a morte.


9. A múmia do Rei Tut


Os pesquisadores já observaram várias anomalias de embalsamamento do rei Tutankhamon. O jovem faraó foi enterrado em um túmulo pródigo no Vale dos Reis, no Egito, sem um coração, uma quantidade excessiva de óleos negros e resinas foram aplicadas ao seu corpo, e seu pênis ereto foi mumificado em um ângulo de 90 graus.

Um estudo recente publicado na revista Études et Travaux sugere que o enterro incomum do rei Tut foi parte de um esforço deliberado para combater uma revolução religiosa desencadeada por seu pai. O pai do rei Tut, Akhenaten, é famoso por tentar introduzir o monoteísmo no Egito.


10. Artistas como nós?


Às vezes, as grandes descobertas vêm em pacotes pequenos. Este ano, dois estudos separados de minúsculas gravuras simples lançaram dúvidas sobre se os humanos modernos são realmente a única espécie Homo de ter a capacidade de criar arte.

Uma escultura geométrica em uma rocha na parte de trás de uma caverna em Gibraltar pode ter sido criada por Neandertais, os parentes mais próximos conhecidos dos humanos modernos, há 40 mil anos atrás, de acordo com um estudo na revista Proceedings.

No início deste mês, um outro grupo de cientistas em Java, na Indonésia, relatado na revista Nature encontrou uma série de barras e um "M" em forma de zigue-zague" numa concha com entre 540 mil e 430 mil anos de idade. Eles atribuíram os rabiscos ao Homo erectus, um ancestral dos humanos modernos.

Em ambos os casos, não está claro qual o significado (se houver) da "obra de arte" realizada, mas os estudos sugerem que os nossos antepassados humanos e parentes extintos eram capazes de pensamento abstrato tal como nós.