segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Bill Gates testa o seu novo investimento: água produzida a partir de fezes humanas


Bill Gates visitou complexo onde as fezes humanas são transformadas em água potável e eletricidade, uma solução que o magnata considera que poderá ser importante em países mais pobres.


Bebeu, gostou e garante ser seguro. Bill Gates visitou o complexo de uma empresa que construiu uma máquina que transforma as fezes humanas em água potável e em eletricidade. O magnata observou todo o processo, que demorou poucos minutos e terminou com o Bill Gates a beber água, que momentos antes era fezes humanas.

"A água sabe tão bem como qualquer outra de uma garrafa e tendo estudado a engenharia por trás [do processo], eu beberia satisfeito todos os dias. É assim tão segura", escreveu Bill Gates no seu blog. O magnata explica que "através do engenhoso sistema de vapor", a máquina "produz eletricidade mais do que suficiente para queimar o próximo lote de fezes." Ou seja, "gera a sua própria energia" e ainda sobra eletricidade. Refere ainda que o processador mais avançado que viu "consegue lidar fezes de mais de cem mil pessoas, produzindo até 86 mil litros de água potável por dia e uma rede de 250 kw de eletricidade.

Bill Gates acredita que o Omniprocessor (como foi apelidado em inglês) poderá ser uma solução para os problemas sanitários recorrentes nos países mais pobres. Dada a impossibilidade de serem construídas redes sanitárias idênticas às dos países desenvolvidos, este processo "pode desenvolver em segurança formas baratas para se livrar das fezes humanas".

Melhorar as condições sanitárias nos países mais pobres é um dos objetivos da fundação de Bill e Melinda Gates. O criador do Windows escreveu ainda que um projeto piloto do Omniprocessor vai começar no Senegal.

"O nosso objetivo é construir processadores suficientemente baratos que empresários de países pobres ou em desenvolvimento possam investir neles e iniciar um negócio rentável de tratamento de fezes", salientou Bill Gates.