sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Rede para pescar lixo espacial já apanhou o primeiro objeto


Imagem captada pelo satélite RemoveDebris no espaço, momento em que a rede está quase a capturar uma peça que se assemelha a uma caixa de cartão ece uma © DR-Centro Espacial da Universidade de Surrey

Satélite RemoveDebris está no espaço desde junho e lançou com sucesso uma rede em órbita que consegue capturar material que anda à deriva em redor da Terra. Veja as imagens.

Um satélite britânico lançou com sucesso uma rede em órbita para capturar detritos espaciais. A rede foi aberta a mais de 300 quilómetros acima da Terra e o objetivo é remover parte do lixo - proveniente de satélites, pedaços de foguetões, etc - que se encontra em redor da terra. De acordo com a BBC, o centro espacial da Universidade de Surrey estima que cerca de 7500 toneladas deste tipo de material esteja à deriva no espaço correndo o risco de colidir com alguma missão espacial.

O satélite RemoveDebris foi lançado da estação espacial em junho e captou imagens em vídeo da sua experiência quando tentava colocar a rede em órbita. Através de uma pequena sequência é possível observar uma rede brilhante que é disparada do satélite e que 'sufoca' um pequeno objeto do tamanho de uma caixa de sapatos que cai à volta da Terra e à frente da nave espacial da Universidade de Surrey.

O professor Guglielmo Aglietti, diretor do Centro Espacial de Surrey, disse à BBC News que a rede "funcionou exatamente como esperávamos." Explicando: "O alvo estava a girar, como se esperava, mas pode ver-se claramente que a rede o consegue capturar. E estamos muito felizes com a maneira como a experiência decorreu."


"Existem milhões de peças descartadas de metal e de outros materiais em órbita - desde antigos segmentos de foguetes até às ferramentas de astronautas que caíram acidentalmente. O receio é que, se não começamos já a tirar este lixo do céu, ele tornar-se-á uma ameaça significativa aos satélites ativos", refere Alastair Wayman, engenheiro da gigante aeroespacial Airbus, que também está envolvida neste projeto do satélite RemoveDebris.

"Se houver colisões, como já ocorreram, estas poderão criar ainda mais detritos espaciais. Estes poderão colidir com mais naves espaciais e, assim, haverá ainda mais detritos espaciais. É uma espécie de efeito de bola de neve", disse o engenheiro à BBC News.

A questão do lixo espacial está a tornar-se demasiado importante. Há várias empresas que já avançaram com novos pedidos para o lançamento de mais satélites que irão tentar lançar mais redes em órbita para conseguir capturar rapidamente qualquer hardware que esteja à deriva.


Sem comentários:

Publicar um comentário