quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Descoberta bactéria capaz de neutralizar resíduos nucleares


Uma bactéria peculiar, descoberta num armazém de resíduos nucleares na Sibéria, mostra-se promissora como ferramenta para criação de uma barreira natural contra a disseminação de radionuclídeos.

Pesquisadores do Instituto de Moscovo Físico-Químico Frumkin e do Centro Federal de Pesquisas de Biotecnologia da Academia de Ciências da Rússia conseguiram isolar microrganismos que podem ser úteis para proteger o meio ambiente de resíduos nucleares líquidos.

Cientistas fizeram a descoberta durante análises microbiológicas das águas subterrâneas no local de aterro de resíduos nucleares na cidade russa de Seversk, Sibéria, onde estão armazenados resíduos nucleares líquidos da Central Química Siberiana que fornece e reprocessa urânio enriquecido para combustível nuclear.

A pesquisa, divulgada recentemente na revista científica russa Radioaktivnye otkhody (Resíduos Radioactivos), supõe que a bactéria seja capaz de converter iões radionuclídeos, inclusive os encontrados em urânio e plutónio, em formas sedentárias, prevenindo o meio ambiente da disseminação de radiação perigosa.

Através de experiências em laboratório, cientistas conseguiram determinar condições necessárias para que a bactéria realize um trabalho útil.

Segundo os pesquisadores, trata-se do primeiro passo para criação de uma barreira biogeoquímica de radionuclídeos que pode ser usada em locais de aterro de resíduos nucleares líquidos.

Desde 1980, a sociedade presta grande atenção a pesquisas microbiológicas de territórios contaminados por radionuclídeos e locais de aterro de resíduos nucleares. Cientistas de todo o mundo apelam para levar em conta processos microbiológicos na esfera de aterro de resíduos nucleares que podem passar milhões ou até biliões de anos decompondo-se.

fonte: Sputnik News