sábado, 20 de maio de 2017

As bruxas ladras de pénis da Idade Média


Livro mostra as mulheres como monstruosas e sexualmente insaciáveis. 

O Malleus Maleficarum (Martelo das Bruxas) é um tratado medieval no qual se baseou a Inquisição para empreender o genocídio contra mulheres na Europa e na América entre os séculos XV e XVII. Publicado em 1487, na Alemanha, o livro foi citado pelos maiores inquisidores da época durante a caça às bruxas. 

No texto, são relatados vários exemplos de bruxaria, na sua maioria relacionados à sexualidade e à saúde reprodutiva femininas. Em suas páginas, são detalhados casos de fornicação com demônios e abortos praticados com plantas, além de pactos obscuros. 

Vários capítulos do tratado são dedicados às bruxas que roubavam pênis. De acordo com o Malleus Maleficarum, muitas mulheres possuíam, depois de realizar um pacto com o diabo, a capacidade de fazer o pênis de sua vítima desaparecer voluntariamente. Algumas, inclusive, cuidavam dos genitais masculinos como animais de estimação, alimentando-os à base de aveia. O livro também menciona a árvore de pênis, uma estranha planta da qual nasciam falos com frutos.


No tratado, é possível ler: “Toda bruxaria provém da luxúria carnal, que, nas mulheres, é insaciável”. Sob a ótica atual, não é difícil compreender que grande parte desse imaginário monstruoso se baseia na misoginia causada pelo medo da sexualidade feminina.

fonte: History