segunda-feira, 25 de abril de 2016

Tentilhões de Darwin continuam a evoluir nas Galápagos


A revista Science revela uma investigação que demonstra a "teoria da evolução" em tempo real.

A descoberta não traz "água no bico", mas traz sementes. Uma seca, ocorrida há 10 anos, mudou os genes do bico de duas espécies de tentilhões. As aves que entusiasmaram Charles Darwin quando chegou ao arquipélago das Galápagos em 1835.

Os tentilhões tinham bicos diferentes consoante aquilo que comiam. O mesmo acontecia com as tartarugas e o tamanho dos seus pescoços. Foi esse um dos pontos de partida para que o naturalista e biólogo escrevesse o célebre livro "A Origem das Espécies".

Com este artigo na revista Science, um grupo de investigadores suecos e norte-americanos, das universidades de Princeton e Uppsal, vêm agora dar um novo impulso à teoria de Darwin sobre a seleção natural. Eles identificaram um par de genes que explica as variações no tamanho do bico de duas espécies de tentilhões, uma mudança que aconteceu em resposta a uma seca no arquipélago há 10 anos.

Uma única espécie de tentilhões chegou às Galápagos há dois milhões. Há menos de 200 anos, Charles Darwin identificou uma dúzia de espécies. Algumas foram identificadas por pequenas variações. Por exemplo, o tamanho dos bicos. Desde o mais pequeno que come insetos, aos maiores capazes de partirem sementes ou até a uma espécie com bico afiado que se alimenta de sangue. Na atualidade há 18 espécies no arquipélago que é território do Equador.

Os investigadores sequenciaram e compararam o genoma de 60 aves de 6 espécies e descobriram esta mudança e a relação que a originou. Os bicos diminuíram de tamanho nos locais mais afetados pela seca. Em jeito de conclusão, os investigadores das universidades de Uppsala e Princeton dizem que fica demonstrado um importante mecanismo de evolução para o qual apenas existiam suspeitas e indícios.

"Os nossos dados mostram que a forma de bico depende de muitos genes, tais como com a maioria das características biológicas. No entanto, estamos convencidos de que encontrámos dois deles que têm desempenhado um papel importante na evolução do formato do bico entre os tentilhões de Darwin" escreveu Sangeet Lamichhaney, primeiro autor do estudo e investigador da Universidade sueca de Uppsala.

fonte: TSF