quinta-feira, 27 de abril de 2017

O planeta mais próximo do Sol está morrendo


Os geólogos Kelsey Crane e Christian Klimczak da Universidade da Geórgia (EUA) avaliaram o ritmo de arrefecimento de Mercúrio e o tempo que levou o planeta menor e mais próximo do Sol a adquirir o tamanho que tem hoje.

O estudo, publicado na revista Geophysical Research Letters, informa que anteriormente a sonda MESSENGER (MErcury Surface, Space ENvironment, GEochemistry) encontrou na superfície de Mercúrio numerosas dobras, sinuosidades e fracturas, o que permite concluir sobre a actividade tectónica do planeta, pelo menos no passado.

Os primeiros dados sobre as alterações do tamanho de Mercúrio foram registados pela estação espacial Mariner 10. As saliências e reentrâncias tectónicas na superfície do planeta, segundo os cientistas, podem ter surgido devido ao arrefecimento de Mercúrio. No entanto, apenas agora os geólogos conseguiram estimar o período e a velocidade desses processos.

Os geólogos acreditam que a contração global do planeta começou há mais de 3,85 biliões de anos. A redução do tamanho do planeta é agora pouco perceptível. Mesmo assim, o raio de Mercúrio diminuiu em mais de cinco quilómetros.

Os pesquisadores acreditam que Mercúrio começou a “encolher” após um bombardeio de meteoritos, que terminou há 3,8 biliões de anos e durou aproximadamente 400 milhões de anos. O corpo celeste ainda está se modificando, mas a actividade tectónica praticamente parou e o campo magnético do planeta está cada vez mais fraco.

Mercúrio foi detalhadamente estudado apenas por duas sondas – a Mariner 10 e a MESSENGER. Em 2018 o Japão e a UE planeiam enviar uma terceira missão para Mercúrio, a BepiColombo, composta por duas sondas. Os primeiros resultados da missão ainda demorarão muitos anos a chegar à Terra — mesmo que o lançamento seja realizado em 2018, a estação alcançará o planeta apenas em 2025.

fonte: Sputnik News

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...