domingo, 2 de outubro de 2016

Homens chegaram à América do Sul há pelo menos 14 mil anos, indica estudo


Imagem mostra (à esq.) três diferentes locais de impacto onde ossos de animais teriam sido fraturados por ferramentas humanas. Também é possível ver (à dir.) os entalhes e cicatrizes ampliados para análise





Crânio de Luzia, um dos fósseis mais antigos já encontrados no Brasil

Os homens já ocupavam a América do Sul há cerca de 14 mil anos, segundo evidências de uma pesquisa publicada na quarta-feira (28) pela revista PLOS.

O estudo conduzido por Gustavo Politis, da Universidade Nacional de Buenos Aires, analisou os Pampas da Argentina e encontrou ossos de animais quebrados por ferramentas humanas. O achado indica que os Homo sapiens teriam chegado à América antes do que acreditávamos.

Pesquisas anteriores afirmavam que os mais antigos habitantes do continente americano eram o povo da cultura Clóvis. Eles seriam de uma cultura pré-histórica que surgiu 13 mil anos atrás e receberam este nome por terem sido encontrados na cidade de Clóvis, Novo México, nos Estados Unidos.

Os novos achados colocam em xeque essa teoria, pois a ocupação humana do continente seria anterior aos indícios encontrados em Clóvis.

O local de pesquisa escolhido pelos cientistas foi Arroyo Seco 2, um sítio arqueológico considerado um dos mais importantes da Argentina e tem sido estudado desde 1972.

Na região, os pesquisadores encontraram ferramentas antigas, restos ósseos de diversas espécies extintas e ossos de animais contendo fraturas provavelmente causadas por ferramentas de pedra. 

Lugar de reunião

Os arqueólogos explicaram que várias partes do corpo de mamíferos extintos foram encontradas reunidas em um mesmo local, o que indica que ali deveriam acontecer atividades humanas de depósito e transporte de carcaças de animais para consumir em acampamentos temporários.

Os ossos concentrados também podem indicar a área onde aconteciam os abates.

Segundo resultados de técnicas de datação feitas por radiocarbono e análises microscópicas, cientistas calculam que as amostras são de entre 14.063 e 13.068 anos atrás.

Outros indícios já foram encontrados

Não é apenas na Argentina que existem indícios que contradizem a teoria que o povo da cultura Clóvis foi o primeiro da América. Um estudo publicado no fim do ano passado mostra que no Chile foram descobertos indícios de humanos nômades há 18.500 anos.

No Brasil, a descoberta de um crânio de cerca de 12 mil anos em Minas Gerais, Luzia, também questiona a teoria norte-americana sobre a entrada dos primeiros habitantes do continente.

fonte: UOL

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...