segunda-feira, 18 de julho de 2016

Explosão estelar permite ver linha de neve no espaço pela primeira vez


Uma equipa de investigadores observou hoje pela primeira vez uma linha de neve dentro de um disco protoplanetário depois da explosão de uma estrela jovem, anunciou o Observatório Europeu Austral (ESO).

Os resultados deste estudo serão divulgados amanhã pela revista científica Nature, tendo sido obtidos graças ao conjunto de antenas do observatório ALMA (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array), instalado no deserto de Atacama, no Chile.

"As observações do ALMA foram uma surpresa para nós", avançou o diretor da investigação, Lucas Cieza.

As estrelas jovens estão frequentemente rodeadas de discos, mais conhecidos como discos protoplanetários, através dos quais nascem os planetas, disse o Observatório Europeu Austral (ESO) num comunicado.

Segundo o ESO, a ideia de que existe neve em órbita no espaço é fundamental para a formação de planetas, uma vez que a presença do gelo regula a eficácia do primeiro passo na sua formação.

A região dos discos que tem lugar nestas transições é conhecida como a "linha de neve", que marca o lugar em que a temperatura dentro do disco que rodeia uma estrela jovem é suficientemente baixa, para possibilitar a formação de neve.

Segundo o Observatório Europeu Austral (ESO), o brilho da estrela jovem V883 Orionis aumentou tão substancialmente que aqueceu a parte interna do disco fazendo com que a linha de neve de água surgisse a uma distância muito maior daquela que era esperada, rondando 6.000 milhões de quilómetros.

Inicialmente, os cientistas tinham tentado obter imagens da fragmentação do disco que levava à formação de um planeta, acabando por descobrir estas imagens, o que considera um passo "muito importante" já que é possível indicar que essas explosões estelares são "um evento comum" e acontecem "na maioria dos sistemas planetários".