segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Meteorito mata homem na Índia. Pelo menos é essa a crença das autoridades


Os cientistas indianos já estão a estudar o incidente que, caso se venha a confirmar, significará a primeira morte causada por uma rocha espacial em quase 200 anos.

O episódio insólito terá ocorrido no campus da Universidade de Engenharia Bharathidasan, no Estado de Tamil Nadu. Um objeto não identificado caiu dos céus, por volta das 12h30 (hora local) de sábado, deixando no chão uma cratera com mais de um metro de profundidade, conta o Wall Street Journal.

Do incidente resultou uma morte, de um motorista da universidade, e três feridos, um estudante e dois jardineiros. G. Baskar, diretor da universidade, explicou que "o impacto parecia uma enorme explosão, capaz de ser ouvida a pelo menos três quilómetros". Vários vidros das salas de aulas e dos carros mais próximos também não resistiram ao impacto.

A ministra-chefe do Estado de Tamil Nadu, Jayalalithaa Jayaram, afirmou em comunicado que "o Sr. Kamaraj [motorista] morreu devido à queda de um meteorito dentro do campus universitário". A ministra não adiantou pormenores sobre o que terá levado as autoridades a acreditar que se tratava mesmo de um meteorito, mas vários cientistas indianos já estão no local a investigar o buraco e os fragmentos encontrados. Aos familiares da vítima foi entregue uma compensação de 1.300 euros, tendo os feridos recebido um quarto desse valor.


Caso se confirme que a morte do motorista foi causada por um fragmento de meteorito, será a primeira vez que tal acontece nos últimos 200 anos, de acordo com a Nasa. Sujan Sengupta, professor do Instituto de Astrofísica da Índia, é da opinião que a causa do incidente deverá ser outra, porque "quando um grande asteroide entra na atmosfera, imediatamente se desintegra e os pedaços tomam diferentes direções, acabando por ter maior probabilidade de caírem na água."

Em 2013, um meteorito caiu nos Montes Urais, na Rússia, ferindo cerca de 1.000 pessoas, a maioria devido aos pedaços de vidro que voaram, e danificando ainda 3.000 edifícios. Na altura, a Academia Russa das Ciências afirmou que o meteorito tinha vários metros de diâmetro e pesava cerca de 10.000 quilos.

fonte: TSF