sábado, 14 de abril de 2018

Tartaruga "punk" que respira pelos órgãos genitais corre risco de extinção


A tartaruga Mary River, da Austrália, entrou para a lista de animais ameaçados da Sociedade Zoológica de Londres. O animal é conhecido pelo visual semelhante ao de um "punk" e consegue ficar submersa na água durante três dias, respirando através dos órgãos reprodutores.

O animal, que pode atingir os 40 cm de comprimento, vive de forma exclusiva no rio Mary, em Queensland, na Austrália. O seu aspeto estranho deve-se aos fios verticais de algas que crescem no corpo. "Esta espécie de tartaruga passa tanto tempo submersa que alguns exemplares ficam cobertos por algas que depois parecem cabelo", explicou, ao "The Guardia", Rikki Gumbs, da Universidade Imperial de Londres.



A tartaruga tem órgãos semelhantes a guelras no interior da cloaca, um orifício usado pelos répteis para excreção e acasalamento, que lhe permite ficar submersa até três dias. No entanto, esta técnica de camuflagem não a conseguiu esconder de colecionadores que, devido ao seu caráter dócil, começaram a invadir os seus ninhos em 1960.

A destruição do habitat natural do animal, assim como a venda de ovos para o mercado de animais, contribuíram para a redução do número de animais vivos, uma realidade que está a deixar os especialistas preocupados. "Temos que voltar 50 milhões de anos para encontrar alguma espécie semelhante", disse, à "Reuters", Marilyn Connell, investigadora da Universidade Charles Darwin. "Seria um erro deixarque esta tartaruga desaparecesse como os dinossauros", sublinha.



A lista EDGE of Existence contabiliza cem répteis e acompanha as suas condições de conservação ao longo do tempo. Cada animal é classificada de acordo com o seu risco de extinção baseado no grau de isolamento. Atualmente, a tartaruga Mary River ocupa a posição 30 do ranking, liderado pela Tartaruga de cabeça grande de Madagáscar.