quinta-feira, 2 de maio de 2019

Encontrado na Índia uma cidade antiga destruída por uma explosão nuclear há 8.000 anos


Uma cidade antiga destruída por uma explosão nuclear há 8000 anos

Uma camada de cinzas pesadas radioactivas em Rajasthan, na Índia, cobre uma área de oito quilómetros quadrados, a cerca de 15 km a oeste de Jodhpur.

Os cientistas estão estudando o local, onde um empreendimento habitacional estava em construção. Por algum tempo, foi estabelecido que há uma taxa muito alta de defeitos congénitos e pacientes com cancro numa área em construção. Os níveis de radiação registados são tão altos que o governo indiano achou por bem isolar a região.

Os cientistas descobriram uma cidade antiga, onde se encontram vestígios de uma explosão atómica que remonta a milhares de anos, de 8000 a 12000 anos, que destruiu a maioria dos edifícios e provavelmente matou meio milhão de pessoas.

Os investigadores estimam que a bomba nuclear usada foi aproximadamente do tamanho das que explodiram no Japão em 1945. O Mahabharata descreve claramente uma explosão catastrófica que abalou o continente. "Uma única bala carregada com todo o poder do Universo ...

Uma coluna incandescente de fumo e chamas brilhantes, como 10.000 sóis, explodiu em todo o seu esplendor... era uma arma desconhecida, um relâmpago de ferro, um mensageiro gigante da morte que reduziu uma raça inteira a cinzas. "Os cadáveres estavam tão queimados que ficavam irreconhecíveis. O cabelo e as unhas caíram, a cerâmica quebrou sem causa aparente e os pássaros ficaram brancos.

"Depois de algumas horas, todos os produtos alimentares foram infectados. Para sair desse fogo, os soldados atiraram-se ao rio. "O historiador Kisari Mohan Ganguli diz que os escritos sagrados indianos estão cheios de tais descrições, que soam como uma explosão atómica semelhante às de Hiroshima e Nagasaki. Ele diz de referências à luta de carros no céu e a uma arma final. Uma antiga batalha é descrita no Drona Parva, uma secção do Mahabharata.

A passagem fala de batalhas nas quais as explosões das armas finais dizimam exércitos inteiros, fazem um massacre de uma multidão de guerreiros com cavalos e elefantes e armas, levadas como se fossem as folhas secas das árvores", diz Ganguli. "Em vez de cogumelos atómicos, o escritor descreve uma explosão vertical com suas nuvens de fumo flutuando como aberturas numa série de guarda-chuvas gigantes. Não há comentários sobre a contaminação de alimentos e cabelos de pessoas que caem ”. O arqueólogo Francis Taylor diz que gravuras em alguns templos próximos, que ele conseguiu traduzir, sugerem orações para serem poupadas da grande luz que estava prestes a causar a ruína da cidade.

"É incrível imaginar que algumas civilizações possuíssem tecnologia nuclear antes de nós. A cinza radioactiva adiciona credibilidade aos antigos contos indianos que descrevem a guerra atómica. "A actividade de construção foi interrompida, enquanto o grupo de cinco membros conduz a investigação. O encarregado do projecto é Hundley Lee, que iniciou a investigação, depois que um alto nível de radiação foi descoberto.


Sem comentários:

Publicar um comentário