segunda-feira, 13 de maio de 2019

A Lua está a encolher como uma passa. Em vez de enrugar, a superfície parte-se


NASA estima que a Lua tenha encolhido mais de 50 metros nas últimas centenas de milhões de anos.


A Lua está a encolher à medida que o seu interior arrefece e a ganhar falhas, conclui um estudo hoje divulgado pela agência espacial norte-americana NASA.

Tal como uma uva 'enruga' quando se torna numa passa, a Lua fica 'enrugada' quando 'encolhe' à medida que o seu interior arrefece.

You've heard of earthquakes. But what about moonquakes? Like a wrinkled grape drying out to a raisin, the Moon is shrinking as its interior cools causing wrinkles or faults to form on its brittle surface. When enough stress builds, it releases the quakes:




A NASA estima que a Lua terá encolhido mais de 50 metros nas últimas centenas de milhões de anos.

Ao contrário, no entanto, da pele da uva, que é flexível, a crosta da superfície da Lua é quebradiça, 'parte-se' quando contrai, formando 'falhas' quando uma secção da crosta é empurrada para uma área limítrofe.


View image on TwitterView image on TwitterView image on TwitterView image on Twitter

The wise old Moon shows its age


After billions of years of cooling, the Moon continues to shrink. This @NASA study shows how wrinkle ridges, curved hills and shallow trenches are forming as the Moon loses heat:


https://




Segundo o coordenador do estudo, Thomas Watters, do Centro de Estudos da Terra e Planetas do Museu Nacional do Ar e do Espaço de Washington, nos Estados Unidos, estas falhas "continuam ativas" e "parecem produzir 'sismos' lunares à medida que a Lua continua gradualmente a arrefecer e a encolher".

"Alguns destes abalos podem ser razoavelmente fortes", admitiu o investigador, citado em comunicado pela NASA.


O estudo, publicado hoje na revista científica Nature Geoscience, analisou dados de quatro sismómetros colocados na Lua por astronautas das missões Apollo, usando um algoritmo desenvolvido para identificar, por estimativa, as localizações dos abalos lunares.

Os cientistas socorreram-se ainda de imagens da sonda norte-americana Lunar Reconnaissance Orbiter (LRO), lançada em 2009.

fonte: TSF

Sem comentários:

Publicar um comentário